Ilimitáveis da memória/ exercícios de metamemória (Cecília Meireles, Marly de Oliveira; Helena Parente Cunha; Astrid Cabral)

  • Angélica Soares Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Poesia, Memória, Metamemória, Sujeito Plural, Tempo Tridimensional

Resumo

Proponho uma compreensão poética do memoríalismo lírico a partir da dicção de Cecília Meireles, Marly de Oliveira, Helena Parente Cunha e Astrid Cabral. Os poemas selecionados, ao se constituírem como metamemória, apontam para a natureza ilimitável da própria memória que, sendo assim, torna improcedente: fragmentar o tem­po em momentos estanques (exclusivamente presente, passado e fu­turo); demarcar fronteiras entre percepção e imaginação, realidade e ficção; separar lembrança e esquecimento; limitar o sujeito da recor­dação a uma concepção fechada e individualizadora. Ao desvelar-se, velando-se, a memória nos revela, em sua natureza inventiva a tem­poralidade humana tridimensional; o mais além do acontecido e do ficcionalizado; o drummondiano "esquecer para lembrar", na expe­riência de alétheia (des-esquecimento e verdade) e o constituir-se e reconstituir-se incessante do sujeito no jogo intersubjetivo das iden­tidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
18-12-2006
Como Citar
Soares, A. (2006). Ilimitáveis da memória/ exercícios de metamemória (Cecília Meireles, Marly de Oliveira; Helena Parente Cunha; Astrid Cabral). Scripta, 10(19), 95-107. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/13940
Seção
Artigos