O cordel e suas possibilidades no ensino da linguagem: formação humana, diversidade e cultura

Main Article Content

Regina Aparecida de Morais

Resumo

O texto apresenta o estudo sobre como o gênero cordel poderia contribuir para a formação linguística dos estudantes da Educação Básica. Seu objetivo foi refletir sobre a relevância do gênero para a formação do sujeito leitor e escritor. Acredita-se que tais leituras e análises poderão colaborar para a discussão de alguns processos metodológicos (didatização) no ensino de Língua Portuguesa no que tange a formação do sujeito como leitor e escritor.


Palavras-chave: Enunciação. Gênero. Cordel. Didatização. Letramento.

Article Details

Como Citar
Morais, R. A. de. (2017). O cordel e suas possibilidades no ensino da linguagem: formação humana, diversidade e cultura. Cadernos CESPUC De Pesquisa Série Ensaios, (29), 126-149. https://doi.org/10.5752/P.2358-3231.n29p126-149
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Regina Aparecida de Morais, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas).Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Linguística e Língua Portuguesa

Está inserida no Programa de Doutorado da Pontifícia Universidade Católica,em que já cumpriu todos os créditos e realiza a pesquisa sobre representações sociais e letramentos na aula de língua Portuguesa. Letras. Atua hoje na Universidade do Estado de Minas Gerais, campus de Divinópolis. Possui mestrado em Engenharia de Produção: mídia e conhecimento, pela Universidade Federal de Santa Catarina (2001). Ministrou, também, aulas na Prefeitura Municipal de Divinópolis (Ensino Fundamental e Médio) na Secretaria Estadual de Educação de Minas Gerais e foi professora da Fundação Educacional de Divinópolis. Atuou como formadora de educadores sociais, quando compôs a equipe do PROJOVEM (Programa Nacional de Inclusão de Jovens), além de ministrar aulas no Curso de Pós-graduação (lato sensu): Especialização em Educação, Juventude e Cidadania. Foi também coordenadora do Ponto de Cultura de Divinópolis (Formação de Agentes Culturais Juvenis), projeto desenvolvido no campo da pesquisa e da extensão que compunha o programa Cultura Viva (Ministério da Cultura). Deste projeto originou hoje: a Associação Ponto de Cultura de Divinópolis. Tem experiência na formação de professores em Cursos de Graduação (em Matemática, Química e Pedagogia), de Comunicação Social, de Contabilidade e de Administração de Empresas. É uma profissional da área de Linguística e Letras, com ênfase em Literatura Brasileira. Estuda e trabalha com os seguintes temas: educação, arte e cultura, autonomia, prática social, gêneros textuais e ensino, análise do discurso, dialogismo, processo reflexivo e emancipação.

Referências

BAKHTIN, Mikhail M. Estética da Criação Verbal. 4. ed. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BENVENISTE, Émile. O aparelho formal da enunciação. In: BENVENISTE, Émile. Problemas de Linguística Geral II. São Paulo: Pontes, 1989. p. 81-90.

BRAIT, Beth; PISTORI, Maria Helena Cruz (Org.). A produtividade do conceito de gênero em Bakhtin e o Círculo. Alfa, Revista de Linguística (UNESP, Online), São Paulo, v. 56, n. 2, p. 371-401, 2012. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2015.

BRANDÃO, Helena Nagamine. Gêneros do discurso na escola: mito, conto cordel, discurso político e divulgação científica. São Paulo: Cortez, 2000.

BRONCKART, Jean-Paul. Visão de conjunto. In: BRONCKART, Jean Paul. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sócio-discursivo. Tradução de Anna Rachel Machado e Péricles Cunha. São Paulo: EDUC, 1999. p. 113-135; 157‑181.

COSCARELLI, Carla Viana; RIBEIRO, Ana Elisa. Letramento digital: aspectos sociais e possibilidades pedagógicas. Belo Horizonte: CEALE; Autêntica, 2005.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler. São Paulo: Cortez, 1995.

GUIMARÃES, Ana Maria Mattos; KERSCH, Dorotea Frank. Por uma formação continuada cooperativa: o desenvolvimento do processo educativo de leitura e produção textual escrita no Ensino Fundamental no contexto de um município brasileiro, 2012. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2015.

GUIMARÃES, Ana Maria Mattos; KERSCH, Dorotea Frank. Explorando os projetos didáticos de gêneros. In: GUIMARÃES, Ana Maria Mattos; KERSCH, Dorotea Frank. Caminhos da construção: projetos pedagógicos de gênero nos domínios do argumentar. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2014. p. 17-37.

MENDES, Simone. Entre o factual e o ficcional: a construção (pré)discursiva do ethos em um cordel de acontecimento. Entrepalavras, Fortaleza, ano 2, v. 2, n. esp., p. 83-97, jan./jul. 2012.

MILLER, Carolyn R. Estudo sobre gênero textual, agência e tecnologia. In: DIONÍSIO, Angela Paiva; HOFFNAGEL, Judith Chambliss (Org.). Recife: Ed. Universitária UFPE, 2009, p. 19-58.

KLEIMAN, Angela B.; CENICEROS, Rosana Cunha; TINOCO, Glícia Azevedo. Projetos de letramento no ensino médio. In: BUNZEN, Clécio; MENDONÇA, Márcia. Múltiplas linguagens para o ensino médio. São Paulo: Parábola, 2012. p. 60-83.

SILVA, Jane Quintiliano Guimarães; ASSIS, Juliana Alves; BARTLETT, Lesley. Letramento e identidade: questões em estudo. Scripta, Belo Horizonte, v. 17, n. 32, p. 9-22, 1º sem. 2013.

SIMPATIA, Tião. Lei Maria da Penha em cordel. Fortaleza (CE): Armazém da Cultura.

SOARES, Magda, Linguagem e escola: uma perspectiva social. 17. ed. São Paulo: Ática, 2002. p. 95.

CORDEL ENCANTADO. Direção: Amora Mautner e Ricardo Waddington. Criação: Dica Rachid e Thelma Guedes. Rede Globo de Televisão. 1081i HDTV, 2011. Son., color.

O LOBISOMEM e o coronel (Animação). Produção: Elvis K. Figueiredo e Ítalo Cajueiro. Distrito Federal: Brasília, 2002. son., color., 10 min.