O SUJEITO HIPERMODERNO: DO LAÇO SOCIAL AO NÓ DO MERCADO

  • Helena de Almeida Cardoso Caversan Universidade do Estado de Minas Gerais/ graduanda em Psicologia
  • Mardem Leandro Silva Universidade do Estado de Minas Gerais/Professor do curso de Psicologia https://orcid.org/0000-0001-7069-4608
Palavras-chave: consumo, Discurso do Capitalista, hipermodernidade, objeto a, sujeito

Resumo

Resumo: O artigo tem como origem a indagação do que caracteriza o sujeito da psicanálise e como ele se insere nos excessos da sociedade atual, buscando um recorte temático a respeito da compulsão ao consumo e aos modos de subjetivação decorrentes desta. Partindo da pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito, que aponta um alto índice no que se refere ao não controle do desejo de compra, discutimos o assunto com o objetivo de realizar uma leitura, à luz da teoria de Sigmund Freud e Jacques Lacan, acerca do sujeito contemporâneo e sua relação com os objetos nesta dinâmica da compulsão ao consumo. Lipovetsky e o seu conceito de hipermodernidade nos dá o pano de fundo para o debate sobre uma sociedade na qual o Outro não mais existe, e que é povoada por sujeitos que não se relacionam mais entre si, mas sim com os objetos de consumo produzidos pela ciência: os chamados gadgets. A dificuldade de lidar com o vazio estrutural, preenchendo-o a todo momento pelos produtos de consumo, portanto, é um aspecto que possui presença marcada na clínica, podendo ser configurado com o grande mal-estar de nossa época.

Referências

AMERICAN PSYCHIATRY ASSOCIATION - APA. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. Trad. Maria Inês Corrêa Nascimento et al. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.


ARISTÓTELES. Metafísica. São Paulo: Loyola, 2002.


COUGO, Raquel H. F. do A.; Vieira, Marcus A. Do universo infinito ao mercado ilimitado – a hipermodernidade de Jacques Lacan. Tempo Psicanalítico. Rio de Janeiro, v. 46.1, p. 44 – 54. 2014. Disponível em: Acesso em: 15 jan. 2019.

DELEUZE, Gilles. (1972-1990/1992). Post-scriptum sobre as sociedades de controle. In: Conversações. Rio de Janeiro. ed. 34. p. 219 – 226. 1972-1990/1992.

DESCARTES, René. Discurso do método. Lisboa: Edições 70, 1988.

DUNKER, Christian I. L. Mal-estar, sofrimento e sintoma. São Paulo. Boitempo, 2015.

DUNKER, Christian I. L. O cálculo neurótico do gozo. São Paulo: Escuta, 2002.


ELIA, Luciano. O conceito de sujeito. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. 2010.


FINK, Bruce. O sujeito lacaniano: entre a linguagem e o gozo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

FREUD, Sigmund. A Interpretação dos Sonhos (1900). In: FREUD, Sigmund. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996. V. 5, p. 541-650.


FREUD, Sigmund. Além do princípio do prazer (1920). In: FREUD, Sigmund. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996. V. 18, p. 11-72.


FREUD, Sigmund. Análise terminável e interminável (1937). In: FREUD, Sigmund. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996. V. 23, p. 135- 164.

FREUD, Sigmund. Mal-estar na civilização (1930[1929]). In: FREUD, Sigmund. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996. V. 21, p. 38-97.


FREUD, Sigmund. Moisés e o monoteísmo três ensaios (1939 [1934-38]). In: FREUD, Sigmund. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996. V. 23, p. 3 - 88.


FREUD, Sigmund. Totem e tabu (1913 [1912-1913]). In: FREUD, Sigmund. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996. V. 13, p. 3 - 115.


GERBASE, Jairo. A hipótese lacaniana. Salvador: Campo Psicanalítico, 2011.


GOLDENBERG, Mario. Discurso do capitalista. In: Associação mundial de psicanálise. Um real para o século XXI. Editora Scriptum. 2014.

GUERRA, Andréa. M. C.; ANDRADE, Hudson. V. de. Sobre a teoria da nominação em J. Lacan: do ato à invenção. In: GUERRA, Andréa. M. C.; VORCARO, Angela. M. R. A teoria da nominação da obra de Jacques Lacan. Belo Horizonte. Editora CRV, 2018. p. 17 – 29.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. São Paulo: Editora Vozes, 2005.


