Literatura: este lugar intralingüístico

  • Sônia Queiroz
Palavras-chave: Arte verbal, Lingüística, Poética, Função poética, Metalinguagem.

Resumo

Os estudos lingüísticos e literários vêm se desenvolvendo na contemporaneidade por grupos e pensamentos desagregados, o que está claramente representado na organização do conhecimento por áreas e subáreas em vigor no CNPq, assim como na contratação de
professores do ensino superior. Essa desagregação no âmbito da pesquisa e do ensino não corresponde de modo algum aos usos da linguagem humana, em que se mesclam funções pragmáticas, lúdicas e estéticas. No que tange especialmente à função poética da linguagem, observa-se, de modo significativo na produção literária do século XX, que a língua é não só matéria-prima como também tema sobre o qual se debruçam os escritores, numa relação complexa de amor e rebeldia. Assim percebida, a arte verbal é antes de tudo trabalho lingüístico, e o grau de consciência do embate com o sistema parece se configurar como medida do grau de poeticidade do texto.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARTHES, Roland. Aula. São Paulo: Cultrix, 1978.

BARROS, Manoel de. Gramática expositiva do chão. 3. ed. Rio de Janeiro: Record, 1999.

BARROS, Manoel de. Retrato do artista quando coisa. Rio de Janeiro: Record, 1998.

JAKOBSON, Roman. Questions de poétique. Paris: Seuil, [198-?].

JAKOBSON, R.; POMORSKA, K. Diálogos. São Paulo: Cultrix, 1985.

JAKOBSON, Roman. Language in Literature. London: Harvard University Press, 1987.

JAKOBSON, Roman. Lingüística e Poética. In: JAKOBSON, Roman. Lingüística e Comunicação. São Paulo: Cultrix, 1969. p.118-162.

ZUMTHOR, Paul. Introdução à poesia oral. Trad. Jerusa Pires Ferreira, Maria Inês de Almeida e Maria Lucia Diniz Pochat. São Paulo: Hucitec, 1998.

Publicado
18-03-2004
Como Citar
Queiroz, S. (2004). Literatura: este lugar intralingüístico. Scripta, 7(14), 233-239. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/12559