EXPERIÊNCIAS DE SOLIDÃO DA MULHER NEGRA COMO REPERCUSSÃO DO RACISMO ESTRUTURAL BRASILEIRO

  • Camilla Gabrielle Gomes Vieira Centro Universitário Una
Palavras-chave: Mulher Negra, Solidão, Afetividade, Racismo Estrutural, Relacionamento Afetivossexual

Resumo

O presente trabalho tem o objetivo de discorrer sobre construção e experiências dos relacionamentos afetivossexuais das mulheres negras, perpassados pelo racismo estrutural brasileiro, propiciador de experiências de solidão. Em abordagem psicossocial, enfocam-se aspectos que se transversalizam entre o contexto histórico em que a população negra foi engendrada a partir do racismo estrutural, atrelada como práticas socioculturais que regulam as escolhas afetivas e colocam mulheres negras em posição de preterimento. Considerando o recorte de raça e gênero, abarcamos os tópicos: construção da identidade e emocionalidade dos sujeitos negros; estereótipos e estética; relacionamentos afetivossexuais e através de narrativas as experiências sociais coletivas de racismo e solidão se inscrevem na particularidade das experiências individuais subjetivas.

Referências

AGUIAR, Márcio Mucedula. A construção das hierarquias sociais: classe, raça, gênero e etnicidade. Cadernos de Pesquisa do CDHIS — n. 36/37 — ano 20 — p. 83-88 — 2007.

ALMEIDA, Silvio Luiz de. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte (MG): Letramento, 2018

BAUMAN, Zigmunt. Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: Zorge Zahar Editor, 2004.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. Racismos contemporâneos. Rio de Janeiro: Takano Editora, v. 49, p. 49-58, 2003.

COSTA, Jurandir Freire. Da cor ao corpo: a violência do racismo In: SOUZA, N. S. Tornar-se negro. 2. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

COSTA, Rosely Gomes. Mestiçagem, racialização e gênero. Sociologias, Porto Alegre , n. 21, p. 94-120, jun. 2009 . Disponível em . Acesso em 28 nov. 2019.

EVARISTO, Conceição. Da representação à auto-apresentação da Mulher Negra na Literatura Brasileira. Revista Palmares, v. 1, p. 52-57, 2005.

FERNANDES, Viviane Barboza; SOUZA, Maria Cecília Cortez Christiano de. Identidade Negra entre exclusão e liberdade. Rev. Inst. Estud. Bras. São Paulo, n. 63, p. 103-120, abril de 2016.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, v. 2, n. 1, p. 223-244, 1984.

HIRATA, Helena. Gênero, classe e raça Interseccionalidade e consubstancialidade das rela-ções sociais. Tempo social, v. 26, n. 1, p. 61-73, 2014.

HOOKS, bell. Vivendo de amor. In: WERNECK, Jurema; MENDONÇA, Maisa; WHITE, Evelyn C. (orgs.). O livro da saúde das mulheres negras. Nossos passos vêm de longe. Rio de Janeiro: Pallas: Criola, p. 188-198, 2000.

LIMA, Julia Coutinho Costa. Solidão e contemporaneidade no contexto das classes trabalha-doras. Psicol. cienc. prof., Brasília , v. 21, n. 4, p. 52-65, Dec. 2001 . Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932001000400007&lng=en&nrm=iso. Acesso em 27 Nov. 2019.

NASCIMENTO, Beatriz. A mulher negra e o amor, 1990. In RATTS, Alecsandro JP. Eu sou Atlântica sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo: Instituto Kuanza, 2002, p. 126-129.

OLIVEIRA, Ilzver de Matos; SANTOS, Nayara Cristina Santana. SOLIDÃO TEM COR? UMA ANÁLISE SOBRE A AFETIVIDADE DAS MULHERES NEGRAS. Revista Interfaces Científicas, Aracaju, v. 7, n. 2, 20 out. 2018.

PACHECO, Ana Claudia Lemos et al. Branca para casar, mulata para f..., negra para traba-lhar: escolhas afetivas e significados de solidão entre mulheres negras em Salvador, Bahia. 2008.

PACHECO, Ana Claudia Lemos. Mulher negra: afetividade e solidão. Edufba, 2013.

______, Ana Cláudia Lemos. Raça, gênero e relações sexual-afetivas na produção bibliográfi-ca das Ciências Sociais Brasileiras-um diálogo com o tema. Afro-Ásia, n. 34, p. 153-188, 2006.

SILVA, Amanda Raquel da. A Cor da Relação: corpo e afetividade de mulheres Negras em Natal/RN. Associação Brasileira de Antropologia - ABA. 2018. 17 p. Disponível em: http://www.evento.abant.org.br/. Acesso em: 6 Nov. 2019.

SOUZA, Claudete Alves da Silva et al. A solidão da mulher negra: sua subjetividade e seu preterimento pelo homem negro na cidade de São Paulo. 2008.

SOUZA, Edileuza Penha de. In: QUINTAS, Fátima (Org.). Mulher negra: preconceito, sexua-lidade e imaginário. Recife: INPSO-FUNDAJ, Instituto de Pesquisas Sociais-Fundação Joa-quim Nabuco, 1995.

SOUZA, Neusa Santos. Tornar-se negro, ou, As vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social. Graal, 1983.
Publicado
12-03-2021
Como Citar
GOMES VIEIRA, C. G. EXPERIÊNCIAS DE SOLIDÃO DA MULHER NEGRA COMO REPERCUSSÃO DO RACISMO ESTRUTURAL BRASILEIRO. Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, v. 5, n. 10, p. 291-311, 12 mar. 2021.
Seção
Artigos de temática livre