Traços categorizadores na derivação de pares nome-verbo em Libras

  • Hadassa Rodrigues Santos Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Palavras-chave: Morfologia, Traços, Categorização, Libras

Resumo

A morfologia tem por objeto de estudo a estrutura, formação e categorização de unidades lexicais e apresenta diferentes perspectivas de análise. Sob o aporte gerativista, o componente lexical dispõe de palavras previamente categorizadas e traços que são o input para a sintaxe (CHOMKSY, 1970). Em Halle e Marantz (1993), a morfologia não existe per se, mas está distribuída em diferentes lugares da arquitetura da gramática e deve espelhar as operações sintáticas. A partir desse viés, assumimos que a formação de sinais e estruturas complexas se dá em um único locus gerativo, o componente sintático.
Assim, coloca-se que em uma língua não oral, a Libras, raízes acategoriais são concatenadas a traços abstratos, por meio de regras de inserção de conteúdo fonológico, para se formarem os sinais. Neste artigo, evidenciamos pares nome-verbo que apresentam uma mesma forma superficial e são diferenciados
sintaticamente por um v ou por um n categorizador, com realização fonológica Ø ou com realização específica em alguns membros dos pares. Essa proposta corrobora o Princípio da Uniformidade (CHOMSKY, 2001), pois, na ausência de fortes evidências que apontem para o contrário, reforçamos que as línguas são uniformes e as variações são restritas a propriedades facilmente identificáveis dos enunciados.

Biografia do Autor

Hadassa Rodrigues Santos, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Programa de Pós Graduação em Letras da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa

Referências

ARMELIN, P. R. G. A Relação entre Gênero e Morfologia Avaliativa nos Nominais do Português Brasileiro: Uma Abordagem Sintática da Formação de Palavras. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, 2015.

BICKFORD, J. A; FRAYCHINEAUD, K. Mouth morphemes in ASL: a closer look. In: QUADROS, R. M. (Ed.). Sign Languages: spinning and unraveling the past, present and future. (Papers and three posters from the 9th. Theoretical Issues in Sign Language Research Conference. Florianópolis, Brasil, Dezembro, 2006. Petrópolis/RJ. Brazil: Editora Arara Azul, 2008.

CHOMSKY, N. Remarks on nominalization. In: JACOBS, R; ROSENBAUM, P. (org.). Readings in English transformational grammar, p. 184-221. Waltham, MA: Blaisdell, 1970.

CHOMSKY, N. The Minimalist Program. Cambridge, MA: MIT Press, 1995.

CHOMSKY, N. Some observations on economy in generative grammar. Is the best good enough, v. 1, n. 1, p. 115-127, 1998.

CHOMSKY, N. Derivation by phase. In: KENSTOWICZ, M. (org.). Ken Hale: a life in language. Cambridge, MA: MIT Press, 2001.

EMBICK, D. Localism versus globalism in Morphology and Phonology. Cambridge, MA: MIT Press, 2010.

DI SCIULLO, A. M.; WILLIAMS, E. On the definition of word. Cambridge, MA: MIT Press, 1987.

FELIPE, T. A. Os processos de formação de palavra na Libras. ETD - Educação Temática Digital. Campinas, v.7, n. 2, p. 200-217, jun. 2006.

FINAU, R. A.; MAZZUCHETTI, V. A incorporação de numeral em estruturas classificadoras de língua brasileira de sinais. ReVEL. v. 13, n. 24, mar. 2015. Disponível em: www.revel.inf.br. Acesso em 20 jan. 2019.

GONÇALVES, C. A. V. Uma abordagem autossegmental para a morfologia. Cadernos de Letras da UFF. Dossiê: Difusão da língua portuguesa, n. 39, p. 211-232, 2009.

HALLE, M; MARANTZ, A. Distributed Morphology and the pieces of inflection. In: HALE, Kenneth; KEYSER, S. Jay (Eds.). The view from building 20. Cambridge: MIT Press, 1993.

MARANTZ, A. No Escape from Syntax: Don’t try morphological analysis in the privacy of your own Lexicon. In: DIMITRIADIS, A; SIEGEL, L; SUREKCLARK, C.; WILLIAMS, A. (orgs). Proceedings of the 21st Penn Linguistics Colloquium, v. 4, n. 2, p. 201-225, 1997.

MEIR, I. Word classes and word formation. In: PFAU, R.; STEINBACH, M; WOLL, B. Sign Language: an international handbook. Berlim: De Gruyter Mounton, 2012, p.77-112.

MINUSSI, R. D; RODERO-TAKAHIRA, A. G. Observações sobre os compostos da LIBRAS: a interpretação das categorias gramaticais. Revista Linguística. v. 9, n. 1, jun 2013. Disponível em http://www.letras.ufrj.br/poslinguistica/revistalinguistica. Acesso em: 19 jan. 2020.

PIZZIO, A. L. A Tipologia linguística e a língua de sinais brasileira: elementos que distinguem nomes de verbos. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Santa Catarina, 2011.

QUADROS, R. M; KARNOPP, L. B. Língua de Sinais Brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

RODERO-TAKAHIRA, A. G. Compostos na Língua de Sinais Brasileira. Tese de Doutorado em Semiótica e Linguística Geral. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

SCHER, A. P. ReVEL na Escola: Morfologia distribuída. ReVEL, v. 13, n. 24, p. 1-7, 2015.

SIDDIQI, D. Syntax within the word: economy, allomorphy, and argument selection in Distributed Morphology. Amsterdam: John Benjamins, 2009.

STOKOE, W. Sign language structure: An outline of the visual communication systems of the american deaf. Journal of Deaf Studies and Deaf Education. v. 10, n. 1, p. 3-37, 2005. Disponível em: https://doi.org/10.1093/deafed/eni001 Acesso em Acesso em: 19 jan. 2020.
Publicado
23-09-2020
Como Citar
Santos, H. R. (2020). Traços categorizadores na derivação de pares nome-verbo em Libras. Scripta, 24(51), 488-513. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2020v24n51p488-513