O Álcool e a Violência Doméstica: Efeitos e Dramas

Camila Requião Rosa

Resumo


O presente trabalho tem por estudo pensar o autor da violência doméstica como aquele que necessita de tratamento para além da punibilidade, por ser alcoolemico, e que carece de atenção e cuidados para tratar um problema tão grave quanto o da agressão que pratica e que, de forma alguma se deve justificar e perpetuar, mas necessário encontrar políticas de enfrentamento e solução dos problemas, tanto na esfera da vítima, quanto do agressor, já que demonstrado que a mera aplicação da lei em nada resulta.

Analisaremos a problemática do alcoolismo e o modo como este afecta às relações familiares dos indivíduos, bem como, o modo que acarreta na violência doméstica e porque o alcoolismo está diretamente ligado ao cometimento da violência doméstica, tendo em conta o nível pessoal do agressor, como doente, e o nível familiar, vítima que sofre e aceita a violência que a si é imposta.

Trataremos dessa relação de causa e efeito, principalmente, pela perspectiva da pobreza, que envolve a maioria das famílias em que o álcool é causa da violência doméstica, arreigados pelo patriarcado, e determinadas pelas relações de herarquia, ainda existentes, na sociedade, o objeto de estudo seja devidamente construído a partir de uma abordagem interdisciplinar, principalmente porque esta forma de criminalidade complexa está amalgamada aos fenômenos sociais próprios da globalização.


Palavras-chave


Álcool; violência doméstica; agressor e vítima; problemática familiar; hierarquização; vitimização; interdisciplinaridade; globalização; miserabilidade humana; problema social.

Texto completo:

PDF

Referências


ACOSTA, D. F.; GOMES, V. L. de O. G.; BARLEM, E. L. D. Perfil das ocorrências policiais de violência contra a mulher. Revista Acta Paulista de Enfermagem. 2013; 26(6): 547-56. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2014.

BRASIL. Secretaria de Políticas para as Mulheres - Presidência da República. Rede de Enfrentamento à Violência Contra as Mulheres. Brasília: Secretaria Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres/Secretaria de Políticas para as Mulheres - Presidência da República, 2011.

COSTA, A. M. da; MOREIRA, K. de A. P.; HENRIQUES, A. C. P. T.; MARQUES, J. F.; FERNANDES, A. F. C. Violência Contra a Mulher: Caracterização de Casos Atendidos em um Centro Estadual de Referência. Rev. Rene: Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste. Fortaleza: Editora UFC, v. 12, n. 3, p. 627-635, jul.-set./2011.

DILLING H, MOMBOUR W, SCHMIDT MH. Internationale klassifikation psychischer störungen. ICD-10, Kapiel V (F). Bern Göttingen Toronto/Seattle, 2000.

DUARTE, M. J. De O. Por uma cartografia do cuidado em saúde mental: repensando a micropolítica do processo de trabalho do cuidar em instituições. In BRAVO, M.I.S. et al. (Orgs.). Saúde e serviço social. 4. Ed. São Paulo: Cortez, 2009.

DUBOWSKI KM. Absorption, distribution and elimination of alcohol: highway safety aspects. J Stud on Alcohol 1985; (Suppl.10):98-108.

FONTES, V. Historicidade e subjetividade. Contradição e conflito, liberdade e determinação. In: FONTES, Vírginia. Reflexões im-pertinentes: história e capitalismo contemporâneo. Rio de Janeiro: Bom Teto, 2008.

FREUD, S. Obras psicológicas completas. (Mal-Estar da Civilização). Rio de Janeiro: Imago, 1977.

GIFFEN, K. Violência de gênero, sexualidade e saúde. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, v. 10 (supl. 1), p. 146-155, 1994.

HABERMAS, J. A nova intransparência – a crise do Estado de Bem-Estar Social e o esgotamento das energias utópicas. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, n. 18, p, 103-114, set. 1987.

