Ironia, riso e morte em nítido nulo, de Vergílio Ferreira

  • Luci Ruas
Palavras-chave: Literatura Portuguesa, Romance, Ironia, Riso, Humor, Morte.

Resumo

Este trabalho propõe um caminho de leitura do romance Nítido nulo, de Vergílio Ferreira, em que a ironia e o conseqüente riso e o humor são uma forma significativa de atenuar a expectativa da morte, de mascarar a comoção evidente que a recordação do passado provoca e, sobretudo, de exorcizar o poder, seus mecanismos e seu discurso institucional, para resgatar, da tragédia, o Homem integral.



Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARTHES, Roland. Aula. São Paulo: Cultrix, 1978.

BARTHES, Roland. Fragmentos de um discurso amoroso. Lisboa: Edições 70, [s.d.].

BERGSON, Henri. O riso. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

FERREIRA, Vergílio. Nítido nulo. Lisboa: Portugália, 1971.

FERREIRA, Vergílio. Pensar. Venda Nova: Bertrand, 1992.

FOUCAULT, Michel. Os corpos dóceis. In: FOCAULT, Michel. Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes, 1977. p. 125-152.

GODINHO, Helder. Estudos sobre Vergílio Ferreira. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1982.

LEPECKI, Maria Lúcia. Vergílio Ferreira: Nítido nulo. In: LEPECKI, Maria Lúcia.. Meridianos do texto. Lisboa: Assírio e Alvim, 1979. p. 121-134. MUECKE, D. C. A ironia e o irônico. São Paulo: Perspectiva, 1995.

PEREIRA, Luci Ruas. A dialética da ultrapassagem. Rio de Janeiro: UFRJ, 1985. (Dissertação, Mestrado).

PEREIRA, Luci Ruas. Vergílio Ferreira: itinerário de uma paixão. Rio de Janeiro: UFRJ, 1994. 2v. (Tese, Doutorado).

SARTRE, Jean-Paul. O existencialismo é um humanismo. Lisboa: Presença, 1978.

Publicado
20-03-2003
Como Citar
Ruas, L. (2003). Ironia, riso e morte em nítido nulo, de Vergílio Ferreira. Scripta, 6(12), 209-234. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/12483
Seção
Dossiê: Literatura brasileira