Hiato e a estrutura narrativa em Guimarães Rosa

  • Ana Maria de Almeida
Palavras-chave: Literatura brasileira

Resumo

Reflexões sobre o jogo drolático e a erística capiau, fundada em nonadas,
tutaméias, coisas aparentemente insignificantes, viles figurae
que, no cadinho (ignis circulator, matrix/matraz, athanor), da narrativa
descentrada, transfiguram, de modo incessante, os possíveis núcleos
significativos do texto rosiano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARTHES, Roland. O prazer do texto. Lisboa: Edições 70, 1974.

BIZZARRI, Eduardo. J. Guimarães Rosa: correspondência com seu tradutor italiano/Eduardo Bizzarri. 2. ed. São Paulo: T. A. Queiroz/Instituto Cultural Ítalo-Brasileiro, 1980.

BORGES, Jorge Luís. Prólogo. In: BORGES, Jorge Luí. O informe de Brodie. Porto Alegre: Globo, 1983.

JUNG. Mysterium coniunctionis. Petropólis: Vozes, 1985.

RIBEIRO, João. Frases feitas. Estudo conjetural de locuções ditados e provérbios. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1960.

ROSA, João Guimarães. Arquivos implacáveis de João Condé. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 25 nov. 1967. Caderno 2, p. 4.

ROSA, João Guimarães. Aletria e hermenêutica. In: ROSA, João Guimarães. Tutaméia. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1967. p. 3-12.

ROSA, João Guimarães. Corpo de baile. 2. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1960.

ROSA, João Guimarães. Sagarana. 6. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1964. p. 388.

VICENTE, Gil. Obras Completas. Lisboa: Livraria Sá da Costa, 1959. v. II.

Publicado
21-03-2002
Como Citar
de Almeida, A. M. (2002). Hiato e a estrutura narrativa em Guimarães Rosa. Scripta, 5(10), 53-64. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/12383