ÉTICA E XAMANISMO

  • Rafael Leopoldo
  • Roberto Starling
Palavras-chave: Antropoceno. Gaia. Cuidado de si ameríndio. Xamanismo.

Resumo

RESUMO

O presente paper primeiro propõe uma ecologia do medo diante do antropoceno. Trata-se de sentir o medo in concreto como parece propor o xamã Davi Kopenawa ou o filósofo Günther Anders. Desta forma, podemos estar diante do real perigo do antropoceno. Após, a exposição dessa ecologia do medo nós analisamos a Guerra dos Mundos elaborada, inicialmente, por Bruno Latour e reelaborada por Eduardo Viveiros de Castro e Déborah Danowski. Nós pensamos na distinção entre os Humanos (os modernos) e os Terranos (o povo que falta). Por último, propomos voltar a análise das tecnologias de si proposta por Michel Foucault. Foucault no seu livro A hermenêutica do sujeito produz uma genealogia do cuidado de si. Porém, o ponto não abordado dessa genealogia é que ela tem o seu início no xamanismo, assim, entramos na pré-história do cuidado de si para pensarmos um cuidado de si ameríndio na atualidade como possível resposta ao antropoceno.

 

Publicado
02-07-2020
Como Citar
Leopoldo, R., & Starling, R. (2020). ÉTICA E XAMANISMO. Sapere Aude, 11(21), 121-138. https://doi.org/10.5752/P.2177-6342.2020v11n21p121-131
Seção
ARTIGOS/ARTICLES: DOSSIÊ/DOSSIER