A FUNÇÃO DA ESCRITA PARA O AUTISTA NAOKI HIGASHIDA

  • Tayná Amorim Puc Minas Coração Eucarístico
Palavras-chave: autismo, psicanalise, escrita, voz, comunicacao

Resumo

O presente artigo parte de um estudo que buscou compreender a função da escrita para o autista Naoki Higashida a partir do seu livro “O que me faz pular”. Diante da dificuldade que a voz falada apresenta para o autor, a hipótese levantada foi que a escrita viabiliza um tratamento da voz e a estabilidade dos signos, atendendo aos anseios de imutabilidade do autista. Partindo de um olhar psicanalítico sobre a voz e os sujeitos autistas, foram estudadas as contribuições de diversos autores relacionados ao tema, ressaltando as contribuições de Higashida em sua singularidade na sua relação com a escrita. Foi possível concluir que a voz, enquanto objeto a, não é algo extraído pelo autista em sua constituição, não favorecendo o endereçamento da voz ao outro, a partir da entrada na linguagem e, assim, o autista retém sua voz. A escrita de Higashida favorece à ele se conectar ao mundo externo, uma vez que possibilita o trabalho com signos, evitando polissemias e endereçamento direto da voz ao Outro, não havendo a presença marcante deste. A hipótese é confirmada uma vez que, sustentada pelo recurso ao duplo, a escrita proporciona tranquilidade ao lidar com letras, números e símbolos, atende aos critérios de imutabilidade buscado pelo autista, além de possibilitar a conexão e inserção social por meio dela.

Referências

ACERO, Iván Ruiz. O que dizem os autistas? Opção lacaniana online. Ano 4, nº 11, junho 2013. Disponível em: Acesso em: 19 jan. 2020.
BARROSO, Suzana Faleiro. As psicoses na infância: o corpo sem a ajuda de um discurso estabelecido. Belo Horizonte: Scriptum, 2014.
BASTOS, Angélica. A voz na experiência psicanalítica. Ágora, Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, p. 59-70, junho de 2014. Disponível em: . Acesso em: 19 jan. 2020.
BIALER, Marina. A escrita terapêutica no autismo. Revista latinoamericana de psicopatolo-gia fundamental, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 221-233, 2015. Disponível em: . Acesso em: 19 jan. 2020.
BIALER, Marina. Algumas estratégias de (auto) tratamento do autista. Estilos clínicos, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 150-162, abr. 2014. Disponível em: . Acesso em: 19 jan. 2020.
CALDAS, Heloisa. Da voz à escrita: clínica psicanalítica e literatura. Rio de Janeiro: Con-tra Capa Livraria, 2007.
CATÃO, Inês; VIVÈS, Jean-Michel. Sobre a escolha do sujeito autista: voz e autismo. Estu-dos de psicanálise, Belo Horizonte, n. 36, p. 83-92, dez. 2011. Disponível em: . Acesso em: 19 jan. 2020.
HIGASHIDA, Naoki. O Que Me Faz Pular. Tradução de Rogério Durst. Intrínseca, Rio de Janeiro, 2014
LAURENT, Éric. A batalha do autismo: da clínica à política. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.
MALEVAL, Jean-Claude. O autista e a sua voz. Tradução e notas de Paulo Sérgio de Souza Júnior. São Paulo: Bluncher, 2017.
MALEVAL, Jean-Claude. O que existe de constante no autismo? CliniCAPS, Vol 4, nº 11, 2010. Disponível em: Acesso em: 26 set. 2018.
MALEVAL, Jean-Claude. Por que a hipótese de uma estrutura autística? Opção Lacaniana online nova série, Ano 6, nº18, 2015. Disponível em: Acesso em: 19 jan. 2020.
MILLER, Jacques-Alain. Jacques Lacan e a voz. Opção Lacaniana online nova série. Ano 4. Número 11. Julho, 2013 Disponível em: Acesso em
Publicado
07-09-2020
Como Citar
AMORIM, T. A FUNÇÃO DA ESCRITA PARA O AUTISTA NAOKI HIGASHIDA. Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, v. 5, n. 9, p. 30-47, 7 set. 2020.
Seção
Artigos de temática livre