A aspectualidade estativa de “ficar”: uma análise dos casos com gerúndio e particípio

  • Roberlei Alves Bertucci UTFPR
Palavras-chave: Aspecto verbal, perífrase verbal, aspectualizador, verbo 'ficar'

Resumo

Este trabalho tem como objetivo discutir a contribuição semântica de ficar+gerúndio/particípio em português brasileiro. Propomos que esse verbo seja um aspectualizador, contribuindo com a formação de um predicado com características estativas. Defendemos que a noção de permanência atribuída a ele é válida para as construções em análise e, assim, possíveis diferenças entre a complementação com gerúndio ou particípio sejam composicionais, isto é, são dadas pelas propriedades dessas formas nominais do verbo. Com isso, rejeitamos análises anteriores que atribuíam ao verbo uma semântica de permanência ou iteração na construção com gerúndio e uma de mudança de estado naquela com particípio. Baseados na noção de aspecto verbal, checamos a robustez de nossa proposta por meio de uma série hipóteses: os resultados levam à conclusão que, de fato, ficar+gerúndio/particípio forme um predicado de estado, em que ficar tem apenas um significado na perífrase.

Referências

BASSO, Renato. Coerção e detelicização: a psicolingüística e os fenômenos tempo-aspectuais. ReVEL, 11, p. 1-27, 2008. Disponível em: < http://www.revel.inf.br/files/artigos/revel_11_coercao_e_detelicizacao.pdf> Acesso em 30. Mar. 2020.
BASSO, Renato; PIRES DE OLIVEIRA, Roberta. ‘Em x tempo’ e ‘por x tempo’ no domínio tempo-aspectual. Revista Letras, 81, p. 77-87, 2010. Disponível em: < https://revistas.ufpr.br/letras/article/view/17326> Acesso em: 30. Mar. 2020.
BERTUCCI, Roberlei. Construções resultativas infinitivas em português brasileiro, Alfa, 58, p. 523-644, 2014. Disponível em: Acesso em: 30. Mar. 2020.
BERTUCCI, Roberlei Alves. Uma análise semântica para verbos aspectuais em português brasileiro. São Paulo: Editora da FFLCH/USP, 2015a. Disponível em: < http://spap.fflch.usp.br/node/66> Acesso em: 30. Mar. 2020.
BERTUCCI, Roberlei Alves. O sentido produzido pelo verbo auxiliar/cópula andar em português brasileiro. Revista do Gel, 12, p. 139-167, 2015b. Disponível em: < https://revistas.gel.org.br/rg/article/view/408 > Acesso em: 30 mar. 2020.
BERTUCCI, Roberlei Alves. Questões semânticas sobre tempo e aspecto em português brasileiro, Cadernos do IL, 52, p. 65-89, 2016. Disponível em: < https://doi.org/10.22456/2236-6385.67140> Acesso em: 30. Mar. 2020.
CANÇADO, Márcia; GODOY, Luisa; AMARAL, Luana. Predicados primitivos, papéis temáticos e aspecto lexical. ReVEL, 20, p. 104-125, 2013. Disponível em: < http://www.revel.inf.br/files/225408ba46331467aee40d50386b8a90.pdf> Acesso em: 30. Mar. 2020.
CASTILHO, Ataliba T. de. Introdução ao aspecto verbal na língua portuguesa, Alfa, 12, p. 1-126, 1967. Disponível em: < https://periodicos.fclar.unesp.br/alfa/article/view/3311> Acesso em: 30. Mar. 2020.
COMRIE, Bernard. Aspect: an introduction to the study of verbal aspect and related problems. Cambridge: Cambridge University Press, 1976.
CORREIA, Clara Nunes. Sobre os valores de ficar em português europeu, Estudos linguísticos, 5, p. 153-161, 2010.
CUNHA, Luis Felipe. As construções com progressivo no Português: uma abordagem semântica. Dissertação de Mestrado, Universidade do Porto. Porto, Portugal, 1998. Disponível em: Acesso em: 22. Nov. 2019.
DRZAZGOWSKA, Joanna. Ficar – um auxiliar aspectual, Romanica Olomucensia, XV, p. 43-48, 2005. Disponível em: < http://oldwww.upol.cz/fileadmin/user_upload/Veda/AUPO/AUPO_Philologica_87_Romanica_XV.indd.pdf#page=43> Acesso em: 30. Mar. 2020.
ILARI, Rodolfo. A expressão do tempo em português. 2ª ed., São Paulo: Contexto, 2001.
KLEIN, Wolfgang. Time in language. London: Routledge, 1994.
