AFILIAÇÃO À PESQUISA ACADÊMICA NA FORMAÇÃO STRICTO SENSU

Palavras-chave: Afiliação, Assistência Estudantil, Stricto Sensu

Resumo

Este relato de pesquisa decorre do projeto de mestrado “Políticas de Assistência Estudantil e as necessidades de saúde mental dos estudantes de pós-graduação stricto sensu”, desenvolvido na Universidade do Estado da Bahia no período de 2018 à 2019. O objetivo geral da pesquisa foi o de compreender a experiência de afiliação para, posteriormente, propor ações que deem suporte a percursos bem-sucedidos de estudantes da pós-graduação. A prática da pesquisa realizou movimentos de natureza exploratória e explicativa e a abordagem foi qualitativa, o desenho de estudo orientou-se para a pesquisa aplicada. O procedimento de produção de dados da pesquisa foi a realização de Rodas de Conversa desenvolvidas no período de julho à outubro de 2019, perfazendo um total de 10 encontros de uma hora cada, dos quais participaram 30 estudantes e cujos temas disparadores para os encontros foram dificuldades, experiências e as escolhas que envolvem fazer um curso de pós-graduação. O projeto de pesquisa foi submetido e aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa com o Parecer nº 3.210.262 datado de 20 de março de 2019. Nas Rodas de Conversa os estudantes apontaram as principais dificuldades com que se depararam para construir seu percurso de afiliação à pesquisa acadêmica na formação stricto sensu e os principais caminhos para superar essas dificuldades. No que concerne as responsabilidades da universidade e do programa de pós-graduação indicaram a necessidade de ações estruturadas de acolhimento e orientação para a construção do percurso acadêmico, com espaços de escuta e diálogo acerca dos desafios a serem enfrentados ao longo dos 24 meses de curso, incluindo-se aqui as necessidades de infraestrutura e os impactos psicológicos envolvidos no processo de produção de sujeitos pesquisadores.

 

Biografia do Autor

Rosângela da Luz Matos, Universidade do Estado da Bahia

Possui graduação em Psicologia PUCRS (1992), Licenciatura em Psicologia UFRGS (1998), mestrado em Psicologia Social e Institucional UFRGS (2001) e Doutorado em Sociologia UFC (2008). Pós Doutorado em Estudos Interdisciplinares sobre Universidade UFBA (2012). Professora permanente do Programa de Pós-Graduação stricto sensu Gestão e Tecnologias Aplicadas a Educação - GESTEC/UNEB. Líder do grupo de pesquisa CNPq Educação, Universidade e Região - EdUReg. Temáticas de estudo em Educação: Práticas de Escrita e Leitura, Adolescências, Juventudes, Trabalho.

Referências

ANDRÉ, Marli; GATTI, Bernadete. Métodos Qualitativos de Pesquisa em Educação no Brasil: origens e evolução. Simpósio Brasileiro- Alemão de Pesquisa Qualitativa e Interpretação de Dados, Faculdade de Educação da Universidade de Brasília, 2008.

BARBIER, René. A pesquisa-ação. Brasília: Liber Livro Editora, 2007. 159 p.

BOURDIEU, Pierre. Campo intelectual e habitus de classe. In: _____. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2001. Disponível em: . Acesso em: 18 de set. 2019.

COULON, Alain. A condição do estudante: a entrada na vida universitária. Salvador: Edufba, 2008. p. 276.

DE MEIS, L. et al . The growing competition in Brazilian science: rites of passage, stress and burnout. Braz J Med Biol Res, Ribeirão Preto , v. 36, n. 9, p. 1135-1141, Set. 2003. Disponível em: . Acesso em: 4 mai. 2019.

GATTI, Bernardete. Reflexão sobre os desafios da pós-graduação: novas perspectivas sociais, conhecimento e poder. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro , n. 18, p. 108-116, Dez. 2001. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2019.

JUNG, Carl G. A Prática da Psicoterapia. 14. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

LOURENÇO, Denise. Fanzine: Procedimentos construtivos em mídia tática impressa. 2006. 171 f. Dissertação (mestrado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, mestrado em comunicação e semiótica, São Paulo.

MALAGRIS, Lucia Emmanoel Novaes et al. Níveis de estresse e características sociobiográficas de alunos de pós-graduação. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 15, n. 1, p.184-203, 2009. Disponível em:. Acesso em: 10 jun. 2019.

MATOS, Rosângela da Luz; SAMPAIO, Sônia Maria Rocha. A orientação acadêmica entre a disciplinaridade e a interdisciplinaridade. In: SANTOS, Georgina; SAMPAIO, Sônia Observatório da Vida Estudantil: Universidade, responsabilidade social e juventude, Salvador, p.121-141, 2013.

MINAYO, Maria Cecília. Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 18. ed. Petrópolis: Vozes, 2001. 80 p.

MOURA, Adriana; LIMA, Maria. A reinvenção da roda: roda de conversa: um instrumento metodológico possível. Revista Temas em Educação, João Pessoa, v.23, n.1, p. 98-106, jan.-jun., 2014. Disponível em:
< https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/rteo/article/view/18338/11399>. Acesso em: 14 jun. 2019.

OLIVEIRA, Maria Marly de. Como fazer Pesquisa Qualitativa. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2013. 232 p.

OLIVEIRA, Helena; CONCEIÇÃO, Maria. Sofrimento mental de pós-graduandos na UNB: levantamento e propostas de solução. 6º Congresso Brasileiro de Saúde Mental. Brasília, DF. maio/jun, 2018. Disponível em: . Acesso em: 10 mai. 2019.

VILAÇA, Márcio Luiz Corrêa. Pesquisa e Ensino: considerações e reflexões. Revista E-scrita, Rio de Janeiro, v. 1, p. 59-74, 2010. Disponível em: . Acesso em: 7 jul. 2019.
Publicado
07-09-2020
Como Citar
CABUS, C. A.; DA LUZ MATOS, R. AFILIAÇÃO À PESQUISA ACADÊMICA NA FORMAÇÃO STRICTO SENSU. Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, v. 5, n. 9, p. 138-158, 7 set. 2020.
Seção
Artigos de temática livre