Adília Lopes – ironista

  • Rosa Maria Martelo
Palavras-chave: Poesia e ironia, A figura da ironista (Rorty), Poesia e redescrição, Redescrição vs. senso comum, Crueldade e humilhação.

Resumo

O nome Adília Lopes tanto designa uma leitora profundamente interessada pela tradição poética erudita como uma assumida “poetisa pop”. E enquanto a primeira gosta de recordar referências fundamentais da Modernidade, de Rimbaud a Apollinaire, de Cesário a Pessoa, derivando para Sophia, Herberto Helder ou Sylvia Plath, ou facilmente recua no tempo literário ocidental até Diderot, S. João da Cruz e Virgílio, a segunda parece valorizar mais todo um outro universo de escrita, no qual avultam os contos infantis, as leituras da adolescência, o folhetinesco e o fait-divers das revistas femininas. Sem nunca pôr de parte as referências literárias de Adília-leitoraerudita, é sobretudo este o mundo que a “poetisa pop” gosta de reescrever, mostrando até que ponto ele é atravessado por uma insidiosa crueldade e tornando indistintas as fronteiras que o separavam (separam?) da Literatura. Entre cultura erudita e cultura de massas, entre referências eruditas e uma linguagem muito próxima dos registros orais pouco vigiados, usando um verso que, por vezes, parece premeditadamente distraído num ritmo muito fácil, Adília Lopes faz apelo à memória de um mundo adolescente onde o bem e o mal, o alto e o baixo, o bom e o mau gosto pareciam irredutivelmente distintos, para tudo indiferenciar, agora, com dessacralizadora ironia.

 

Referências

LOPES, Adília. Obra. Lisboa: Mariposa Azual, 2000 (inclui todos os títulos anteriormente publicados e ainda o inédito O regresso do Marquês de Chamilly).

LOPES, Adília. A mulher-a-dias. Lisboa: & Etc., 2002.

LOPES, Adília. César a César. Lisboa: & Etc., 2003.

LOPES, Adília. Como se faz um poema?. Lisboa, Relâmpago, n. 14, Abril de 2004, p. 29-30.

RORTY, Richard. Contingência, ironia e solidariedade. Trad. de Nuno Ferreira da Fonseca. Lisboa: Editorial Presença, 1994.

Publicado
21-10-2004
Como Citar
Martelo, R. M. (2004). Adília Lopes – ironista. Scripta, 8(15), 106-116. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/12572