LACAN, Jacques. A ciência e a verdade (1965). In: LACAN, Jacques. Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998. p. 869-892.


LACAN, Jacques. Do discurso psicanalítico (conferência de Lacan em Milão) (1972). Tradução: Sandra Regina Felgueiras. 25 p. Disponível em: Acesso em: 15 jan. 2019.

LACAN, Jacques. Joyce, o sintoma (1975). In: LACAN, Jacques. Outros Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003. p. 565 – 570.


LACAN, Jacques. O Seminário, livro 18: de um discurso que não fosse semblante (1971). Rio de Janeiro: Zahar, 2009.


LACAN, Jacques. O Seminário, livro 20: mais, ainda (1972-73). Rio de Janeiro: Zahar, 1985.


LACAN, Jacques. Seminário livro 17: O avesso da Psicanálise (1969-1970). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2016.


LACAN, Jacques. Seminário, livro 11: os quatro conceitos fundamentais da psicanálise (1964). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.


LACAN, Jacques. Seminário, livro 8: a transferência (1960-1961). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1992.


LACAN, Jacques. Subversão do sujeito e dialética do desejo no inconsciente freudiano (1960). In: LACAN, Jacques. Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998. p. 807-842.


LIPOVETSKY, Gilles. Os tempos hipermodernos. São Paulo. Editora Barcarolla, 2004.

MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política – Volume I (1867). In: SINGER, P. Os economistas. Editora Nova Cultura. São Paulo. 1996.

MILNER, J, -C. A obra clara: Lacan, a ciência, a filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996.


PORGE, E. Sujeito. In: P. KAUFMANN. Dicionário enciclopédico de psicanálise: o legado de Freud e Lacan. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996. p. 501-510.


QUINET, Antonio. O olhar como um objeto (1997). In: BROUSE, M. H. Para ler o Seminário 11 de Lacan. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. p. 155 – 163.

QUINET, Antonio. Psicose e laço social. 2 ed. Rio de Janeiro. Jorge Zahar, 2009.

ROSA, Márcia. Jacques Lacan e a clínica do consumo. Psicologia Clínica. Rio de Janeiro. v. 22, n. 1, p. 157 – 171, 2010. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/pc/v22n1/a10v22n1.pdf> Acesso em: 15 jan. 2019.

ROUDINECO, Elizabeth; PLON, M. Dicionário de psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

Serviço de Proteção ao Crédito – SPC Brasil. Impacto das emoções nas compras por impulso. 2016. Disponível em: Acesso em: 15 jan. 2019.

SILVA, Mardem Leandro. A conjectura lógica de Jacques Lacan: a lógica como ciência do real. 2019. 403 p. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Belo Horizonte.


SILVA, Mardem Leandro. A hipótese fantasma: a função do fantasma na construção do conhecimento. 2014. 221 p. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de São João del-Rei, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, São João del-Rei.


SILVA, Naiara Pereira da; VAZ, Anna Isabel Araújo. Desejo, consumismo e Subjetivação. Revistas PUC-SP. p. 27 – 42, 2018. Disponível em: Acesso em: 15 jan. 2019.

TOREZAN, Zélia. C. Facci.; AGUIAR, Fernando. (2011). O sujeito da psicanálise: particularidades na contemporaneidade. Mal-estar e subjetividade. Fortaleza. v.11, n. 2, p. 525-554, 2011. Disponível em: Acesso em: 15 jan. 2019.


VIEIRA, Marcus André. A (hiper)modernidade lacaniana. Latusa. Rio de Janeiro, n. 9, p. 69 – 82, 2004. Disponível em: Acesso em: 15 jan. 2019.

ZIZEK, Slavoj. O sujeito incômodo: o centro ausente da ontologia política. São Paulo: Boitempo, 2008.
Publicado
08-09-2020
Como Citar
DE ALMEIDA CARDOSO CAVERSAN, H.; SILVA, M. L. O SUJEITO HIPERMODERNO: DO LAÇO SOCIAL AO NÓ DO MERCADO. Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, v. 5, n. 9, p. 522-540, 8 set. 2020.
Seção
Artigos de temática livre