Oralidade letrada e competência comunicativa: implicações para a construção da escrita em sala de aula

  • Angela B. Kleiman Unicamp
Palavras-chave: Oralidade, Letramento, Competência comunicativa, Viabilidade

Resumo

Neste trabalho, propõe-se que as práticas orais letradas do professor alfabetizador sejam analisadas segundo o conceito de viabilidade do modelo de competência comunicativa de Hymes (1966). A utilização do modelo de competência comunicativa, com as modificações propostas por Gumperz (1982), é complementada com a noção de gênero de Bakhtin (1953), de forma a construir uma matriz que permita integrar os aspectos sociocognitivos do modelo de Hymes, os aspectos sociointeracionais da noção de conhecimento construído na interação de Gumperz e os aspectos socio-históricos. O conceito de viabilidade no modelo assim ampliado permite encontrar as características partilhadas e a competência comunicativa de duas alfabetizadoras em dois eventos
de letramento que visam à introdução da criança nas práticas de uso da escrita, na superfície, extremamente diferentes.



Referências

BAKHTIN, Mikhail M. Estética de la creación verbal. México: Siglo Veintiuno, 1982 [1953]. El problema de los géneros discursivos, p. 248-293.

BARTON, David. Literacy; an introduction to the ecology of written language. Oxford/Cambridge: UK/ Blackwell, 1994.

BORTONI, Stella M. Situações dialógicas assimétricas. Implicações para o ensino. Trabalhos em Lingüística Aplicada, Campinas, n. 12, p. 1-10, jul./dez. 1988.

CAZDEN, Courtney B. Contributions of the Bakhtin circle to ‘communicative competence’, Applied Linguistics, v. 10, n. 2, p. 116-127, 1989.

COSTA, Deborah C. P. A construção de gêneros secundários na educação infantil: a emergência dos gêneros notícia e verbete. Campinas: Universidade de Campinas, 2001. (Dissertação, Mestrado em Lingüística).

CUNHA, Luciana M. Sobre a competência comunicativa: uma descrição das práticas interacionais de uma comunidade rural brasileira. Brasília: Universidade Federal de Brasília, 2000. (Dissertação, Mestrado em Lingüística).

DUBIN, Fraida. Situating literacy within traditions of communicative competence. Applied Linguistics, v. 10, n. 2, p. 172-181, 1989.

ERICKSON, Frederick. Classroom discourse and improvisation: relations between academic task sructure and social participation structure in lessons. In: WILKINSON, L. C. (Org.). Communicating in the classroom. New York: New York Academic Press, 1982.

ERICKSON, Frederick; SHULTZ, J. When is a context? Some issues and methods in the analysis of social competence. In: GREEN, J.; WALLAT, C. (Ed.) Ethnography and language in educational settings. Norwood: Ablex Press, 1981.

FIRTH, J. R. The tongues of men and speech. 2. ed. Oxford: Oxford University Press, 1966 [1937]. The tongues of men. p. 1-138.

GOFFMAN, Erving. Frame analysis: an essay on the organization of experience. York: The Maple Press, 1974.

GUMPERZ, John J. The linguistic bases of communicative competence. In: TANNEN, Deborah (Org.). Analyzing discourse: text and talk. Washington: Georgetown University Press, 1982. p. 323-334.

HEATH, Shirley B. Ways with words: language, life and work in communities and classrooms. Cambridge: Cambridge University Press, 1983.

HYMES, Dell. On communicative competence. In: PRIDE, J. B.; HOLMES, J. (Org.) Sociolinguistics. Harmondsworth: Penguin Books, 1972 [1966]. p. 269-293.

HYMES, Dell. Foundations in sociolinguistics: an ethnographic approach. Philadelphia.: University of Pennsylvania Press, 1974.

HYMES, Dell. Towards ethnographies of communication: the analysis of communicative events. In: GIGLIOLI, Pier Paolo (Org.). Language and social context: selected readings. Harmondsworth: Penguin Books, 1980. p. 211-44.

KLEIMAN, Angela B. A construção de identidades em sala de aula: um enfoque interacional. In: SIGNORINI, Inês. (Org.). Língua(gem) e identidade: elementos para uma discussão no campo aplicado. Campinas: Mercado de Letras, 1998. p. 267-302.

KLEIMAN, Angela B. O papel da análise da interação no contexto de formação da alfabetizadora: respostas prontas, perguntas por fazer. In: KLEIMAN, Angela B.; SIGNORINI, Inês (Org.). O ensino e a formação do professor: alfabetização de jovens e adultos. Porto Alegre: Artmed, 2000. p. 193-209.

LOPES, Iveuta de Abreu. O processo interacional em sala de aula: um estudo comparativo em dois grupos sociais. Brasília: Universidade Federal de Brasília, 1989. (Dissertação, Mestrado)

MAINGUENEAU, Dominique. Les termes clés de l’analyse du discours. Paris: Éditions du Seuil, 1996.

MATENCIO, Maria de Lourdes M. Estudo da língua falada e aula de língua materna: uma abordagem processual da interação professor/alunos. Campinas: Mercado de Letras, 2001.

MEC (SEF). Parâmetros curriculares nacionais – 1o e 2o ciclos do Ensino Fundamental: Língua Portuguesa. Brasília: SEF/MEC, 1998.

ROJO, Roxane H. R. Agir, obedecer e as formas de dizer a ação: as interações familiares na construção das ações, da linguagem e do sujeito social. D.E.L.T.A., São Paulo, v. 15, n. 2, p. 237-267, 1999.

WIDDOWSON, H. G. Knowledge of language and ability for use. Applied Linguistics, v. 10, n. 2, p. 128-137, 1989.

Publicado
28-10-2002
Como Citar
Kleiman, A. B. (2002). Oralidade letrada e competência comunicativa: implicações para a construção da escrita em sala de aula. Scripta, 6(11), 23-38. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/12447
Seção
Artigos