AS TRAJETÓRIAS DA MÚSICA ROCK NA COMUNIDADE CAVERNA DE ADULÃO

Main Article Content

Flávio Lages Rodrigues

Resumo

O presente artigo mostrou como ocorreu a construção social na relação entre a religião e a cultura com os jovens adeptos da música rock e das tribos urbanas. Posteriormente foi mostrada a perda da força do rock como único elemento socializador e a entrada de outros elementos em seu lugar. Foi analisado como ocorrem os vínculos sociais entre os jovens na comunidade, com a autonomia para práticas religiosas diferenciadas, em que a cidade e a pós-modernidade possibilitam novas formas de viver e crer, na atualidade. A metodologia utilizada foi a revisão bibliográfica, com o objetivo de analisar as fontes primárias e secundárias acerca do pensamento de Michel Maffesoli sobre as tribalizações juvenis, a partir do Portal de Periódicos da Capes, e das bibliotecas da PUC Minas e UFMG. Também foi realizada uma pesquisa de campo com o método antropológico-etnográfico, que aconteceu com as técnicas de observação participante e de grupo focal. Desse modo, a adesão desses jovens à Comunidade Caverna de Adulão aconteceu, a princípio, com a música rock, pelo fato de se sentirem integrados com sua cultura; depois ocorreu a abertura para outros elementos socializadores e para pessoas de várias idades.

Article Details

Como Citar
RODRIGUES, F. L. AS TRAJETÓRIAS DA MÚSICA ROCK NA COMUNIDADE CAVERNA DE ADULÃO. INTERAÇÕES, v. 15, n. 1, p. 197-213, 7 fev. 2020.
Seção
ARTIGOS
Biografia do Autor

Flávio Lages Rodrigues, PUC Minas/Capes

Mestre em Ciências da Religião pela PUC Minas (2018) como bolsista CAPES. Graduado em Bacharel em Teologia (2005) e especialista em Teologia Sistemática (2007) pela Faculdade Teológica de Belo Horizonte - FATE-BH. Doutorando em Ciências da Religião  pela PUC Minas como bolsista Capes. Membro do Grupo de Pesquisa Religião e Cultura/CNPq desde 2015.

Referências

1º. SAMUEL. In: Bíblia Sagrada Revista e Corrigida. São Paulo: SBB, 2013.

AMARAL, Leila. Cultura religiosa errante: o que o Censo de 2010 pode nos dizer além dos dados. In: TEIXEIRA, Faustino; MENEZES, Renata (org.). Religiões em movimento. O Censo de 2010. Petrópolis: Vozes, 2013, p. 295-310.

BRANDINI, Valéria. Cenários do Rock: mercado, produção e tendências no Brasil. São Paulo: Olho D’água, 2004.

CAMARGO, Luiz Octávio de Lima. Educação para o lazer. São Paulo: Moderna, 1998.

HERVIEU-LÉGER, Danièlle. Representam os surtos emocionais contemporâneos o fim da secularização ou o fim da religião? Religião & Sociedade, v. 18, n. 1, p. 31-47, 1997.

LEFEBVRE, Henri. A revolução urbana. Belo Horizonte: UFMG, 1999.

MAFFESOLI, Michel. O tempo das tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de massa. 4. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

MAGNANI, José Guilherme C.; TORRES, Lílian de Lucca (org.). Na metrópole: textos de Antropologia urbana. São Paulo: EDUSP, 1996.


NOVAES, Regina. Jovens sem religião: sinais de outros tempos. In: TEIXEIRA, Faustino; MENEZES, Renata (org.). Religiões em movimento: o Censo de 2010. Petrópolis: Vozes, 2013, p. 175-190.

RODRIGUES, Flávio Lages. A liberdade do Espírito na vida e no rock. Rio de Janeiro: MK, 2007.

RODRIGUES, Flávio Lages. O fenômeno religioso entre os jovens nas tribos urbanas: uma análise da relação cultura e religião na Comunidade Caverna de Adulão - Belo Horizonte/MG. 2018. 141 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Religião) – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018.

RODRIGUES, Flávio Lages. O rock na evangelização. Rio de Janeiro: MK, 2006.

TAYLOR, Charles. Uma era secular. São Leopoldo: Unisinos, 2010, p. 13-37.