CONVIVÊNCIA FAMILIAR SOB O JUGO DOS DISPOSITIVOS PENAIS

  • Aline Ferreira Dias Leite
  • Fernanda Simplício Cardoso PUC Minas
Palavras-chave: Conjugalidade, Parentalidade, Convivência familiar

Resumo

Trata-se de um artigo construído com o objetivo refletir sobre o uso exacerbado do aparato judicial para resolver conflitos na esfera familiar, principalmente quando os dispositivos penais antecipam respostas numa perspectiva, exclusivamente, punitivista. Com base na experiência profissional das autoras, atuando em um setor técnico do sistema judiciário, criado para atender, prioritariamente, as demandas provenientes das Varas de Família, e embasadas no estudo e na pesquisa sobre a temática convivência familiar de crianças e adolescentes, optou-se por apresentar alguns elementos decorrentes de observações e avaliações realizadas com famílias em contextos de litígio. Inicialmente discorreu-se sobre as vicissitudes do rompimento conjugal, buscando diferenciar conjugalidade e parentalidade, tendo em vista o direito da criança e do adolescente à convivência familiar, independentemente do estado de conjugalidade dos pais. Na sequência, as autoras usaram fragmentos ilustrativos de um litígio conjugal, envolvendo denúncia de abuso sexual, visando alertar para o uso descomprometido das leis, cujo resultado implica em sanções e cerceamento de direitos dos envolvidos. Por fim, destacou-se a importância de profissionais aptos para realizarem a escuta qualificada da queixa, evitando-se análises superficiais que não levem em conta as subjetividades em jogo nas tramas familiares.

Referências

AMENDOLA, M. F. Crianças no labirinto das acusações: falsas alegações de abuso sexual. Curitiba: Juruá Editora, 2009.
BAUMAN, Z. Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.
BAUMAN, Z. Vigilância líquida: diálogos com David Lyon. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.
BRASIL. Emenda Constitucional n° 66, de 13 de julho de 2010 (2010). Dá nova redação ao § 6º do art. 226 da Constituição Federal, que dispõe sobre a dissolubilidade do casamento civil pelo divórcio, suprimindo o requisito de prévia separação judicial por mais de 1 (um) ano ou de comprovada separação de fato por mais de 2 (dois) anos. Diário Oficial da União. Brasília, DF.
BRASIL. Lei n. 6.515, de 26 de dezembro de 1977 (1977). Regula os casos de dissolução da sociedade conjugal e do casamento, seus efeitos e respectivos processos, e dá outras providências.
BRASIL. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 jul 1990. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2010.
BRASIL. Lei n. 10.406, de 10 de janeiro de 2002 (2002). Institui o Código Civil.
BRASIL. Lei n. 11.340, de 07 de agosto de 2006 (2006). Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8º do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências.
BRASIL. Lei n° 13.105, de 16 de março de 2015. Código de Processo Civil. Diário Oficial da União. Brasília, DF.
BRITO, L. M. T. Pais de fim de semana (1997). Questões para uma análise jurídico- psicológica. Psicologia Clínica Pós-Graduação e Pesquisa, Rio de Janeiro, v. 8, n. 8, 1997.
CARDOSO, F. S. Paternidade no cenário de violência contra a mulher. Curitiba: Juruá, 2019.
CIGOLI, V. O rompimento do pacto: tipologia do divórcio e rituais de passagem. In: Andolfi, M. (Org.). A crise do casal: uma perspectiva sistêmico-relacional. Porto Alegre: Artmed, 2002.
COIMBRA, C.; SCHEINVAR, E. Subjetividades punitivo-penais. In: BATISTA, V. M. (Org.). Loïc Wacquant e a questão penal no capitalismo neoliberal. Tradução de Sérgio Lamarão. Rio de Janeiro: Revan, 2012. p 61-70.
FALEIROS, V. de P.; FALEIROS, E. T. S. (2001). Circuito e curtos-circuitos. Atendimento, defesa e responsabilização do abuso sexual contra crianças e adolescentes. São Paulo, Veras Editora
HURSTEL, F. Paradoxes et fragilité de paternité. Revue des Sciences Sociales de la France de l’Est, Paris, n.23, p.120-126, 1996.
HURSTEL, F. Role Social et fonction psychologique du pere. Informations Sociales, n. 56, p. 8-17, 1996b.
IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2016. Estatísticas do Registro Civil – 2016. Estat. Reg. civ., Rio de Janeiro, v. 43, p. 1-8, 2016. Rio de Janeiro: IBGE.
LOPES, Maria Luíza Coelho de Souza Prado. “Arranjos de dormir”- pós-separação conjugal. In: BRITO, L. M. T. Famílias e separações: perspectivas da psicologia jurídica. Rio de Janeiro: UERJ, 2010.
NASCIMENTO, M. L. do. Pelos caminhos da judicialização: lei, denúncia e proteção no contemporâneo. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 19, n. 3, p. 459-467, jul./set. 2014.
OLIVEIRA, C. F. B.; BRITO, L. M. T. de. Judicialização da vida na contemporaneidade. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, Conselho Federal de Psicologia, v. 33, n. especial, p. 78-89, 2013.
OLIVEIRA, C. F. B.; BRITO, L. M. T. Humanização da justiça ou judicialização do humano? Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, v. 28, n. 2, p. 149-172, 2016.

RIFIOTIS, T. Judicialização das relações sociais e as políticas de atenção aos idosos. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 36., 2012, Águas de Lindóia, SP. Anais... Águas de Lindóia: ANPOCS, 2012.
RIFIOTIS, T. Judicialização dos direitos humanos, lutas por reconhecimento e políticas públicas no Brasil: configurações de sujeito. Revista de Antropologia, São Paulo, USP, v. 57, n.1, 2014.
RIFIOTIS, T. Violência, justiça e direitos humanos: reflexões sobre a judicialização das relações sociais no campo da “violência de gênero”. Cadernos Pagu, Campinas, v. 45, p. 261-295, jul./dez. 2015.
SOUSA, A. M. de; SAMIS, E. Conflitos, diálogos e acordos em serviço de psicologia jurídica. In: BRITO, L. M. T. Famílias e separações: perspectivas da psicologia jurídica. Rio de Janeiro: UERJ, 2010.
SOUSA, A. M. de; SAMIS, E. Síndrome da alienação parental: um novo tema nos juízos de família. São Paulo: Cortez, 2010.
Publicado
07-09-2020
Como Citar
LEITE, A. F. D.; CARDOSO, F. S. CONVIVÊNCIA FAMILIAR SOB O JUGO DOS DISPOSITIVOS PENAIS. Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, v. 5, n. 9, p. 243-259, 7 set. 2020.
Seção
Artigos de temática livre