“O inventor e a aeronave”: a alegoria da criação literária em Vida e morte de M. J. Gonzaga de Sá, de Lima Barreto

  • José Osmar de Melo
Palavras-chave: Lima Barreto, Vida e morte de M. J. Gonzaga de Sá, Ironia romântica, Ironia humoresque, Poética do artifício.

Resumo

Este ensaio tem como objetivo demonstrar a consciência com que Lima Barreto, no capítulo “O inventor e a aeronave”, do romance Vida e morte de M. J. Gonzaga de Sá, lida com a linguagem e usa o humor e a ironia como elementos fundamentais para desmistificar sua narrativa como representação da realidade, apresentando-a como resultado estético de uma poética do artifício, que valoriza, sobretudo, o processo artístico e metalingüístico de construção do texto literário. Através dessa estratégia de criação literária, o autor procura demonstrar, mediante o recurso da ironia romântica, os artifícios dos procedimentos da construção textual, ao abrir as portas de sua oficina de produção de ilusões, para revelar ao leitor que sua arte constitui-se como um consciente e autoconsciente exercício de linguagem, fundamentado no lúdico (des)velamento das artimanhas da criação ficcional que no romance em questão se confirma como jogo textual conscientemente elaborado como arte.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMANSI, Guido. L’affaire mystérieuse de l’abominable tongue-in-cheek. Poétique, Paris, n. 36, p. 413-426, nov. 1978.

BARRETO, Afonso Henriques de Lima. Vida e morte de M. J. Gonzaga de Sá. Rio de Janeiro: Garnier, 1990.

BOURGEOIS, André. Préface. In: L’ironie romantique. Grenoble: Presses Universitaires de Grenoble, 1974. p. 413-426.

BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoievski. Trad. Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1981.

BORNHEIM, Gerard. Aspectos filosóficos do romantismo. Porto Alegre: INL, 1959.

DERRIDA, Jacques. A escritura e a diferença. São Paulo: Perspectiva, 1967.

DUARTE, Lélia Parreira. Ironia, humor e fingimento. Cadernos de pesquisa do NAPq. Belo Horizonte: FALE/UFMG, n. 15, p. 54-78, 1994.

DURANT, Will. Immanuel Kant e o idealismo alemão. In: História da filosofia. Trad. Luiz Carlos do Nascimento Silva. Rio de Janeiro: Nova Cultural, 1996. p. 245-277.

FARRA, Maria Lúcia Dal. O narrador ensimesmado. São Paulo: Ática, 1978.

FEHÉR, Ference. O romance está morrendo? Contribuição à teoria do romance. Trad. Eduardo Lima. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997. (Coleção Leitura)

FERRAZ, M. Lourdes. A ironia romântica – estudo de um processo comunicativo. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1987.

GUÉRARD, Cécile (Org.). L’ironie: le sourire de l’ esprit. Autrement, “Collection Morales”, n. 25, septembre 1998.

HEGEL, Georg Wilhem Friedrich. Estética, Fenomenologia do espírito. In: Hegel – vida e obra. Trad. Orlando Vitorino e Henrique Cláudio de Lima Vaz. São Paulo: Nova Cultural, 1998. p. 25-113, p. 291-459.

HEGEL, Georg Wilhem Fridrich. O belo na arte. Trad. Orlando Vitorino. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

JANKELEVITCH, Vladimir. L’ironie. Paris: Flammarion, 1964.

LACOUE-LABARTHE, Philippe; NANCY, Jean-Luc. L’ absolu littéraire – théorie de la littérature du romantisme allemand. Paris: Éditions du Seuil, 1978.

KIERKEGAARD, Sören. O conceito de ironia constantemente referido a Sócrates. Trad. Álvaro Valls. Petrópolis: Vozes, 1995.

ROSSET, Jean. Narcisse romancier – essai sur la première personne dans le roman. 3. ed. Paris: José Corti, 1972.

ROSENFELD, A. Aspectos do Romantismo alemão. In: Texto/Contexto, São Paulo: Perspectiva, 1969. p. 161-162.

SANTOS, Luís Alberto Brandão; OLIVEIRA, Silvana Pessoa de. Sujeito, tempo e espaços ficcionais – introdução à teoria da literatura. São Paulo: Martins Fontes, 2001. (Texto e linguagem)

SCHLEGEL, Friedrich. Conversa sobre a poesia e outros fragmentos. Trad. Victor-Pierre Stirnimann, São Paulo: Iluminuras, 1994.

SCHLEGEL, Friedrich. O dialeto dos fragmentos. Trad. Márcio Suzuki. São Paulo: Iluminuras, 1997.

SCHLEGEL, Friedrich. Fragments critiques. In: L’absolu littéraire. Paris: Éditions du Seuil, 1978. p. 81-97.

SCHLEGEL, Friedrich. Fragments de l’Athenaeum. In: L’absolu littéraire. Paris: Éditions du Seuil, 1978. p. 98-177.

SCHOENTJES, Pierre. Poétique de l’ ironie. Paris: Éditions du Seuil, 2001.

SZONDI, Peter. On textual understanding and other essays. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1986.

SCHUWER, C. La part de Fichte dans l’ esthétique romantique. In: Cahiers du Sud, v. 24, n. 194, p. 122-132, Marselha, maio/jun. 1937.

TADIÉ, Jean-Yves. O romance no século XX. Trad. Miguel Serras Pereira. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1992.

VEGA, C. F. de la. El secreto del humor. Buenos Aires: Editorial Nova, 1967.

Publicado
21-10-2004
Como Citar
Melo, J. O. de. (2004). “O inventor e a aeronave”: a alegoria da criação literária em Vida e morte de M. J. Gonzaga de Sá, de Lima Barreto. Scripta, 8(15), 172-190. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/12577