A obsessão das sombras ou culto do fragmento e pulverização da identidade no teatro de Raul Brandão

  • Renata Soares Junqueira
Palavras-chave: Raul Brandão, Teatro português, Teatro moderno, Personagem dramática, Personagem-fragmento.

Resumo

Este artigo pretende rastrear determinados procedimentos modernos que marcam a construção das personagens na obra dramática do escritor português Raul Brandão (1867-1930). Trata-se de apontar de que maneira o culto do fragmento se projeta na pulverização das personagens, que amiúde parecem refletir-se umas às outras, como se de uma mesma personagem sempre se tratasse (o que o teatro brandoniano quer encenar é, afinal, o drama do indivíduo em luta com a sua própria sombra).

 

Biografia do Autor

Renata Soares Junqueira

A obsessão das sombras ou culto do
fragmento e pulverização da identidade
no teatro de Raul Brandão*

Referências

BORJA, Luís de. Os nefelibatas. In: GUIMARÃES, Fernando (Org.). Ficção e narrativa no Simbolismo. Lisboa: Guimarães Editores, 1988. p. 25-43.

BRANDÃO, Raul. Dor suprema. Correio da Manhã, Lisboa, 31 de dezembro de 1895.

BRANDÃO, Raul. Teatro. Lisboa: Editorial Comunicação, 1986. (Obras Completas de Raul Brandão, 3).

COELHO, Jacinto do Prado. Raul Brandão: a consciência burguesa de culpa. In: Ao contrário de Penélope. Venda Nova: Bertrand, 1976. p. 227-233. (Tempo Aberto).

CORREIA, Maria Clara Abelho Amarante Nunes. A negação como elemento de teatralidade na obra de Raul Brandão. Lisboa, 1988. Dissertação (Mestrado em Letras) – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa.

DAICHES, David. A crítica e a sociologia. In: Posições da crítica em face da literatura. Trad. T. Newlands Neto. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1967. p. 349-364.

DICIONÁRIO Lello Popular. Porto: Lello Editores, 1996.

FERREIRA, David Mourão. Nota sobre o teatro de Raul Brandão. In: Tópicos de crítica e de história literária. Lisboa: União Gráfica, 1969. p. 109-116.

FREUD, Sigmund. Textos essenciais da psicanálise: a estrutura da personalidade psíquica e a psicopatologia. 2. ed. Mem Martins: Publicações Europa-América, 2001. v. 3. (Biblioteca Universitária, 53).

GASPAR, Luís Manuel; JORGE, Maria. Raul Brandão: cronologia. Ler. Lisboa, n. 52, p. 52-54, 2001.

HAUSER, Arnold. Naturalismo e Impressionismo. In: História social da arte e da literatura. Trad. A. Cabral. São Paulo: Martins Fontes, 1994. p. 727-955 (Paidéia).

MIRANDA, Orsini de. Teatro: o novo livro de Raul Brandão. De teatro: revista de teatro e música. Lisboa, n. 13, p. xvi, set. 1923.

PEREIRA, José Carlos Seabra. Raul Brandão e o legado do Expressionismo. In: História crítica da literatura portuguesa: do fim-de-século ao Modernismo. Lisboa: Editorial Verbo, 1995. v. 7. p. 267-311.

REBELLO, Luiz Francisco. Prefácio. In: FONSECA, Antônio José Branquinho da. Teatro. 2. ed. Lisboa: Portugália, s./d. p. 7-37.

REBELLO, Luiz Francisco. Nota introdutória. In: SÁ-CARNEIRO, Mário de; PONCE DE LEÃO, Antônio. Alma: original em 1 ato. Lisboa: Rolim, 1987. p. 7-24.

REBELLO, Luiz Francisco. Um teatro de dor e de sonho. In: Fragmentos de uma dramaturgia. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1994. p. 67-104. (Temas Portugueses).

ROBICHEZ, Jacques. Le Symbolisme au théâtre; Lugné-Poe et les débuts de l’OEuvre. Paris: L’Arche, 1957.

ROCHA, Clara. Máscaras de Narciso; estudos sobre a literatura autobiográfica em Portugal. Coimbra: Almedina, 1992.

RODRIGUES, Urbano Tavares. O Gebo e a Sombra: o mal e a dor no mundo dos humilhados. In: Noites de teatro. Lisboa: Ática, 1961. v. 2. p. 113-120. (Ensaio).

STRINDBERG, August. Prefácio a Menina Júlia. In: BORIE, Monique; ROUGEMONT, Martine de; SCHERER, Jacques (Org.). Estética teatral: textos de Platão a Brecht. Trad. Helena Barbas. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1996. p. 355-357.

SZONDI, Peter. Théorie du drame moderne (1880-1950). Trad. Patrice Pavis, Jean Bollack, Mayotte Bollack. Lausanne: L’Age d’Homme, 1983. 145p. (Théâtre Recherche). Tradução de: Theorie des modernen dramas (1880-1950).

VIÇOSO, Vítor. A máscara e o sonho: vozes, imagens e símbolos na ficção de Raul Brandão. Lisboa: Cosmos, 1999. (Cosmos Literatura, 42).

Publicado
15-10-2003
Como Citar
Junqueira, R. S. (2003). A obsessão das sombras ou culto do fragmento e pulverização da identidade no teatro de Raul Brandão. Scripta, 13(13), 137-161. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/12508
Seção
Dossiê: Literatura e outros discursos