HECKMANN, Wolfgang; SILVEIRA, Camila Magalhães. Dependência do álcool: aspectos clínicos e diagnósticos. Andrade AG, Anthony JC, Silveira CM. Álcool e suas consequências: uma abordagem multiconceitual. Barueri (SP): Minha Editora, 2009, 67-87.

HELLER, A. Para mudar a vida: felicidade, liberdade e democracia. São Paulo: Brasiliense, 1982.

JELLINEK, EM. The disease concept of alcoholism. New Brunswick: Hillhouse Press, 1960.

LUCENA, K. D. T. de; SILVA, A. T. M. C. da; MORAES, R. M. de; SILVA, C. C. da; BEZERRA, I. M. P. Análise espacial da violência doméstica contra a mulher entre os anos de 2002 e 2005 em João Pessoa, Paraíba, Brasil.Cadernos Saúde Pública.vol. 28, n. 6, Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, . 1111-1121, jun. 2012. Disponível em: . Acesso em: 26 mar. 2014.

_____. Trabalho e indivíduo social. São Paulo: Cortez, 2001.

LUXEMBURGO, Rosa. Camarada e Amante: Cartas de Rosa de Luxembrugo a Leo Jogiches. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

MACHADO, L. Políticas de subjetivação. In: MANFROI, Vania Maria;

MENDONÇA. Luiz Jorge Vasconcellos Pessôa (Orgs.). Política Social: trabalho e subjetividade. Vitória: Edufes, 2008.

MARTINS, M. V. Marxismo e subjetividade: uma leitura dos “Manuscritos de 44”. In BAPTISTA, Luís Antônio dos S. (Org.). Anuário do Laboratório de Subjetividade e Política. Niterói: Eduff, 1992, ano 1, v.1.

MARX, K. O capital. crítica da economia política. São Paulo: Abril, 1985. v.1.

MONTEIRO, L. G. M. Neomarxismo: indivíduo e subjetividade. São Paulo: EDUC; Florianópolis: Edufsc, 1995.

Revista Serviço Social e Sociedade, 101. Fundamentos críticos para o serviço profissional. Ed. Cortez. janeiro/março 2010.

ROUANET, S. P. Mal-estar na modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

_____. Teoria crítica e psicanálise. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989.

SAFIOTTI, H. Já se mete a colher em briga de marido e mulher. Revista São Paulo em Perspectiva. São Paulo: Fundação SEAD, v. 3, n. 4, p. 82-90, out.-dez./1999.

SCHAFT, A. Marxismo e indivíduo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1967.

SÈVE. L. Marxismo e a teoria da personalidade. Lisboa: Horizonte Universitário, 1979.

SILVEIRA, P.; DORAY, B. Teoria marxista da subjetividade. São Paulo: Vértice, 1989.

SOARES, L. E.; SOARES, B. M.; CARNEIRO, L. P. Violência contra a mulher: As DEAMs e os pactos domésticos. In: SOARES, L. E. (Org). Violência e Política no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Editora Relume-Dumará/ISER, 1996, p. 65-106.

TAVARES, M. S. Com açúcar e sem afeto: a trajetória de vida amorosa de mulheres das classes populares em Aracaju/SE. Revista Serviço Social & Sociedade. São Paulo: Cortez, n. 101, p. 121-145, jan.-mar./2010.

VASCONCELOS, E. M. (Org.) Abordagens psicossociais. São Paulo: Hucitec, 2008. v. 1.

ZUBARAN C, FERNANDES J, MARTINS F, SOUZA J, MACHADO R, CADORE M. Clinical and neurophatological aspects of Wernicke-Korsakoff syndrome. Rev Saúde Pública 1996; 30:6.

WAISELFISZ, J. J. Mapa da Violência 2012 ATUALIZAÇÃO: HOMICÍDIOS DE MULHERES NO BRASIL. Centro Brasileiro de Estudos Latino-Americanos – CEBELA. FLACSO Brasil: Agosto, 2012. Disponível em: Acesso em: 28 out. 2013.

Acesso em: 15 jun. 2016.

Acesso em 15 de jun de 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Virtuajus