Henriqueta Lisboa: tradução e mediação cultural

  • Reinaldo Marques
Palavras-chave: Henriqueta Lisboa, Gabriela Mistral, Tradução, Trocas interculturais.

Resumo

No presente texto, procura-se pensar a atuação de Henriqueta Lisboa como tradutora, a sua relação de amizade com Gabriela Mistral, com vistas a ressaltar o seu papel de mediadora cultural. Por meio da atividade tradutória, em meados do século passado, Henriqueta Lisboa já contribuía para a aproximação das literaturas do Cone Sul e as trocas interculturais.



Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BENJAMIN, Walter. A tarefa do tradutor. Trad. Karlheinz Barck et al. Rio de Janeiro: Gráfica da Uerj, 1992.

LISBOA, Henriqueta. Cantos de Dante: traduções do “Purgatório”. São Paulo: Instituto Cultural Ítalo-Brasileiro de São Paulo, 1969. Caderno n. 7, p. 7-20.

LISBOA, Henriqueta. Convívio poético. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1955.

LISBOA, Henriqueta. Vigília poética. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1968.

MARQUES, Reinaldo Martiniano. Henriqueta Lisboa e o ofício da tradução. In: Henriqueta Lisboa: poesia traduzida. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2001, p. 7-20.

MISTRAL, Gabriela. Poemas escolhidos de Gabriela Mistral. Trad. Henriqueta Lisboa. Rio de Janeiro: Delta, 1969.

VELHO, Gilberto; KUSCHNIR, Karina (Org.). Mediação, cultura e política. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2001.

Publicado
21-10-2004
Como Citar
Marques, R. (2004). Henriqueta Lisboa: tradução e mediação cultural. Scripta, 8(15), 202-212. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/12580