A MÍSTICA DOS ESTUDOS EM SIMONE WEIL

Main Article Content

Marcel Delfino Carvalho de Souza
Ceci Maria Costa Baptista Mariani

Resumo

Simone Weil (1909-1943) deixou preciosas contribuições para se pensar o desenvolvimento de uma civilização capaz de superar a opressão social e o desenraizamento. Entre elas, um profícuo método de se olhar e agir no mundo. A partir dele, desenvolvemos, neste artigo, algumas reflexões a respeito dos estudos na formação dessa civilização. Partimos, inicialmente, de três comentadores, Alfredo Bosi (1988), Ecléa Bosi (2003) e Maria Clara Bingemer (2011), apresentando as compreensões que nos foram fundamentais para pensar a atividade de estudar em Simone Weil: a atenção, a ação não ativa e a leitura. Com isso, introduzimos o estudo como atividade histórica, inserida na corrente da tradição. Com Santos (2015) e Queiroz (2017; 2018), por conseguinte, desdobramos essa compreensão com o conceito de tradução e, assim, pensamos junto a esses autores nas possibilidades enraizadoras da atividade de estudar, em diálogo com Puente (2013), Alfredo Bosi (2009) e, principalmente, Bingemer (2011), que nos traz o conceito de metáfora real. Por fim, retomamos as reflexões de Simone Weil acerca da inteligência, a fim de pensar a mística dessa atividade de estudar. Seria ela, enquanto mística, além-intelectual?

Article Details

Como Citar
SOUZA, M. D. C. DE; MARIANI, C. M. C. B. A MÍSTICA DOS ESTUDOS EM SIMONE WEIL. INTERAÇÕES, v. 16, n. 1, p. 11-32, 30 mar. 2021.
Seção
ARTIGOS
Biografia do Autor

Marcel Delfino Carvalho de Souza, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Graduando em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Brasil. Agência de Fomento FAPIC/Reitoria. ORCID: 0000-0003-2714-0671. E-mail: marcel.dcs@puccampinas.edu.br.

Ceci Maria Costa Baptista Mariani, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Doutora em Ciências da Religião pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Docente do Programa de Pós-graduação em Ciências da Religião e da faculdade de Teologia na Pontifícia Universidade Católica de Campinas.

Referências

BERNARDO, M. H. Discurso flexível, trabalho duro: o contraste entre o discurso de gestão empresarial e a vivência dos trabalhadores. 2006. 233 f. Tese (Doutorado em Psicologia Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

BINGEMER, M. C. L. Os seis cisnes e a menina: algumas reflexões sobre a salvação segundo Simone Weil. Teoliterária: Revista de Literaturas e Teologias, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 97-123, 2011. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/22940. Acesso em: 20 ago. 2019.

BOSI, A. A Fenomenologia do olhar. In: NOVAES, A. (org.). O olhar. São Paulo: Companhia das Letras, 1988. p. 65-87.

BOSI, A. A inteligência libertadora e suas formas. In: BINGEMER, M. C. L. (org.). Simone Weil e o encontro entre as culturas. Rio de Janeiro: Paulinas, 2009. p. 13-37.

BOSI, E. A atenção em Simone Weil. Psicologia USP, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 11-20, 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-65642003000100002&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 20 ago. 2019.

BOSI, E. Simone Weil, a razão dos vencidos. São Paulo: Brasiliense, 1982.

CHENAVIER, E. Simone Weil leitora de Marx. In: BINGEMER, M. C. L.; PUENTE, F. R. (org.). Simone Weil e a filosofia. Rio de Janeiro: Loyola, 2011. p. 89-113.

KANT, Immanuel. Crítica da faculdade de julgar. Petrópolis: Vozes, 2016.

MARTINS, Alexandre Andrade. A pobreza e a graça: um estudo sobre o "malheur" e a experiência da graça na vida e no pensamento de Simone Weil. 2011. 167 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Religião) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2011.

PLATÃO. A república. São Paulo: Martin Claret, 2000.

PUENTE, F. R. Exercícios de atenção: Simone Weil, leitora dos gregos. Rio de Janeiro: PUC-Rio de Janeiro; São Paulo: Editora Loyola, 2013.

QUEIROZ, H. B. Educação, desenraizamento e contemporaneidade em Simone Weil. 2017. 92 f. Dissertação (Mestrado em Educação Contemporânea) – Universidade Estadual da Bahia, Salvador, 2017.

QUEIROZ, H. B.; SANTOS, L. C. O Desenraizamento e seus efeitos na educação contemporânea. Foro Inclusión, Evaluación y Calidad, [S.l.], 2018. Disponível em: https://reposital.cuaed.unam.mx:8443/xmlui/handle/20.500.12579/5174. Acesso em: 10 out. 2019.

SANTOS, L. C. A servidão involuntária: trabalho, educação e enraizamento em Simone Weil (II). Revista Ágora Filosófica, Recife, v. 1, n. 2, p. 97-114, 2015.

SUASSUNA, A. Introdução à estética. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2018.

WEIL, S. A gravidade e a graça. Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

WEIL, S. Carta a uma aluna. In: BOSI, E. (org.). Simone Weil: a condição operária e outros estudos sobre a opressão. Tradução Therezinha Gomes Garcia Langlada. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1934-1996a.

WEIL, S. Enraizamento. In: BOSI, E. (org.). Simone Weil: a condição operária e outros estudos sobre a opressão. Tradução Therezinha Gomes Garcia Langlada. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1943-1996b.

WEIL, S. Espera de Deus: cartas escritas de 19 de janeiro a 26 de maio de 1942. Petrópolis: Vozes, 1942-2019.

WEIL, S. The need for roots. London: Routledge Classics, 1943-2002.