Patrimonialização de uma ruina: análise do caso Capela de Nossa Senhora do Rosário localizada em Santo Antônio do Pirapetinga em Piranga- MG

  • Danielly Meireles Dias Universidade Federal de Viçosa
  • Eduarda Alves Santos Universidade Federal de Viçosa
Palavras-chave: Patrimônio, Ruína, Burocracia, Capela de Nossa Senhora do Rosário

Resumo

Com o passar dos anos o patrimônio cultural vem se tornando pauta em diversas discussões, principalmente quando se trata da proteção de algum bem considerado importante para determinado grupo social. O tombamento surge como uma ferramenta de garantir essa proteção e impedir que esse bem desapareça, esse método de patrimonializar se baseia em diversas leis, leis essas que podem se tornar uma grande burocracia envolvendo longos processos até que haja uma tomada de decisão, muitos desses processos são concluídos quando o bem já nem existe mais, ou limita ações acerca dele. Pensando nisso, o objetivo deste artigo é mostrar como essa burocracia se contrapõe às demandas da população local e como as políticas de proteção lidam com as relações raciais que atravessam o patrimônio cultural. Para melhor exemplificar foi analisado o caso da Capela de Nossa Senhora do Rosário localizada em Santo Antônio do Pirapetinga em Piranga MG, bem este que foi tombado já em ruína e a população não consegue liberação para que ela seja reconstruída. Do ponto de vista metodológico, trata-se de uma revisão bibliográfica acerca dos conceitos que envolvem a temática, demonstrando como se dá a proteção e as leis que a envolve, além disso, foram analisadas pesquisas realizadas sobre a capela e a população local.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARBOSA, Waldemar de Almeida. Dicionário histórico-geográfico de Minas Gerais. Belo Horizonte: 1971, 548 p.
CARVALHO, Francine Adelino. Formações Identitárias no Pós colonialismo: Quem é o sujeito negro? TEIAS: Rio de Janeiro, ano 11, nº 21, jan/abr 2010.
CASTRO, S. R. O Estado na preservação de bens culturais. Rio de Janeiro: Renovar, 1991.
FANON, F. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: Edufba, 2008
GOMES, Nilma Lino. O Movimento Negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis: Vozes, 2017.
KILOMBA, Grada, 1968- Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Tradução: Jess Oliveira. -1.ed. - Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.
LABORNE, Ana Amélia de Paula. Branquitude em foco: análises sobre a construção da identidade branca de intelectuais no Brasil. Belo Horizonte: FaE/UFMG,2010 (Tese de Doutorado).
LACERDA, Aroldo Dias. Patrimônio Cultural em Oficinas: Atividades em contextos escolares. Belo Horizonte: Fino Traço, 2015.
LOWENTHAL, David. Como conhecemos o passado. Projeto História, São Paulo, n.17, nov. 1998. pp. 63-201.
MIRANDA, Selma Melo. Arquitetura religiosa no vale do Piranga, In: Revista Barroco n. 13. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, p. 53-96, 1984/5.
MOORE, Carlos. Racismo & Sociedade: novas bases epistemológicas para entender o racismo. Belo Horizonte: Mazza, 2007.
RIBEIRO, Delmarí Ângela. Piranga, arquitetura religiosa e obras de restauração em Bacalhau: preservação e ação comunitária. 2009. 228 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.
SOARES, Ruth Villamarim (coord.). Dossiê de Tombamento/ Processo de avaliação para tombamento: Capela de Nossa Senhora do Rosário. IEPHA/MG, Piranga, 1988.
Publicado
08-12-2022
Como Citar
DIAS, D. M.; SANTOS , E. A. Patrimonialização de uma ruina: análise do caso Capela de Nossa Senhora do Rosário localizada em Santo Antônio do Pirapetinga em Piranga- MG. Cadernos de História, v. 23, n. 38, p. 54-63, 8 dez. 2022.
Seção
Dossiê - Artigos: Patrimônio Cultural