O QUE HÁ DE MAGIA NA POESIA? COMPARANDO POÉTICAS DO ENCANTAMENTO

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Eduardo Guerreiro Brito Losso

Resumo

Teóricos da poética frequentemente aproximam poesia de mística, ao mesmo tempo que distinguem o poeta do místico. Dizem que o poeta medita na exterioridade e o místico na interioridade, mas especialistas nos grandes místicos afirmam que não há, neles, a separação entre busca espiritual e contemplação da materialidade. De qualquer modo, o místico busca a experiência suprassensível.  Por isso, talvez seja mais pertinente examinar as aproximações entre poesia e magia.Ao longo da história da poética, elas são abundantes. Examinamos três ocorrências importantes nessa história: em Platão, Martin Opitz (primeiro poetólogo alemão) e Novalis. Ao compará-las, percebemos que a magia parece ser essencial à origem e atuação da poesia, mas por diferentes motivos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
LOSSO, E. G. B. O QUE HÁ DE MAGIA NA POESIA? COMPARANDO POÉTICAS DO ENCANTAMENTO. INTERAÇÕES, v. 11, n. 19, p. 43-60, 2 ago. 2016.
Seção
DOSSIÊ
Biografia do Autor

Eduardo Guerreiro Brito Losso, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Faculdade de Letras, Programa de Pós-Graduação em Ciência da Literatura

É professor adjunto de Teoria literária na UFRJ, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Faculdade de Letras, Programa de Pós-Graduação em Ciência da Literatura. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em teoria da literatura, poesia moderna e contemporânea, literatura e sagrado, teoria crítica, prosa moderna e música pop experimental. Atua principalmente nos seguintes temas: experiência estética, mística, ascese, arte de viver, crítica social, sublime, ironia, modernidade, secularização, êxtase, negatividade. Possui graduação em letras, mestrado em Letras (Ciência da Literatura) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2002). Cursou doutorado em ciência da literatura na UFRJ e na Universität Leipzig, onde foi bolsista-sanduíche do DAAD de 2004 a 2007 e escreveu a tese Teologia Negativa e Theodor Adorno. A secularização da mística na arte moderna" (2007). Também organizou, em 2006, o colóquio franco-alemão Sehnsucht und der europäische Traum Nostalgie et le rêve européen (Saudade/nostalgia e o sonho europeu) na Maison Heinrich-Heine, em Paris. Foi professor pós-doutor do programa de pós-graduação em Letras da UERJ e bolsista da FAPERJ, estudando, a partir da Teoria Crítica, a mística secularizada na literatura brasileira. Foi professor da UFRRJ (Universidade Federal Rural do RIo de Janeiro), de 2009 a 2014. Organizou o livro Diferencia minoritaria en Latinoamérica/Diferença minoritária na América Latina, pela Georg Olms.