LACA, Brenda. Spanish ‘aspectual’ periphrases: ordering constraints and the distinction between situation and viewpoint aspect. In: GUTIÉRREZ-REXACH, Javier (ed.). From words to discourse: trends in Spanish semantics and pragmatics. Oxford: Elsevier, p. 61-93, 2002.
LACA, Brenda. Romance ‘aspectual’ periphrases: eventuality modification versus ‘syntactic’ aspect. In: LECARME, Jacqueline; GUÉRON, Jacqueline (eds.). The Syntax of Time. Cambridge: The MIT Press, p. 425-440, 2004.
LACA, Brenda. Périphrases aspectuelles et temps grammatical dans les langues romanes. SHYLDKROT, Hava Bat-Zeev; LE QUERLER, Nicole (eds.). Les périphrases verbales. Amsterdam : John Benjamins Publishing Company, p. 47-66, 2005.
LEHMANN, Christian. A auxiliarização de ficar: linhas gerais. In: LIMA, José Pinto de; SIEBERG, Bernd (eds.). Questions on language change. Lisboa: Colibri, p. 9-26, 2008. Disponível em: > Acesso em: 30. Mar. 2020.
LUNGUINHO, Marcus; BERTUCCI, Roberlei Alves. When the Progressive and the Aspectual Classes Meet: The Case of Brazilian Portuguese. In: MOLSING , Karina Veronica; IBAÑOS, Ana Maria Tramunt. Time and TAME in Language. Cambridge: Cambridge Scholars Publishing, p. 124-157, p. 2013.
OLIVEIRA, Fátima; CUNHA, Luis Felipe; MATOS, Sérgio; GONÇALVES, Anabela. Verbos de operação aspectual em PE e em PB: semântica e sintaxe, Boletim da Abralin, 26, p. 380-385, 2001.
REBELO, Ida, OSÓRIO, Paulo. Usos do verbo ficar no português do Brasil: classificação e análise, Gragoatá, 21, p. 243-267, 2006. Disponível em: < https://periodicos.uff.br/gragoata/article/download/33225/19212> Acesso em: 30. Mar. 2020.
REICHENBACH, Hans. Elements of symbolic logic. New York: The MacMillan Company, 1947.
RIBEIRO, Roza Maria Palomanes. A expansão de sentidos do verbo ficar e os mecanismos responsáveis pela organização cognitiva de suas significações. Revista Eletrônica do Instituto de Humanidades, 7, p. 1-8, 2004. Disponível em: Acesso em: 30. Mar. 2020.
ROTHSTEIN, Susan. Structuring Events. Oxford: Blackwell, 2004.
SANTOS, Lineker Trajano dos. A construção modalizadora [(Suj)+ ficar de + infinitivo] sob o viés funcionalista. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, 2017. Disponível em: < https://repositorio.ufrn.br/jspui/bitstream/123456789/23533/1/LinekerTrajanoDosSantos_DISSERT.pdf> Acesso em: 14 out. 2019.
STEIN, Letícia Luise Krieger. O uso do verbo ficar em língua portuguesa: uma pesquisa baseada em corpus. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2004. Disponível em: Acesso em: 08 ago. 2019.
TRAVAGLIA, Luiz Carlos. O aspecto verbal no português: a categoria e sua expressão. 4. ed., Uberlândia: EDUFU, 2006.
VENDLER, Zeno. Verbs and times. Philosophical Review, 56, p. 143-160, 1957. Disponível em: Acesso em: 30. Mar. 2020.
VENDLER, Zeno. Linguistics in Philosophy. Ithaca: Cornell University Press, 1967.
VIEIRA, Márcia Evelin Guerrero. Tempo verbal e acionalidade do verbo principal: Estudo descritivo das perífrases aspectuais com os verbos ficar e continuar com base em dados de escrita informal. Dissertação de mestrado, Universidade Católica de Pelotas. Pelotas, 2017. Disponível em: Acesso em: 19 nov. 2019.
VIVIANI, Zelia Anita. Polissemia do verbo ficar: introdução à gramática de casos. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 1987. Disponível em: Acesso em: 15 ago. 2019.
WACHOWICZ, Teresa Cristina. Auxiliary and Aspectualizer verbs: some syntactic and semantic distinctions. Revista Letras, 73, p. 223-234, 2007. Disponível em: < https://revistas.ufpr.br/letras/article/view/7555 > Acesso em: 2020.
Publicado
23-09-2020
Como Citar
Bertucci, R. A. (2020). A aspectualidade estativa de “ficar”: uma análise dos casos com gerúndio e particípio. Scripta, 24(51), 173-209. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2020v24n51p173-209