MERCADOS DE BELO HORIZONTE - MG

passado e presente, resistência e transformação

  • Arthur Ferreira Diniz da Silva Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
  • Daniel Ribeiro Victor Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
  • Tayná Karine Augusto Rocha Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Palavras-chave: Mercados públicos, Refuncionalização urbana, Revitalização urbana

Resumo

As cidades nasceram como espaços de troca, como ponto de recebimento do excedente produzido no rural. Neste contexto, as feiras e os mercados ocuparam uma posição relevante, tendo espaços destinados para a função das trocas, do comércio, que consequentemente permite a expressão das relações sociais desenvolvidas naquele espaço e/ou sociedade. Esta relevância reflete-se em Belo Horizonte, onde precisamente alguns mercados nasceram e evoluíram em conjunto com a cidade ao longo dos anos, representando uma centralidade onde se encontram. Muitos destes, também ao longo dos anos, foram do auge à decadência, precisando, assim, se reinventar e repensar seu modo de se apresentarem à sociedade para continuarem funcionando. São eles: Mercado Central, Mercado Novo, Mercado Popular da Lagoinha, Mercado Distrital do Santa Tereza, e Mercado Distrital do Cruzeiro. O presente trabalho tem como finalidade principal relatar brevemente a história destes espaços, que se entrelaçam com a história de Belo Horizonte, compreendendo, assim, o que representavam à época em que foram inaugurados, buscando entender qual é o estado destes mercados hoje. Para isso, este artigo irá se debruçar em uma revisão bibliográfica de conceitos relacionados ao tema que será aqui trabalhado, para fundamentação teórica, além de uma revisão bibliográfica para auxiliar na descrição dos mercados a serem mencionados neste trabalho. Figuras também serão utilizadas a fim de caracterizar os empreendimentos em questão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arthur Ferreira Diniz da Silva, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Licenciado e bacharel em Geografia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), mestrando do Programa de Pós-graduação em Geografia -Tratamento da Informação Espacial, pela mesma universidade.

Daniel Ribeiro Victor, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Licenciado e bacharel em Geografia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), mestrando do Programa de Pós-graduação em Geografia -Tratamento da Informação Espacial, pela mesma universidade

Tayná Karine Augusto Rocha, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Licenciada e bacharel em Geografia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas).

Referências

ALMEIDA, R. C.; MARÇAL, A. M.; GUIMARÃES, S. T. Mercados Públicos na área central de Belo Horizonte: transformações, resistências, tensões. Revista Brasileira de Gestão Urbana, v.14, 2022.

AMARAL, Jair. Mercado do Cruzeiro, em BH, passará por revitalização. 2022. Disponível em:
. [Acesso em: 22 jan. 2022].

AMARAL, Odilon. Com mais lojas abertas e restrição na entrada, Mercado Central tem fila e movimento grande; veja fotos. 2020. Disponível em: . [Acesso em: 22 jan. 2023].

BONGIOVANI. Ana Luiza. Mercado do Santa Tereza reabre com música, comida e mini fazenda. 2022. Disponível em: . [Acesso em: 07 dez. 2023].

BRAUDEL, Fernand. Os Jogos das Trocas: Civilização material, economia e capitalismo, séculos XV-XVIII. Tomo 2. Tradução Maria Antonieta Magalhães Godinho. Lisboa: Cosmos, 1985.

CLEMENTE, Rodrigo. Mercado da Lagoinha reabre as portas para o público. 2021. Disponível em: . [Acesso em: 14 mar. 2023].

COSTA, José Eduardo. Mercado Central de Belo Horizonte: a convivência entre iguais e diferentes. Dissertação (mestrado em Ciências Sociais). Belo Horizonte: PUC Minas, 2006, 109p.

G1 MINAS. Mercado da Lagoinha, em Belo Horizonte, é reaberto ao público. 2021. Disponível em: . [Acesso em: 15 mar. 2023].

FILOMENO, Daniela. Mercado Novo, o mercadão de BH, leva agito gastronômico para o centro da cidade. 2021. Disponível em:
. [Acesso em: 15 mar. 2023].

GUIA SANTA TEREZA. Mercado Distrital de Santa Tereza. 2012. Disponível em: . [Acesso em: 30 jan. 2023].

IABSP. Revitalização do Mercado Distrital do Cruzeiro. S/d. Disponível em: . [Acesso em: 08 mar. 2023].

MERCADO CENTRAL. Mercado Central Abastecimento e Serviços. 2016. Disponível em: . [Acesso em: 30 jan. 2023].

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE. BH em Cantos: Mercado da Lagoinha. 2017. Disponível em: . [Acesso em: 14 mar. 2023].

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE. Centro de Referência em Segurança Alimentar e Nutricional - Mercado da Lagoinha. 2022. Disponível em: . [Acesso em: 15 mar. 2023].

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE. Concessão para gestão, reforma, requalificação e manutenção do mercado distrital do cruzeiro e da central de abastecimento municipal/feira do bairro São Paulo do município de Belo Horizonte – MG. 2020. Disponível em: . [Acesso em: 10 mar. 2023].

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE. Diagnóstico Propositivo para o Mercado Distrital de Santa Tereza. 2016. Disponível em: . [Acesso em: 08 mar. 2023].

RHIENCK, Carlos. Consórcio que vai assumir Mercado de Santa Tereza quer realizar feiras no fim deste ano. 2020. Disponível em: . [Acesso em: 22 jan. 2023].

SILVA, A. F. D.; SERRA, B. B.; VICTOR, D. R.; MOREIRA, F. R.; ALVES, J. A. S.; JESUS, K. A.; OLIVEIRA, S. S.; ROCHA, T. K. A. Reinvenções do Hipercentro de Belo Horizonte: a requalificação do Mercado Novo. Belo Horizonte: PUC Minas, 2021, 164p.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. Centro Cultural Liberalino Alves de Oliveira. S/d. Disponível em: . [Acesso em: 14 mar. 2023..
Publicado
21-12-2023