A NEGRA FORTE QUE SE É: NARRATIVAS DE MULHERES NEGRAS SOBRE SUAS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS E PESSOAIS A PARTIR DA INSERÇÃO UNIVERSITÁRIA

  • Aline Vaz Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
  • Mara Sales Marçal
Palavras-chave: Mulheres negras, Transição Capilar, Universidade, Identidade Negra, Imagem e Corporeidade

Resumo

A investigação aqui descrita teve como objetivo geral analisar as narrativas de mulheres negras universitárias acerca de suas transformações pessoais e sociais a partir da entrada no ensino superior. Para além disso, a pesquisa teve como objetivos específicos: a) analisar o acesso e o processo de integração, bem como, as eventuais dificuldades vivenciadas por mulheres negras dentro da universidade, b) compreender, através das narrativas de mulheres negras, as autorrepresentações, a partir da entrada no ensino superior e c) verificar se houve ampliação e/ou modificação da consciência étnico-racial a partir da vivência universitária. O referencial teórico deste estudo abrangeu as políticas afirmativas que contribuem para uma maior inserção das negras nas universidades e as temáticas relativas às discriminações de gênero, raça e classe que afetam as mulheres negras em seu cotidiano.  Para alcançar os objetivos propostos, foi realizada uma pesquisa qualitativa. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas com 6 mulheres negras, com idade entre 20 e 30 anos, de cursos distintos da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, da Unidade São Gabriel. Os resultados obtidos demonstram que há uma modificação e ampliação da visão étnico-racial dessas mulheres a partir da entrada no ambiente universitário. Verificou-se que a formação contribui para a ampliação do pensamento crítico por parte de algumas dessas mulheres, quando essas se envolvem com o que é proporcionado pela universidade, como o intercâmbio cultural e político, o ensino e as relações interpessoais. Por fim, destaca-se que as mudanças estéticas, especialmente a transição capilar, que ocorrem com algumas dessas mulheres negras, contribuem para gerar modificações no seu posicionamento frente a situações de preconceito e discriminação.

Referências

ANDRÉ, Maria da Consolação. Psicossociologia e negritude: breve reflexão sobre o "ser ne-gro" no Brasil. Boletim Academia Paulista de Psicologia, São Paulo, v. 27, n. 2, p. 87-102, dez. 2007. Disponível em: ARBOLEYA, Arilda; CIELLO, Fernando; MEUCCI, Simone. Educação para uma vida me-lhor: trajetórias sociais de docentes negros, Cadernos de Pesquisa, v. 45, n. 158, p. 882-914, out./dez. 2015. Disponível em: . Acesso em: 28 out. 2018.
BONI, Valdete; QUARESMA, Sílvia Jurema. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevis-ta em Ciências Sociais. Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC, Santa Catarina, v. 2, n. 1, p. 68-80, jan/jul. 2005. Disponível em: Acesso em: 26 nov. 2017.

CAREGNATO, Rita Catalina Aquino; MUTTI, Regina. Pesquisa qualitativa: análise de dis-curso versus análise de conteúdo. Texto e Contexto – Enfermagem, Florianópolis, v. 15, n. 4, p. 679-684. 2006. Disponível em: Acesso em: 28 nov. 2017.

COELHO, Andreza Maria Sá; GOMES Sansarah da Silva. O movimento feminista negro e suas particularidades na sociedade brasileira. Programa de Pós-Graduação em políticas pú-blicas, Universidade Federal do Maranhão VII Jornada Internacional Políticas Públicas, Mara-nhão, 2015. Disponível em: . Acesso em: 25 mar. 2018.

DEMO, Pedro. Metodologia do conhecimento científico. São Paulo: Atlas, 2000.

CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino; SILVA, Roberto da. Metodologia Cientí-fica. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discri-minação racial relativos ao gênero. Revista de Estudos Feministas, v. 10, n. 1, p. 171-188. 2002. Disponível em: . Acesso em: 24 mar. 2018.

