DESAFIOS DAS EPISTEMOLOGIAS DECOLONIAIS E DO PARADIGMA ECOLÓGICO PARA OS ESTUDOS DE RELIGIÃO

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Paulo Agostinho Nogueira Baptista

Resumo

Este artigo foi produzido no contexto do V Colóquio do Grupo de Pesquisa Religião e Cultura, do Programa de Pós-graduação em Ciências da Religião da PUC Minas, em outubro de 2017, que tratou do tema “A epistemologia das Ciências da Religião: pressupostos, questões e desafios”. Discutiu-se numa das mesas-redondas, os desafios das “Epistemologia pós-coloniais e os Estudos de Religião”. A partir de pesquisa bibliográfica, este texto começa por tratar de questões básicas da epistemologia e a seguir apresenta, de forma panorâmica, o paradigma ecológico e as origens e ideias principais das teorias críticas pós-coloniais: o pensamento pós-colonial, os estudos subalternos, o pensamento descolonial e decolonial. As conclusões apontam que os Estudos de Religião têm muito a ganhar com essas epistemologias críticas e podem exercitar de modo criativo formas diversificadas e coletivas de fazer ciência, enfrentando, através da qualidade de suas produções, a desconfiança que outras áreas têm sobre as “Ciências da Religião”. E, por ser multidisciplinar e estar em processo de construção epistemológica, devem entrar no debate duro da teoria da ciência. E, pela própria natureza de sua área, deve considerar o diálogo com os saberes religiosos, reconhecendo-lhes a dignidade de conhecimento, contribuindo para ecologizar e descolonizar ciências e saberes.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
BAPTISTA, P. A. N. DESAFIOS DAS EPISTEMOLOGIAS DECOLONIAIS E DO PARADIGMA ECOLÓGICO PARA OS ESTUDOS DE RELIGIÃO. INTERAÇÕES, v. 13, n. 23, p. 94-114, 19 set. 2018.
Seção
DOSSIÊ
Biografia do Autor

Paulo Agostinho Nogueira Baptista, PPG em Ciências da Religião da PUC Minas

Doutor e Mestre em Ciência da Religião (UFJF), pós-doutor em Demografia (CEDEPLAR/UFMG), professor e pesquisador do PPG em Ciências da Religião da PUC Minas.

