Deficiência Visual, Interação e Desenvolvimento da Linguagem

Palavras-chave: Linguagem, Interação, Conhecimento, Deficiência visual, Intersubjetividade.

Resumo

Este trabalho pretende refletir sobre a importância da interação de crianças cegas congênitas com os objetos de conhecimento, com o espaço e com o outro para a promoção da aprendizagem e para o desenvolvimento do pensamento e da linguagem do indivíduo com essa deficiência. Nesse estudo teórico, entende-se a relação intersubjetiva como constitutiva do eu, conforme postulados benvenistianos. Além disso, considerando a premissa de Leonhardt (1992) de que a visão é responsável por integrar e organizar a experiência proveniente dos outros sentidos, destaca-se que o cego, por não dispor da percepção visual, pode ter dificuldades de formar conceitos – segundo pressupostos de Vygotski. Diante disso, busca-se explicitar, com base em estudos de Autor, a complexidade inerente à configuração da relação enunciativa “eu-tu” no processo de formação de conceitos em crianças com cegueira congênita, destacando-se a necessidade da constante mediação do cuidador para a promoção do desenvolvimento da cognição e da linguagem. A partir deste estudo, foi possível perceber que há um processo sistêmico no desenvolvimento do cego congênito, ou seja, linguagem, pensamento, cognição e interação estão interligados e são indissociáveis.

Biografia do Autor

Fabiana Kaodoinski, Universidade de Caxias do Sul

Professora da Universidade de Caxias do Sul.

Doutoranda em Letras - Universidade de Caxias do Sul.

Mestra em Educação - Universidade de Caxias do Sul.

Especialista em Espaços e Possibilidades para a Educação Continuada - Instituto Federal RS

Especialista em Leitura e Produção Textual- Universidade de Caxias do Sul

Formada em Letras - Universidade de Caxias do Sul

 

Fernanda Ribeiro Toniazzo, Universidade de Caxias do Sul

Formada em Psicologia.

Especialista em Arteterapia.

Mestra em Educação na Universidade de Caxias do Sul.

Doutoranda em Educação na Universidade de Caxias do Sul.

Fundadora, psicóloga e coordenadora do INAV - Instituto da Audiovisão

Referências

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. 4.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

AMIRALIAN, Maria Lúcia T. M. Compreendendo o cego: uma visão psicanalítica da cegueira por meio de desenhos-estória. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1997.

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. Filosofia da Educação. 3. ed. São Paulo: Moderna, 2006.

AROLDO¸ Rodrigues. Psicologia Social. Rio de Janeiro: Vozes, 1991.

BECKER, Fernando. A epistemologia do professor: o cotidiano da escola. 15. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

BENVENISTE, Émile. Problemas de linguística geral II. Campinas, São Paulo: Pontes, 1984.

BENVENISTE, Émile. Problemas de linguística geral I. 5. ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2005.

BENVENISTE, Émile. Problemas de linguística geral II. 2. ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2006.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm> Acesso em: 29 de janeiro de 2017.

BRONCKART, Jean-Paul. Atividade de linguagem, discurso e desenvolvimento humano. Trad. Anna Raquel Machado e Maria de Lourdes Meirelles Matencio. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2006a.

BRONCKART, Jean Paul. Interacionismo Sócio-discursivo: uma entrevista com Jean Paul Bronckart. Trad. Cassiano Ricardo Haag e Gabriel de Ávila Othero. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 4, n. 6, março de 2006. Disponível em: . Acesso em: 13 nov. 2014b.

BRUNO, Marilda Moraes Garcia. O desenvolvimento integral do portador de deficiência visual: da intervenção precoce à integração escolar. São Paulo: Newswork, 1993.

CARVALHO, José Augusto. Por uma política do ensino da língua. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1988.

DENTZ, Volmir von; LAMAR, Adolfo Ramos. Giros epistemológicos na filosofia e a virada linguística na filosofia da educação. In: VII SEMINÁRIO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO DA REGIÃO SUL, 2008, Itajaí - SC. Banco de Papers. Itajaí - SC: UNIVALI, 2008. Disponível em: <http://www.portalanpedsul.com.br/admin/uploads/2008/Filosofia_e_educacao/Trabalho/12_31_54_Os_giros_epistemologicos_na_filosofia_e_a_virada_linguistica.pdf>. Acesso em: 24 jan 2017.

FRAIBERG, Selma. Niños ciegos: La deficiencia visual y el desarrollo inicial de la personalidad. Colección Rehabilitación. Ministerio de Asuntos Sociales. España: Madrid, 1981.

FRANCHI, Carlos. Mas o que é mesmo gramática? São Paulo: Parábola

Editorial, 2006.

KAODOINSKI, Fabiana. Concepções de gramática e de ciência no ensino de língua. 2015. 114 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de Caxias do Sul, Programa de Mestrado em Educação, 2015.

LEONHARDT, M. El bebé ciego. Primera atención – Un enfoque psicopedagógico. Barcelona: Masson, 1992.

MATUI, Jiron. Construtivismo: teoria construtivista sócio-histórica aplicada ao ensino. São Paulo: Moderna, 1995.

MORAES, Maria Cândida. O paradigma educacional emergente. Campinas,

SP: Papirus, 1997.

MOREIRA, Marco Antonio. Teorias da aprendizagem. São Paulo: EPU, 1999.

NIQUE, Christian. Iniciação metódica à gramática gerativa. Tradução de

Edward Lopes. São Paulo: Editora Cultrix Ltda, 1974.

PAVIANI, Neires Maria Soldatelli. Estudos da linguagem na educação. Caxias do Sul, RS: EDUCS, 2012.

PAVIANI, Jayme. Filosofia, ética e educação: de Platão a Merleau-Ponty. Caxias do Sul, RS: EDUCS, 2010.

PLATÃO. A República. Tradução de Carlos Alberto Nunes. 3. ed. Belém:

EDUFPA, 2000.

POZO, Juan Ignácio. Aprendizes e mestres: a nova cultura da aprendizagem. Tradução de Ernani Rosa. Porto Alegre: Artes Médicas, 2002.

REVUELTA, Rosa Maria. Palmo a Palmo. Madrid: ONCE. Organización

Nacional de Ciegos Españoles. 1993.

RODRIGUES, Maria Rita Campello Rodrigues. Criança com Deficiência Visual e sua Família. In: SAMPAIO, M.W. et al. (Org.). Baixa visão e cegueira: os

caminhos para a reabilitação, a educação e a inclusão. Rio de Janeiro: Cultura Médica, Guanabara Koogan, 2010.

TONIAZZO, Fernanda Ribeiro. Educação e linguagem: a configuração da relação enunciativa eu-tu no processo de formação de conceitos em crianças com cegueira congênita. 2015. 65 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de Caxias do Sul, Programa de Mestrado em Educação, 2015.

VYGOTSKY, Lev Semenovitch. A Formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

VYGOTSKY, Lev Semenovitch. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

VYGOTSKY, Lev Semenovitch. A formação social da mente. Trad. José Cipolla Neto, Luis Silveira Menna Barreto e Solange Castro Afeche. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

VYGOTSKY, Lev Semenovitch. Pensamento e linguagem. Trad. Jefferson Luiz Camargo. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

VYGOTSKY, Lev Semenovitch. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

Publicado
30-06-2017
Como Citar
Kaodoinski, F., & Toniazzo, F. R. (2017). Deficiência Visual, Interação e Desenvolvimento da Linguagem. Scripta, 21(41), 185-203. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2017v21n41p185
Seção
Dossiê: Sistemas Perceptivos e Linguagens