A VIVÊNCIA DA ESPIRITUALIDADE NO CONTEXTO CARCERÁRIO À LUZ DA LOGOTERAPIA

  • Fabio Henrique Alves Da Silva PUC MINAS BETIM
  • Aurino José Góis
Palavras-chave: Sistema carcerário, Espiritualidade, Sentido, Psicologia

Resumo

A presente pesquisa buscou analisar a vivência da espiritualidade no sistema carcerário a partir da teoria de Viktor Emil Frankl. Buscando entender como aspectos da espiritualidade poderia auxiliar no processo de ressocialização do sujeito encarcerado. A pesquisa foi realizada no Presidio de Ibirité – Minas Gerais. A primeiro momento foi realizado uma pesquisa bibliográfica dentro das obras de Frankl e de outros autores foram utilizados para estruturar os argumentos. As entrevistas foram feitas com método de pesquisa semiestruturado. Sem a utilização de gravador, apenas lápis e papel. Com egressos do sistema pôde ser utilizado o gravador de celular. Os resultados apontaram para uma ressignificação de sentido dos sujeitos em cárcere, contudo, ela não é suficiente por si só, requer um apoio das instituições sociais para se consolidar.

Biografia do Autor

Fabio Henrique Alves Da Silva, PUC MINAS BETIM
Psicologo em formação na Pontificia Universidade Catolica de Minas Gerais

Referências

AZEVEDO, Afonso Henrique Cardoso de et al. Sistema prisional. Revista Científica da Unesc, Espirito Santo, v. 13, n. 16, p.42-60, nov. 2015. Disponível em: . Acesso em: 04 jul. 2018.
BONI, Valdete; QUARESMA, Sílvia Jurema. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Aprendendo A Entrevistar: Como Fazer Entrevistas em Ciências Sociais, Santa Catarina, v. 2, n. 1, p.68-80, jun. 2005. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2018.
DESLAURIERS J-P. Recherche qualitative; guide pratique. Québec (Ca): McGrawHill, Éditeurs, 2015 dos Santos Almo, M. P., da Silva Levy, C. H., de Souza, Z. S., Pasoline, W. F., de Azevedo, A. H. C., & Cavalli, K. (2016). SISTEMA PRISIONAL BRASILEIRO. Revista Científica da UNESC, 13(1). Disponível em Acesso em 7 de set. 2017.
DUARTE, Rosália. Pesquisa qualitativa: reflexões sobre o trabalho de campo. Cadernos de pesquisa, v. 115, n. 1, p. 139-54, 2002. Disponível em :
http://jornalnasaladeaula.com.br/_common/dados/arquivosbiblio/Texto+n+09.pdf. Acesso em: 01 jul.2017.
ENGBRUCH, W. SANTIS, B. A evolução histórica do sistema prisional e a Penitenciária do Estado de São Paulo. Rev. Liberdades. N. 11, p. 1-22, 2012. Disponível em: http://www.revistaliberdades.org.br/_upload/pdf/14/historia.pdf Acesso em 2 de set. 2018.
FRANKL, Viktor Emil. A vontade de sentido. São Paulo: Paulus, 2011. 223 p.
FRANKL, Viktor. Em Busca de Sentido: Um psicólogo no campo de concentração. 19. Ed. Vozes, 1991. 136 p.
FRANKL, Viktor Emil. Sede de Sentido. 3. ed. São Paulo: Quadrante, 2003.
GALÚCIO, Iarani Augusta Soares. Os impactos da Assistência Religiosa no Processo de Ressocialização dos presos. Disponível para consulta em: . Acesso em 05 Jul 2018.
GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas S.a, 2008. 220 p. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2018.
GODOY, Arilda Schmidt. PESQUISA QUALITATIVA TIPOS FUNDAMENTAIS. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 3, p.20-29, maio 1995. Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2018.
Gomes, J. C. V. (1988). A prática da psicoterapia existencial: logoterapia.Petrópolis: Vozes.
GUIDO, Gilzia Dias PayÃo. Sistema prisional e a ressocialização do preso. 2015. 54 f. Monografia (Especialização) - Curso de Direito, Fundação Educacional do Município de Assis – Fema, Assis, 2015. Disponível em: . Acesso em: 05 jul. 2018.
LANCETTI, A., & Amarante, P. (2006). Saúde mental e saúde coletiva. In G. Campos et al. (Orgs), Tratado de saúde coletiva. (pp. 615-634) São Paulo; Rio de Janeiro: Hucitec; Fiocruz.
LIMA, Telma Cristiane Sasso de; MIOTO, Regina Célia Tamaso. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Rev. katálysis, Florianópolis , v. 10, n. spe, p. 37-45, 2007 . Available from .access on 01 July 2017. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-49802007000300004

MADEIRA, Lígia. A atuação da sociedade civil na ressocialização de egressos do sistema penitenciário, VIII Congresso Luso Afro-Brasileiro de Ciências Sociais, 2004. Disponível em: . Acesso em: 29 Jul 2018.
MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de pesquisa. Editora Atlas S.a, São Paulo, n. 6, p.71-83, 2007. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2018.
MARQUES, Luciana Fernandes. A saúde e o bem-estar espiritual em adultos porto-alegrenses. Psicol. cienc. prof., Brasília , v. 23, n. 2, p. 56-65, June 2003 . Disponível em:. Acesso em: 15 Mai 2017.
MINAYO, Maria Cecília de Souza; HARTZ, Zulmira Maria de Araújo; BUSS, Paulo Marchiori. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 5, n. 1, p. 7-18, 2000 . Available from . access on 03 Sept. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232000000100002.

MOREIRA, Neir; HOLANDA, Adriano. Logoterapia e o sentido do sofrimento: convergências nas dimensões espiritual e religiosa. Psico-USF (Impr.), Itatiba , v. 15, n. 3, p. 345-356, Dec. 2010 . Disponível em: . Acesso em 31 Aug. 2018.
OLIVEIRA, H. Contexto histórico do sistema prisional: O Caráter ressocializador da atividade laborativa. Rev. Etic.Vol. 2, N. 2, p. 1-15, 2006. Disponível em: http://intertemas.unitoledo.br/revista/index.php/ETIC/article/viewArticle/1176 Acesso em 3 de Set 2018.
OLIVEIRA, Márcia Regina de; JUNGES, José Roque. Saúde mental e espiritualidade/religiosidade: a visão de psicólogos. Stud. psicol. (Natal), Natal , v. 17, n. 3, p. 469-476, Dec. 2012 . Available from . Acesso em 13 Mar. 2017.
TAKEMIYA, Dayane Yurie; Punição, prevenção e ressocialização; aspectos do sistema prisional brasileiro; 2015. Disponível in https://jus.com.br/artigos/36796/prevencao-punicao-e-ressocializacao-aspectos-do-sistema-prisional-brasileiro Acesso em 3 de Set 2018.
Publicado
07-09-2020
Como Citar
DA SILVA, F. H. A.; GÓIS, A. J. A VIVÊNCIA DA ESPIRITUALIDADE NO CONTEXTO CARCERÁRIO À LUZ DA LOGOTERAPIA. Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, v. 5, n. 9, p. 117-137, 7 set. 2020.
Seção
Artigos de temática livre