Considerações sobre o modal teleológico

  • Nathalia Gravonski Codinhoto Universidade Federal de Santa Catarina
  • nubiarech Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Modalidade teleológica. Anankastic conditional. Relação meio e meta. Orientação modal. Negação.

Resumo

Este artigo apresenta propriedades sintáticas e semânticas do auxiliar modal teleológico. Tendo por base autores como Sæbo (2001, 2017), von Fintel & Iatridou (2005) e Copley (2010), abordamos aspectos relativos à construção em que esse modal figura, mostrando suas diferenças em relação a outros modais de raiz - interpretados em posição baixa na estrutura. Mostramos como uma construção com o modal teleológico relaciona informações que correspondem a meio e meta. Abordamos também fatores como a orientação modal e a sua coocorrência com um item de negação. Quanto à orientação modal, relacionamos o participante para o qual o modal é orientado com a posição em que é interpretado na estrutura. Quanto à negação, mostramos que esta não opera apenas sobre o evento descrito na sentença modal, mas sim sobre a relação entre meio e meta, negando a biunivocidade dessa relação.

Referências

BASSO, R.; ILARI, R. Estativos e suas características. Revista brasileira de linguística aplicada, v. 4, n. 1, 2004, p. 15-26.
CINQUE, G. Adverbs and Functional Heads: a cross-linguistic perspective. New York: editora Oxford University Press, 1999.
COPLEY, Bridget. Towards a Teleological Model for Modals. In: CNRS, 8, 2010, Paris. Paris Working Sessions on Modality, Goals, and Events. Paris: Sfl, 2010. p.1-14.
von FINTEL, Kai & Sabine Iatridou. 2005. What to do if you want to go to Harlem: Anankastic conditionals and related matters. Manuscript, Massachusetts Institute of Technology. http://web.mit.edu/fintel/fintel-iatridou-2005- harlem.pdf.
FRANKIE, M. Teleological Tecessity and Only. 2006. Disponível em: . Acesso em: 5 de fevereiro de 2020.

HACQUARD, V. On the Event Relativity of Modal Auxiliaries. Natural Language Semantics, 18(1). 2010, p. 79-114.

HACQUARD, V. Aspects of modality. 2006. Tese de Doutorado. Massaschusetts institute of Technology, Cambridge, 2006.
KRATZER, A. The notional category of modality. In: EIKMEYER, H-J.; RIESER, H. (Orgs.) Word, worlds, and contexts: new approaches to word semantics. Berlin: W. de Gruyter, 1981. p. 38-74.
KRATZER, A. Modals and Conditionals. NewYork: Oxford University Press, 2012.
RECH, N. F.; VARASCHIN, G. Predicados estativos e os tipos de deôntico: ought-to-do e ought-to-be. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 60, n. 1, p. 159-177, 2018.
RECH, N. F.; VARASCHIN, G. Predicados inacusativos e a modalidade deôntica. Revista Letras, Curitiba, n. 96, p. 219-238, 2017.
SÆBØ, Kjell Johan: 2001. “Necessary Conditions in a Natural Language.” In Caroline F´ery & Wolfgang Sternefeld (Editors) Audiatur Vox Sapientiae: A Festchrift for Arnim von Stechow, pages 427–449. Akademie Verlag. Preprint http://vivaldi.sfs.nphil.uni-tuebingen.de/ ∼arnim10/Festschrift/Saeboe-8-komplett%20fertig.pdf.
SÆBØ, Kjell Johan. Chapter 61 Anankastic conditionals: If you want to go to Harlem, Kjell Johan Sæbø, University of Oslo k.j.sabo@ilos.uio.no. 2017. Disponível em: . Acesso em: 20 de fevereiro de 2020.
Publicado
23-09-2020
Como Citar
Codinhoto, N. G., & Rech, N. F. (2020). Considerações sobre o modal teleológico. Scripta, 24(51), 47-70. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2020v24n51p47-70