SER MOTORISTA DO TRANSPORTE URBANO DA CIDADE DE BETIM: O OFICIO E SUAS IMPLICAÇÕES COTIDIANAS À LUZ DA PSICOLOGIA DO TRABALHO.

  • Eucilene Ferreira do Nascimento Gomes Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
  • Elisiene Chaves Fagundes
  • Manoel Deusdedit Júnior
Palavras-chave: Transporte público, Cidade de Betim, Violência, Assalto, Condições de trabalho

Resumo

O presente artigo que tem como objetivo identificar e descrever como os motoristas de transporte público percebem seu cotidiano de trabalho, é o desdobramento de uma pesquisa realizada em 2018 com trabalhadores do transporte público de Betim. Na referida pesquisa de natureza qualitativa, o meio utilizado para obter dados para análise foi através da entrevista semiestruturada com um grupo amostral composto por 10 motoristas, de ambos os sexos, com idade entre 20 a 60 anos e atuação na profissão acima de 2 anos. Participaram da pesquisa 10 trabalhadores do transporte público. Os participantes relataram pelo menos um episódio de violência no trabalho nos últimos 12 meses, oriundas de assaltantes. Entretanto, outra violência foi mencionada por 97% dos trabalhadores, essa advinda dos usuários do serviço. Doenças crônicas e condições de trabalho foram associados a violências. Os relatos dos trabalhadores, diante da associação da violência com as condições de trabalho, podem ser utilizados como guia para direcionar diversas estratégias de prevenção pelos gestores do serviço público na cidade de Betim.

 

Biografia do Autor

Elisiene Chaves Fagundes

Mestre em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Graduada em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, com ênfase em Processos de Subjetivação.

Manoel Deusdedit Júnior

Graduação em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (1996), mestrado em Engenharia de Produção pela mesma Universidade (2000) e doutorado em Psicologia também pela UFMG (2014). Atualmente, é professor adjunto da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais em Betim, onde coordena o Projeto de Extensão SAIT - Serviços de Atendimento Integral ao Trabalhador. Responsável pela coordenação de Estágio e membro do Colegiado do Curso de Psicologia da PUC Minas em Betim. Coordenou o Curso de Especialização em Psicologia Organizacional e do Trabalho no Instituto de Educação Continuada (IEC) de 2005 a 2012. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Saúde Mental e Trabalho, atuando principalmente nos seguintes temas: trabalho, saúde mental, subjetividade, ergonomia e políticas públicas de saúde.

Referências

ADORNO, Sérgio. (2002). O Monopólio estatal da violência na sociedade brasileira contemporânea. In: O que ler na ciência social brasileira; Volume IV. Organizado por Sérgio Miceli. Disponível em: http://nevusp.org/blog/2002/08/09/o-monopolio-estatal-da-violencia-na-sociedade-brasileira-contemporanea/. Acesso em: 31 Setembro de 2019.

ALVES, Camila Renata da Silva; PAULA, Patrícia Pinto de. (2009). Cadernos de Psicologia Social do Trabalho. Violência no trabalho: possíveis relações entre assaltos e TEPT em rodoviários de uma empresa de transporte coletivo, 12, n. 1, junho. 35-46. Disponível em: . Acesso em: 31 Outubro de 2019.

ASSUNÇÃO, Ada Ávila; MEDEIROS, Adriane Mesquita de. (2015). Violência a motoristas e cobradores de ônibus metropolitanos, Brasil: Revista de Saúde Pública. Rev. Saúde Pública vol.49 São Paulo 2015 Epub Feb 27, 2015. Disponível em:. Acesso em: 20 outubro de 2019.

BASTOS, Antônio Virgílio Bittencourt; PINHO, Ana Paula Moreno; COSTA, Clériston Alves. (1995). Significado do Trabalho: Um Estudo entre Trabalhadores Inseridos em Organizações Formais. 1995. RAE - Revista de Administração de Empresas São Paulo, v. 35, n. 6, p. 20-29 nov./dez. 1995. Disponível em: http://www.spell.org.br/documentos/ver /12598/significado-do-trabalho---um-estudo-entre-trabalhadores-inseridos-emorganizacoes- formais>. Acesso em: 09 Setembro de 2019.

BATTISTON, Márcia; CRUZ, Roberto Moraes; HOFFMANN, Maria Helena. (2006). Condições de trabalho e saúde de motoristas de transporte coletivo urbano: Estudos de Psicologia (Natal). Estud. psicol. (Natal) vol.11 no.3 Natal Sept. /Dec.2006. Disponível em: . Acesso em: 20 outubro de 2019.

BALBINOT, Alexandre; TAMAGNA, Alberto. (2002). Avaliação da transmissibilidade da vibração em bancos de motoristas de ônibus urbanos: um enfoque no conforto e na saúde. In: Revista Brasileira de Engenharia e Biomédica. p.31-38; jan./abr. Disponível em:. Acesso em: 20 outubro de 2019.

BOURDIEU, P. (2003). Bourdieu e a sociologia. In: LOYOLA, M. A. Pierre Bourdieu: entrevistado por Maria Andréa Loyola. Rio de janeiro: Ed. UERJ. p. 63-86

BUENO, Chis. (2016). O Trabalho e o Homem. Pré.Univesp, n. 61.

