Complexo de Lopo

  • Maria Lúcia Dal Farra Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Poema narrativo, Modernidade, Romantismo, Avant-la-lettre, Poema maldito

Resumo

O texto em pauta busca sublinhar os traços de modernidade presen­tes numa extensa obra poética que Alvares de Azevedo produziu em 1848: o teor metalingüístico, a emissão em cascata, o selo da obra inconclusa, o enigma da autoria, a proliferação de identidades e, en­fim, a autonomia da obra artística. A ruptura de gêneros, a fragmen­tação narrativa, a imagética movente e sensorial, as modulações rít­micas e psíquicas, além de certos motivos de ordem semântica são, aqui, ditos "complexo de Lopo", numa vontade de nomear os efeitos que dimensionam, em Alvares de Azevedo, o poeta maldito para a posteridade.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
18-12-2006
Como Citar
Farra, M. L. D. (2006). Complexo de Lopo. Scripta, 10(19), 122-130. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/13942
Seção
Artigos