A volição na leitura aspectual de sentenças com a perífrase “estar+gerúndio” no português brasileiro

  • Thais Araujo Instituto Federal de São Paulo/Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Mercedes Sebold Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Aspecto. Perífrase “estar gerúndio”. Volição. Português brasileiro

Resumo

O presente estudo tem por objetivo investigar se as leituras aspectuais da perífrase “estar+gerúndio” geram leituras volitivas em contexto de sujeitos [±animados] no português brasileiro. Arche (2014) questiona o fato de que, na literatura, diversos autores atribuem a essa perífrase uma leitura de volição, sem explicar como essa leitura é gerada. Com isso, testamos se o traço [animacidade] do argumento externo é capaz de confirmar essa leitura de volição da perífrase investigada. A hipótese assumida é a de que não há uma leitura específica de volição para essa perífrase, mas que as leituras aspectuais são geradas na estrutura sintagmática devido à contribuição aspectual de diferentes elementos sentenciais. Para testar essa hipótese, aplicamos um teste de julgamento de gramaticalidade a dez falantes de português brasileiro. Os resultados mostram que, mesmo em contextos com sujeitos [-animados], os falantes associaram majoritariamente as sentenças a interpretações que indicam habilidade e, consequentemente, volição.

Referências

ARCHE, M. J. The construction of viewpoint aspect: The imperfective revisited. Natural Language & Linguistic Theory, 2014.

BERTINETTO, P. M. Tempo, Aspetto e Azione nel Verbo Italiano. Firenze: Accademia della Crusca, 1986.

BERTINETTO, P. M. The progressive in Romance, as compared with English. Dahl, Östen (ed.) Tense and aspect in the languages of Europe. Berlin: Mouton de Gruyter, 559-604, 2000.

COMRIE, B. Aspect. New York: Cambridge University Press, 1976.

DE MIGUEL, E. El Aspecto Léxico. In: BOSQUE, I.; DEMONTE, V. (Eds.). Gramática descriptiva de la lengua española. Madrid: Espasa Calpe, p. 2977-3060, 1999.

IATRIDOU, S.; ANAGNOSTOPOULOU, E.; IZVORSKI, R. Observations about the form
and meaning of the perfect. In: ALEXIADOU, A.; RATHERT, M.; VON STECHOW, A.
(Eds.). Perfect Explorations. Berlin: Mouton de Gruyter, p. 153-205, 2003.

LAGE, A. O traço de animacidade. Confluência (Rio de Janeiro), v. 37, p. 215-226, 2010.

MENDES, R. B. Ter + particípio ou estar + gerúndio? Aspecto verbal e variação em PB. In: Estudos Linguísticos, XXXIII, p. 1280-1285, 2004.

__________. Estar + Gerúndio e Ter + Particípio – Aspecto Verbal e Variação no Português. Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas, 2005.

NESPOLI, J. Representação mental do perfect e suas realizações nas línguas românicas: um estudo comparativo. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2018.

SMITH, C. The Parameter of Aspect. Dordrecht: Kluwer, 1991.

VENDLER, Z. Verbs and times. In: ______. (Ed.). Linguistics in Philosophy. Ithaca: Cornell University Press, p. 97-121, 1967.

VERKUYL, H. Aspectual Issues – studies on time and quantity. Stanford: CSLI Publications, 1999.

__________. Aspectual Composition: Surveying the Ingredients. In: Proceedings of the Utrecht Perspectives on Aspect Conference, p. 201-219, 2002.

WACHOWICZ, T. C. As leituras aspectuais da forma do progressivo do português brasileiro. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, 2003.
Publicado
23-09-2020
Como Citar
Araujo, T., & Sebold, M. (2020). A volição na leitura aspectual de sentenças com a perífrase “estar+gerúndio” no português brasileiro. Scripta, 24(51), 238-264. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2020v24n51p238-264