CHAUÍ M. (1985). Participando do debate sobre mulher e violência. In: CARDOSO, R. (Org.) Perspectivas antropológicas da mulher n. 4. Rio de Janeiro: Zahac, p. 23-62
CIAMPA, A. Costa. (1986). Identidade. In: LANE, S. T. M.; CODO, W. Psicologia social: o homem em movimento. São Paulo: Brasiliense, p.58-75.
COUTINHO, Maria Chalfin; KRAWULSKI, Edite; SOARES, Dulce Helena Penna. (2007). Identidade e Trabalho na Contemporaneidade: Repensando Articulações Possíveis. In: Psicologia & Sociedade; 19, Edição Especial 1: 29-37.Disponível em:. Acesso em: 25 Setembro de 2019.

DEJOURS, Cristophe. (1987) A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. São Paulo: Cortez, 345p.
__________ (1994). Psicodinâmica do trabalho. São Paulo: Atlas.

__________(1996) Uma nova visão do sofrimento humano nas organizações. Em CHANLAT, Jean-François (Coord.). O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. 3ª ed. São Paulo: Atlas.

__________(1997). O fator humano. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas.

__________(1998) A loucura do trabalho: estudo de Psicopatologia do Trabalho. São Paulo: Cortez, 163p.

__________(2008) Avaliação do trabalho submetida à prova do real. Críticas aos fundamentos da avaliação. São Paulo: Bluncher, 125p.

FOUCAULT, Michael. (1985) Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal.   

GIL, Antônio Carlos. (2010). Como Elaborar Projetos de Pesquisa, 5ª Ed. São Paulo, Editora Atlas, 200 p.

LANE, Silvia T. Maurer. (1981). O que é Psicologia Social. 22. ed. São Paulo: Brasiliense, v. Primeiros Passos; 39. 89 p.

LEVISKY, David Léo. (2010). Uma Gota de Esperança. In: A Violência na Sociedade Contemporânea, 2010. Organizado por Maria da Graça Blaya Almeida. – Dados eletrônicos. Porto Alegre: EDIPUCRS, 161fls. Disponível em: http://ebooks.pucrs.br/ edipucrs/violencia. pdf/. Acesso em: 30 setembro 2019.

MENDES, Ana Magnólia Bezerra. (1995). Aspectos psicodinâmicos da relação homem-trabalho: as contribuições de C. Dejours. 1995. In: Psicologia Ciência e profissão, Psicol. Cienc. Prof. vol. 15 no.1-3, Brasília. Disponível em:. Acesso em: 01 de Setembro de 2019.

MENDES, A. M.; CRUZ, R. M. (2004). Trabalho e saúde no contexto organizacional: vicissitudes teóricas. In: Tamayo, A. Et al. Cultura e saúde nas organizações. Porto Alegre: Artmed, p. 39–52.

MORAES, Thiago Drummond et al. (2017). Considerações Sobre o Ofício de Dirigir Ônibus no Brasil: Uma Revisão de Literatura. . Estudos Interdisciplinares em Psicologia, Londrina, v. 8, n. 1, p. 76-99, jun. 2017. Disponível em:. Acesso em: 01 de Setembro 2019.

NUNES, Mônica de Oliveira; OLIVEIRA, Roberval Passos de. (2008). Violência Relacionada ao Trabalho: uma proposta conceitual. Disponível em: . Acesso em: 01 de Outrubro de 2019.

PEREIRA, Bruno Silva. (2014). Condições de Trabalho dos Motoristas de Transporte Coletivo Urbano: O Impacto da Dupla Atividade na Saúde Mental do Trabalhador. Monografia Pós-Graduação Universidade Federal de Minas Gerais. Escola de Engenharia de Produção. Disponível em:
http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/BUBD-9ZBHVX/mono grafia_ufmg_final_bruno.pdf?sequence=1. Acesso em: 01 de Setembro de 2019.

SACRAMENTO, Lívia de Tartari e; REZENDE, O Manuel Morgado. (2006). Violências: Lembrando alguns conceitos. Aletheia, n.24, p.95-104, jul./dez. . Disponível em:. Acesso em: 25 Outubro 2019.

SOARES, Celia Regina Vasconcelos. (1992). Significado do trabalho: um estudo comparativo de categorias ocupacionais. 1992. In: Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Departamento de Psicologia Social e do Trabalho, Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília.
Disponívelem:
SILVA, Narbal; TOLFO, Suzana da Rosa. (2012). Trabalho significativo e felicidade humana: explorando aproximações. 2012. Rev. Psicol., Organ. Trab. vol.12 no.3 Florianópolis dez. Disponível em:
. Acesso em: 25 setembro de 2019.
Publicado
13-03-2021
Como Citar
FERREIRA DO NASCIMENTO GOMES, E.; CHAVES FAGUNDES, E.; DEUSDEDIT JÚNIOR, M. SER MOTORISTA DO TRANSPORTE URBANO DA CIDADE DE BETIM: O OFICIO E SUAS IMPLICAÇÕES COTIDIANAS À LUZ DA PSICOLOGIA DO TRABALHO. Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, v. 5, n. 10, p. 455-475, 13 mar. 2021.
Seção
Artigos de temática livre