AUTISMO E LINGUAGEM

Palavras-chave: Autismo, Linguagem, Psicanálise, Outro Primordial, Estudo de Caso

Resumo

Este artigo é resultado da monografia do curso de Psicologia da PUC Minas Campus Betim. Seu objetivo é compreender a relação entre o autismo e linguagem, bem como o lugar que esta ocupa no diagnóstico dentro da perspectiva psicanalítica. Para isso, foi realizada uma pesquisa bibliográfica, iniciando com um resgate histórico da concepção de autismo, com a intenção de esclarecer como o diagnóstico foi construído ao longo dos anos, uma vez que este já vinha sendo descrito por diversos estudiosos com diversas nomenclaturas. Este trabalho também visa descrever como acontece o desenvolvimento da linguagem no sujeito autista, como este se relaciona com a linguagem e qual o papel dos cuidadores na estruturação psíquica dentro da concepção psicanalítica lacaniana. Tentando vincular a teoria com alguma prática, foram utilizadas três das cinco vinhetas clínicas disponibilizadas por Campana, em sua pesquisa de mestrado (2013), com crianças que apresentavam risco de desenvolvimento autístico, focando nos aspectos pertinentes à linguagem.

Biografia do Autor

Laine Novaes Rhis, PUC Minas

Graduanda em Psicologia pela PUC Minas, Unidade Betim.

Carolina Mesquita de Oliveira, PUC Minas

Orientadora deste trabalho. Mestre em Psicologia pela PUC Minas. Professora Assistente da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Referências

Azevedo, Marcela Maria de Paiva; Nicolau, Roseane Freitas. Autismo: um modo de apresentação do sujeito na estrutura de linguagem. Estilos clin., São Paulo , v. 22, n. 1, p. 12-28, abr. 2017 . Disponível em . Acesso em 28 mar. 2019.

BRUNETTO, A. Ser ou não Ser... um Sujeito? Eis a Questão do Autista. In S. Alberti (org.) Autismo e Esquizofrenia na Clínica da Esquise. Rio de Janeiro: Marca d’Água,1999, pp.267-272.

CAMPANA, N. T. C. (2013). Uso de indicadores clínicos de risco para o desenvolvimento infantil (IRDI) na detecção de sinais de problemas de desenvolvimento associados ao autismo. Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP

CAMPANÁRIO, I. S. (2008). Espelho, espelho meu: a psicanálise e o tratamento precoce do autismo e outras psicopatologias graves. Salvador: Ágalma. Jardim, G.

CAMPANÁRIO, I.,& PINTO, J. (2006). O atendimento psicanalítico do bebê com risco de autismo e de outras graves psicopatologias. Uma clínica da antecipação do sujeito. Estilos Da Clínica. Revista Sobre a Infância Com Problemas, 11(21), 150-169.

CARVALHO, G.M.M. &AVELAR, T.C. Aquisição da Linguagem e Autismo: um Reflexo no Espelho. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 5, nº 3, São Paulo, 2002, pp.11-27

CATÃO, I. O bebê nasce pela boca: voz, sujeito e clínica do autismo. São Paulo: Instituto Langage, 2009.

CATAO, Inês; VIVES, Jean-Michel. Sobre a escolha do sujeito autista: voz e autismo. Estud. psicanal., Belo Horizonte , n. 36, p. 83-92, dez. 2011 . Disponível em . acesso em 24 jan. 2019.

FERREIRA, Matias Monteiro. INFANS : (Im)pertinências do infantil na imagem. 2008. 203 f., il. Dissertação (Mestrado em Arte)-Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

FREUD, S. (1977/1915). Os instintos e suas vicissitudes. In Edição Standard Brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, v.XIV. Rio de Janeiro: Imago, 1969.

FREUD, S. (2006). Projeto para uma psicologia científica. In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. (pp. 421-22). Rio de Janeiro: Imago, 1977. v. 1.

JERUSALINSKY, Julieta. A criação da criança: brincar, gozo e fala entre a mãe e o bebê. Salvador, BA: Ágalma, 2011.

KANNER, L. (1997). Os distúrbios do contato afetivo. In P.S. Rocha (Org.), Autismos (pp. 111-170). São Paulo: Escuta. (Trabalho original publicado em 1943).

KUPFER, M. C. Psicose e autismo na infância: problemas diagnósticos. Estilos clin., São Paulo , v. 4, n. 7, p. 96-107, 1999 . Disponível em . Acesso em 17 nov. 2018.

LACAN, J. (1964/ 2008). O Seminário livro 11: Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. (Magno, M. D., Trad.) Rio de Janeiro, RJ: Zahar.

LAZNIK, M. C. (2004). A voz da sereia. (Daniele Wanderley, Org.) (3 Ed.) Salvador, BA: Ágalma.

LASNIK-PENOT, M.C. Rumo à Palavra: Três Crianças Autistas em
Psicanálise. São Paulo: Editora Escuta, 1997.

LEMOS, C. T. G. (1985). Onspecularity as a constitutiveprocess in dialogue andlanguageaquisition. In: CAMAIONI, L e LEMOS, C. T. G. (orgs). Questionson social explanation: piagetianthemesreconsidered. Amsterdan, Jhon Benjamins.

LIER- DE-VITTO (1995). Sobre a interpretação. Em Caderno de estudo lingüísticos, 9-15, jul/dez, Campinas.

MAY, Alberto Philippi. Psicanálise e linguagem. Linguagens - Revista de Letras, Artes e Comunicação. Blumenau, v. 4, n. 2, p. 258-266, maio./ago. 2010. Disponível em: . Acesso em 27 março 2019.

OLIVEIRA, Mariana Trenche de. A diversidade sintomática na ecolalia. Distúrbios da Comunicação, [S.l.], v. 14, n. 2, set. 2012. ISSN 2176-2724. Disponível em: . Acesso em: 20 de janeiro de 2019.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. CID-10 Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. 10a rev. São Paulo: Universidade de São Paulo; 1997. vol.1.

Pereira, Laïs de Toledo Krücken, Godoy, Dalva Maria Alves, & Terçariol, Denise. (2009). Estudo de caso como procedimento de pesquisa científica: reflexão a partir da clínica fonoaudiológica. Psicologia: Reflexão e Crítica, 22(3), 422-429. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722009000300013

PIZZANI, L. et al. A arte da pesquisa bibliográfica na busca do conhecimento. Revista Digital de Biblioteconomia & Ciência da Informação, v. 10, n. 1, 2012. Disponível em . Acesso em: 26 Jun. 2017.

RÊGO, Fabiana Lins Browne, Glória Maria Monteiro de. Aquisição de linguagem: uma contribuição para o debate sobre autismo e subjetividade. Psicol. cienc. 2006, vol.26, n.1. Disponível em: . Acesso em 22 de janeiro de 2019.

RODRIGUEZ, L. O dizer autista. Escritos da Infância, n. 6. Publicação do Centro Lídia Coriat de Porto Alegre, POA, 1999.

SEINCMAN, Monica. Laznik - Penot, M-C: Rumo à palavra. São Paulo, Escuta 1997.Estilos clin., São Paulo , v. 2, n. 2, p. 153-156, 1997 . Disponível em . Acesso em 23 jan. 2019.
Publicado
07-09-2020
Como Citar
SILVA, K. V.; NOVAES RHIS, L.; MESQUITA DE OLIVEIRA, C. AUTISMO E LINGUAGEM. Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, v. 5, n. 9, p. 206-224, 7 set. 2020.
Seção
Artigos de temática livre