A PSICOLOGIA NA CONSTRUÇÃO E ENFRENTAMENTO DO RACISMO: A EXPERIÊNCIA DO GRUPO DE ESTUDOS PRETOS

  • Karinne Vieira de Jesus PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS
  • Leandro Bento da Silva PUC Minas
  • Rubens Ferreira do Nascimento PUC Minas
Palavras-chave: Grupos de Estudos Pretos, Racismo Estrutural, Anti-Racismo, Formação, Psicologia

Resumo

Esse artigo propõe-se refletir sobre a participação da Psicologia nos processos de construção das relações étnico-raciais sendo o racismo entendido como projeto e práticas históricas de dominação racial e econômica no Brasil. A Psicologia, por um lado, cooperou e coopera com a dominação no contexto das relações étnico-raciais e, por outro, atua no enfrentamento ao racismo. Os estudos, diálogos e reflexões sobre esta temática promovem ampliação da compreensão e consciência crítica sobre a história e dão visibilidade para o fato de que as relações étnico-raciais não são recorte ou fator a serem considerados ou não na abordagem da subjetividade. Trata-se de um fundamento que, se desconhecido, implicará em leituras e intervenções alienadas junto aos sujeitos e grupos com os quais as psicólogas e psicólogos trabalharão. Com esta motivação foi criado o Grupo de Estudos Pretos (GEP) por graduandos em Psicologia da PUC Minas Coração Eucarístico. O texto apresenta a história do grupo, objetivos, ações e produtos ao longo dos seus dois anos de existência. Busca-se embasar e refletir sobre a questão racial no Brasil com atenção para a importância de iniciativas que possam contribuir na formação em Psicologia. Utilizou-se como método o estudo bibliográfico de textos legais e dos artigos teóricos trabalhados no GEP que discorrem sobre o racismo estrutural, a construção da subjetividade do sujeito negro, branquitude e branqueamento e descolonização dos currículos em Psicologia. Além disto, recorreu-se a registros e documentos produzidos pelo Grupo de Estudos Pretos. Busca-se contribuir para o avanço na interlocução e aprendizagem sobre Psicologia e relações étnico-raciais e a ampliação da formação crítica pela compreensão de que o fenômeno racial tem múltiplas nuances e que acessar esse conhecimento é essencial para o enfrentamento do racismo estrutural que afeta a todos. Faz-se possível perceber repercussões na formação dos acadêmicos de Psicologia e disciplinas afins, pois, via de regra, os participantes do GEP têm contato com produções científicas e outras, da Psicologia e para além dela, que se encontram fora da maioria dos planos de ensino desta ciência e profissão, mas que podem vir a integrá-los. Reitera-se que a motivação do GEP é, em sintonia com o Conselho Federal de Psicologia, seguir participando e contribuindo com a luta antirracista.

Referências

AFONSO, M. L. Oficinas em dinâmica de grupo: um método de intervenção psicossocial. Belo Horizonte: Edições do Campo Social, 2000.


ALMEIDA, Silvio Luiz de. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte/MG. Letramento: Justificando, 2018.


BENTO, Maria Aparecida Silva (org.); CARONE, Iray. Psicologia Social do Racismo: Estu-dos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis. Vozes. 2003.


BRASIL, Lei nº 581, de 4 de setembro de 1850. Disponível em:. Acesso em: 01 de jan de 2020.


BRASIL, Lei nº 601, de 18 de setembro de 1850. Disponível em:. Acesso em: 01 de jan de 2020.


BRASIL, Lei nº 3.353, de 13 de maio de 1888. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lim/LIM3353.htm>. Acesso em: 01 de jan de 2020.


BRASIL, Decreto-Lei nº 3.688, de 3 de outubro de 1941. Disponível em:. Acesso em: 01 de jan de 2020.


BRASIL, Lei nº 5.465, de 3 de julho de 1968. Disponível em:. Acesso em: 01 de jan de 2020.


BRASIL, Lei nº 11.645, de 10 de março de 2008. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11645.htm>. Acesso em: 01 de jan de 2020.


BRASIL, Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm>. Acesso em: 01 de jan de 2020.


CARDOSO, Lourenço. Branquitude acrítica e crítica: A supremacia racial e o branco anti-racista. Rev.latinoam.cienc.soc.niñez juv [online]. 2010, vol.8, n.1, pp.607-630. ISSN 1692-715X. Disponível em:. Acesso em: 01 de jan de 2020.


CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Relações Raciais: Referências Técnicas para atuação de psicólogas(os). Brasília: CFP, 2017.


FANON, Frantz. Pele negra, mascaras brancas. Londres: Grove Press, 1967.


KILOMBA, Grada. Memórias da Plantação: episódios de racismo cotidiano. Cobogó. 2019.


LOBÃO, Alexandre. Quilombos e Quilombolas: passado e presente de lutas. Belo Horizonte: Mazza, 2014.


MARTIM-BARÓ, I. Para uma Psicologia da Libertação. In GUZZO, Raquel S. L. & LACERDA Jr., Fernando. (orgs). Psicologia Social Para a América Latina. Campinas: Ali-nea, 2009.


MUNANGA, Kabengele. Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identi-dade e etnia. In: Programa de educação sobre o negro na sociedade brasileira[S.l: s.n.], 2004. Disponível em:. Acesso em: 01 de jan de 2020.


NABUCO, Joaquim. O Abolicionismo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. São Paulo: Publifo-lha, 2000.


NASCIMENTO, Rubens F. Oficinas psicossociais e pesquisa-ação: recursos metodológicos de trabalho social comunitário. In: GUERRA, Andréa et al. Psicologia social e direitos huma-nos. Belo Horizonte: Edições do Campo Social, 2003.


Revista História da Educação. Lei n. 1, de 1837, e o decreto n. 15, de 1839, sobre Instrução Primária no Rio de Janeiro - 1837. Pelotas, v. 9, n. 18, jul./dez. p. 199-205, set. 2005. Dis-ponível em:< https://seer.ufrgs.br/asphe/article/view/29135>. Acesso em: 01 de jan de 2020.


SANTOS, Alessandro de Oliveira dos; SCHUCMAN, Lia Vainer; MARTINS, Hildeberto Vieira. Breve histórico do pensamento psicológico brasileiro sobre relações étnico-raciais. Psicol. cienc. prof. [online]. 2012, vol.32, n.spe, pp.166-175. ISSN 1414-9893. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932012000500012. Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?pid=s1414-98932012000500012&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 01 de jan de 2020.


SCHWARCZ, Lilia Moritz. Lima Barreto, Triste visionário. São Paulo. Companhia das le-tras, 2017.


YAMAMOTO, Osvaldo H. A psicologia em movimento: entre o “gattopardismo” e o neolibe-ralismo. In Psicologia e Sociedade; 12 (1/2): 221-233; jan./dez. 2000.
Publicado
07-09-2020
Como Citar
JESUS, K. V. DE; BENTO DA SILVA, L.; FERREIRA DO NASCIMENTO, R. A PSICOLOGIA NA CONSTRUÇÃO E ENFRENTAMENTO DO RACISMO: A EXPERIÊNCIA DO GRUPO DE ESTUDOS PRETOS. Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, v. 5, n. 9, p. 66-85, 7 set. 2020.
Seção
Artigos de temática livre