O VÍNCULO AFETIVO NO ABRIGAMENTO DE CRIANÇAS

  • Taciany Karyn Ramos Medeiros PUC Minas
Palavras-chave: Vínculo Afetivo, Desamparo, Abrigamento infantil, Teoria do apego

Resumo

O presente artigo visa a abordar o desenvolvimento emocional da criança em situação de abrigamento, e em que medida tal desenvolvimento depende do vínculo afetivo experienciado pela criança com seus pais ou substitutos parentais, em seus primeiros anos de vida, e que foi ou não elaborado na experiência de abrigamento. Para isso, o artigo procura mostrar, inicialmente, que a afetividade está relacionada com o desamparo próprio da condição humana, e com os vínculos estabelecidos nos primeiros anos de vida com os pais ou cuidadores substitutos com os quais o indivíduo estabelece um comportamento de apego, perpassando esferas de possibilidades determinantes para a imagem que o sujeito irá construir de si, para sua percepção do mundo, e a maneira como irá estabelecer futuras relações interpessoais. Finalmente, são analisadas as construções simbólicas e subjetivas relacionadas à ausência de afeto em crianças marcadas pela ruptura dessa vinculação parental primária, e submetidas ao ambiente e contexto de abrigamento institucional.

Referências

ALTOÉ, Sônia. (2008b). O bebê que “invade”: reflexões sobre o atendimento institucional a crianças em situação de vulnerabilidade social em Leite, Delgado Leite e Botelho (Org.), Juventude, desafiliação e violência. Rio de Janeiro: Contracapa.

BIRMAN, J. (1991) Freud e a interpretação psicanalítica: a constituição da psicanálise. Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

BOWLBY, J. (1981). Cuidados maternos e saúde mental. São Paulo: Martins Fontes Editora.

BOWLBY, J. (1984). Apego e perda: Vol. 2. Separação: Angústia e raiva. São Paulo: Martins Fontes Editora.

BOWLBY, J. (1998). A secure base – Clinical applications of attachment theory. London: Routledge.

BRASIL. Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 16 jul. 1990. Disponível em: . Acesso em: 02 jun. 2019.

CUKIER, Rosa. (1998). Sobrevivência emocional: as dores da infância revividas no drama adulto. São Paulo: Ágora.

FREUD, Sigmund. (1996). Projeto para uma psicologia científica. Edição Standard das Obras Completas de Sigmund Freud (vol. I, pp. 333-449). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1895).

FREUD, Sigmund. (1996). Romances familiares. Edição Standard das Obras Completas de Sigmund Freud (vol. IX, pp. 219-224). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1909).

FREUD, Sigmund. (1996). A dissolução do complexo de Édipo. Edição Standard das Obras Completas de Sigmund Freud (vol. XIX, pp. 189-200). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1924).

GREEN, A. (1982) O discurso vivo: a conceituação psicanalítica do afeto. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

LACAN, Jacques. (2003). Os complexos familiares na formação do indivíduo (1938) em Outros Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Original publicado em 1938).

LANE, S. T. M., & CODO, W. (2001). Psicologia social: O homem em movimento. São
Paulo: Brasiliense.

LAPLANCHE, J. (1998) Problemáticas I: a angústia. São Paulo: Martins Fontes.

LEWIN, Kurt (1975) Teoria Dinâmica da Personalidade. Rio de Janeiro: Cultrix

NERY, Maria da Penha (2003) Vínculo e Afetividade: Caminhos das relações Humanas. São Paulo: Ágora

NOGUEIRA, P. C. (2004). A criança em situação de abrigamento: reparação ou re-abandono. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica,
Universidade de Brasília. Brasília, DF.

SOUZA, O. Psicanálise e Universidade: ensino. Psicologia USP, São Paulo, v. 12, n.2, p. 177 – 188, 2001.

SPITZ, R. A. (1998). O primeiro ano de vida. (E. M. Rocha, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1965).

SROUFE, L. A. (2005). Attachment and development: A prospective, longitudinal study from birth to adulthood. Attachment e Human Development, 7, 349-367.

WINNICOTT, D. W. (1980). A família e o desenvolvimento do indivíduo. Belo Horizonte:
Interlivros.

WINNICOTT, D. W. (1985). A criança e seu mundo (6a ed.). Rio de Janeiro: Zahar.

WINNICOTT, D. W. (1993). A Família e o Desenvolvimento Individual. São Paulo. Martins Fontes.
Publicado
08-09-2020
Como Citar
RAMOS MEDEIROS, T. K. O VÍNCULO AFETIVO NO ABRIGAMENTO DE CRIANÇAS. Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, v. 5, n. 9, p. 541-561, 8 set. 2020.
Seção
Artigos de temática livre