GOMES, Nilma Lino. Corpo e cabelo como símbolos da identidade negra. 2006. Disponí-vel em: Acesso em: 28 set. 2017.

GOMES, Nilma Lino. Trajetórias escolares, corpo negro e cabelo crespo: reprodução de este-reótipos ou ressignificação cultural?, Revista Brasileira de Educação, Minas Gerais, set./dez. 2002. Disponível em: . Acesso em: 16 out. 2018.

GUEDES, Cláudia Rosane. A imagem social de mulheres negras universitárias: a silhueta esculpida durante o processo de formação. 2012. 137f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2017.
HERINGER, Rosana; FERREIRA, Renato. Análise das principais políticas de inclusão de estudantes negros no ensino superior no Brasil no período 2001-2008. Observatório da Jurisdição Constitucional. Brasília: IDP, Ano 5, 2011/2012. Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2018.
IBGE: Apenas 10% das mulheres negras completam o ensino superior. Carta Capital, [S.l.], 07 mar. 2017. Sociedade. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2018.

JACCOUD, Luciana. Racismo e república: O debate sobre branqueamento e a discriminação racial no Brasil. In: THEODORO, Mário. (Org.). As políticas públicas e a desigualdade ra-cial no Brasil 120 anos após a abolição. Brasília: Ipea, 2008. Disponível em: . Acesso em: 23 out. 2017.

LIBÂNEO, José Carlos. PIMENTA, Selma Garrido. Formação de profissionais da educação: Visão crítica e perspectiva de mudança. Educação & Sociedade, ano XX, n. 68, p. 262, dez. 1999. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/es/v20n68/a13v2068.pdf>. Acesso em: 22 out. 2017.

LÓPEZ, Maricel Mena. Sou negra e formosa: raça, gênero e religião. In: MUSSKOPF, André S.; STRÖHER Marga J. (Orgs.). Corporeidade, etnia e masculinidade: Reflexões do I Con-gresso Latino-Americano de Gênero e Religião. São Leopoldo: Sinoval, 2015. Disponível em: . Acesso em: 25 mar. 2018.

MOEHLECKE, Sabrina. Ação Afirmativa: História e Debate no Brasil. Caderno de Pesqui-sa. São Paulo, n. 117, p. 197-217, nov. 2002. Disponível em: . Acesso em: 22 out. 2017.

MUNANGA, Kabengele. Negritude e Identidade Negra ou Afrodescendente: um racismo ao avesso? Revista Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN). [S.l.], v. 4, n. 8, p. 06-14, jul./out. 2012. Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2018.

NEVES, José Luis. Pesquisa qualitativa: características, usos e possibilidades. Caderno de Pesquisas em Administração. São Paulo, v. 1, n. 3, p. 1-5, 2º sem 1996. Disponível em: . Acesso em: 26 nov. 2017.

RIBEIRO, DJAMILA. O que é lugar de fala?. Belo Horizonte, Letramento: Justificando, 2017. [E-Book].

SANTOS, Acácia Aparecida Angeli dos; MOGNON, Jocemara Ferreira. Estilos de Aprendi-zagem em Estudantes Universitários. Boletim de Psicologia, São Paulo, v. LX, n. 133, p. 229-241, 2010. Disponível em: . Acesso em: 03 set. 2018.

SANTOS, Luane Bento dos. Usos e imagens sobre os cabelos crespos das mulheres negras. In: CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES, 2012, Niterói. Disponível em: Acesso em: 26 mar. 2018.
Publicado
12-03-2021
Como Citar
VAZ, A.; SALES MARÇAL, M. A NEGRA FORTE QUE SE É: NARRATIVAS DE MULHERES NEGRAS SOBRE SUAS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS E PESSOAIS A PARTIR DA INSERÇÃO UNIVERSITÁRIA. Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, v. 5, n. 10, p. 79-100, 12 mar. 2021.
Seção
Artigos de temática livre