Referências

ACOSTA, Alberto. Hacia la Declaración Universal de los Derechos de la Naturaleza Reflexiones para la acción. Revista AFESE, Quito, v. 54, n. 54, p. 11-32, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2017.
ACOSTA, Alberto; MARTÍNEZ, Esperanza (Comp.). La naturaleza con derechos: de la Filosofía a la Política. Quito: Ediciones Abya-Yala, 2011.
ANJOS, Márcio Fabri dos. Teologia aberta ao futuro. São Paulo: Loyola, 1997.
ARAÚJO, Luiz Bernardo L. Considerações sobre o termo “paradigma”. In: ANJOS, Márcio Fabri dos. Teologia e novos paradigmas. São Paulo: Loyola, 1996. p. 15-33.
BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 11, p. 89-117, maio-agosto 2013. Disponível em: . Acesso em: 16 maio 2016.
BAPTISTA, Paulo Agostinho N. Pensamento decolonial, teologias pós-coloniais e Teologia da Libertação. Perspectiva Teológica, Belo Horizonte, v. 48, n. 3, p. 491-517, set./dez. 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2018.
BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998.
BOFF, Leonardo. Dignitas Terrae. Ecoloiga: grito da terra, gripo dos pobres. São Paulo: Ática, 1995.
BOFF, Leonardo. Ecologia, mundialização, espiritualidade: a emergência de um novo paradigma. São Paulo: Ática, 1993.
BOFF, Leonardo. Nova era: a civilização planetária, desafios à sociedade e ao cristianismo. 3 ed. São Paulo: Ática, 1998.
CASTRO-GÓMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón. El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre, 2007. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2016.
CASTRO-GÓMEZ, Santiago; MENDIETA, Eduardo. Teorías sin disciplina; latinoamericanismo, poscolonialidad y globalización en debate. México: Miguel Ángel Porrúa, 1998. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2016.
CESAIRE, Áimé. Discurso sobre o colonialismo. Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora, 1978. [Original: Discours sur le colonialisme. Paris: Reclaim, 1950].
CUNHA, Carlos. Provocações decoloniais à Teologia cristã. São Paulo: Edições Terceira Via, 2017.
DURKHEIM, Émile. As formas elementares da vida religiosa. 2. ed. São Paulo: Paulus, 1998.
ELIADE, Mircea. Tratado de história das religiões. São Paulo: Martins Fontes, 1993.
FANON, Frantz. Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968. [Original: Les Damnés de la Terre. Paris: François Maspero, 1961].
FREIRE, Paulo. Pedadogia dos oprimidos. São Paulo: Paz e Terra, 1970.
GILROY, Paul. O Atlântico Negro: modernidade e dupla consciência. Rio de Janeiro: 34/Universidade Cândido Mendes, 2002.
HALL, Stuart. Da diáspora – identidades e mediações. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.
HEISENBERG, Werner. Mas alla de la física. Madrid: Biblioteca de Autores Cristianos, 1974.
HOUTART, François. El concepto de sumak kawsai (buen vivir) y su correspondencia con el bien común de la humanidade. ALAI, América Latina en Movimiento, 02 jun. 2011. Disponível em: . Acesso em 10 set. 2017.
JAPIASSÚ, Hilton. O mito da neutralidade científica. Rio de Janeiro: Imago, 1975.
KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. 5 ed. São Paulo: Perspectiva, 1998.
KUHN, Thomas. The Structure os Scientific Revolutions. Chicago: The University of Chigado Press, 1962.
KÜNG, Hans. Teologia a caminho: fundamentação para o diálogo ecumênico. São Paulo: Paulinas, 1999.
LAKATOS, Imre. Criticism and the methology of scientific research programmes. Proceedings of Aristotelian Society, Oxford, v. 69, n. 1, p. 149-186, June 1969.
MEMMI, Albert. Retrato do colonizado precedido pelo retrato do colonizador. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977. [Original: Portrait du colonisé, précédé par Portrait du colonisateur. Paris: Editions Buchet/Chastel, 1957].
MIGNOLO, Walter. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF, Rio de Janeiro, n. 34, p. 287-324, 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2016.
MIGNOLO, Walter. Desobediencia epistémica: retórica de la modernidad, lógica de la colonialidad e gramática de la descolonialidad. Buenos Aires: Ediciones del Signo, 2010. Disponível em: < https://antropologiadeoutraforma.files.wordpress.com/2013/04/mignolo-walter-desobediencia-epistc3a9mica-buenos-aires-ediciones-del-signo-2010.pdf>. Acesso em: 13 jun. 2016.
MORAES, Maria Cândida. Pensamento eco-sistêmico. Petrópolis: Vozes, 2004.
MORIN. Edgar. O método I – A natureza da natureza. 2. ed. Lisboa: Publicações Europa-América, 1977.
MORIN. Edgar. O paradigma perdido: a natureza humana. 4. ed. Lisboa: Publicações Europa-América, 1973.
OLIVEIRA Manfredo A. Ampliação do sentido de libertação. Perspectiva Teológica, Belo Horizonte, v. 30, n. 81, p. 273-284, jan. 1998. Disponível em: . Acesso em: 01 jun. 2018.
OLIVEIRA, Manfredo A. A mudança de paradigmas nas ciências contemporâneas. In: ANJOS, Márcio Fabri dos. Teologia aberta ao futuro. São Paulo: Loyola, 1997. p. 21-29.
OLIVEIRA, Marcos Barbosa de. Sobre o problema da demarcação. Trans/Form/Ação, São Paulo, n. 5, p. 85-101, 1982.
POPPER, Karl. A lógica da pesquisa científica. São Paulo: Cultrix, 1972.
POPPER, Karl. Conjectures and Refutations. Londres: Routledge & Kegan Paul, 1963.
PRIGOGINE, I.. A nova aliança: metamorfose da ciência. Brasília: Universidade de Brasília, 1990.
PRIGOGINE, I.. O fim da certeza: tempo, caos e as leis da natureza. São Paulo: UNESP, 1996..
PRIGOGINE, I..; I. STENGERS,; I.. Entre o tempo e a eternidade. Lisboa: Gradiva, 1990.
SAID, Edward W. Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 2007. [Original: London: Routledge & Kegan Paul Ltd., 1978].
SANTOS, Boaventura Sousa; MENESES, Maria Paula (Org.). Epistemologias do sul. Coimbra: Edições Almedina, 2009.
SANTOS, Boaventura de Souza; MENESES, Maria Paula; NUNES, João Arriscado. Para ampliar o cânone da ciência: a diversidade epistemológica do mundo IN: SANTOS, Boaventura de Souza (Org.). Semear outras soluções: os caminhos da biodiversidade e dos conhecimentos rivais. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005. p. 21-121.
SPIVAK, Gayatri C. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.
TAYLOR, Charles. A política do reconhecimento. In: TAYLOR, Charles (Org.). Multiculturalismo. Lisboa: Instituto Piaget, 1998. p. 44-64.
TOULMIN, Stephen. Kritik der Kollektiven Vernunft. Frankfurt: Suhrkamps, 1978.