Tristram Shandy e Viagens na minha terra: paradigmas na metaficção

  • Carlos Ceia
Palavras-chave: Laurence Sterne, Life and Opinions of Tristram Shandy, Gentleman, paradigmas, metaficção,

Resumo

A literatura metaficcional inclui hoje obras de diferentes épocas, o que permite falar com maior propriedade de um paradigma metaficcional comum a vários momentos da história literária em vez de nos cingirmos à época presente. Em Life and Opinions of Tristram Shandy, Gentleman (1760-67) de Laurence Sterne, encontramos já aquilo que hoje reconhecemos como metaficção e que se pode resumirao texto de ficção que fala de si próprio e que interroga a sua própria ficcionalidade. Se for esta a principal virtude de uma metaficção, então o nosso Almeida Garrett escreveu uma obra-prima do gênero, as Viagens na minha terra, texto repleto de considerações sobre a sua própria natureza ficcional e cujas interpelações ao leitor também podem servir decânone a qualquer teoria sobre a metaficção. Demonstrar-se-á que, quanto ao método, não há grande diferença entre estas metaficções pré-pós-modernistas e aquelas que se têm citado como pós-modernas.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
08-10-1999
Como Citar
Ceia, C. (1999). Tristram Shandy e Viagens na minha terra: paradigmas na metaficção. Scripta, 3(5), 19-33. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/10293
Seção
Parte 1 - Dossiê Almeida Garrett