Temporalidade e modalidade em construções hipotáticas adverbiais condicionais à luz da linguística funcional centrada no uso

  • Leyla Ely Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Cláudia Andrea Rost Snichelotto Universidade Federal da Fronteira Sul
Palavras-chave: Palavras-chave: Domínio funcional complexo. Construções condicionais. Teoria baseada no uso.

Resumo

Este artigo apresenta uma análise do comportamento das categorias funcionais de tempo-aspecto-modalidade em construções hipotáticas adverbiais condicionais do português brasileiro escrito. Os dados foram extraídos de uma amostra de 24 cartas pessoais produzidas (escritas ou trocadas) no período de 1970 a 1990 no município de Chapecó, Santa Catarina. Procedeu-se ao levantamento qualitativo das categorias funcionais de temporalidade (tempo e aspecto) e de modalidade intrínsecos às construções hipotáticas condicionais. Com base no aporte teórico da Linguística Funcional Centrada no Uso, buscamos compreender a relação entre a perspectiva/atitude do falante e a codificação/expressão do domínio funcional complexo (tempo-aspecto-modalidade) nas construções condicionais da amostra. Os resultados apontam a inerência da tríade funcional ao enunciado condicional, que, normalmente, está imbricada uma na outra, embora, por vezes, o falante dê ênfase a um fator específico. Vimos, portanto, que as categorias de temporalidade e modalidade se localizam em um continuum, sendo a gradualidade apresentada conforme o relevo do falante dado à proposição.

 

Biografia do Autor

Leyla Ely, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Mestra em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal da Fronteira Sul (2019); Bolsita PROEX/CAPES e doutoranda em Linguística pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Cláudia Andrea Rost Snichelotto, Universidade Federal da Fronteira Sul

Doutora em Lingüística pela Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil(2009); Professora Titular-Livre da Universidade Federal da Fronteira Sul, Brasil

Referências

BAGNO, Marcos. Gramática Pedagógica do português brasileiro. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

BECHARA, Evanildo. Moderna gramática portuguesa. / Evanildo Bechara. – 37. Ed. Conforme o novo Acordo Ortográfico. – Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

BITTENCOURT, D. L. R. A. O domínio funcional do futuro do subjuntivo: entre temporalidade e modalidade. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de pós-graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014. Disponível em: Acesso em: 08 out. 2019

BRAGA, Maria Luíza. Os enunciados de tempo no português falado no Brasil. In: NEVES, Maria Helena de Moura. (Org). Gramática do português falado. Novos estudos. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP; Campinas: Editora da UNICAMP, p. 443-459, 1999

_________; PAIVA, Maria da Conceição. Orações de tempo, causa e condição ao longo dos séculos XVIII a XXI. In: CASTILHO, Ataliba T. de.S (Coord.). História do Português Brasileiro. São Paulo: Contexto, 2019. (História do português brasileiro; 5). p. 170-221.

BRITO, Nara Jaqueline Avelar. A expressão do condicionado contrafactual em construções “se p, então q” no português brasileiro. 2014. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal (RN), 2014. Disponível em: Acesso em: Jan. 2020

BYBEE, Joan. Language, usage and cognition. Cambridge University Press, New York, 2010.

________. Língua, uso e cognição. / Joan Bybee ; tradução Maria Angélica Furtado da Cunha; revisão técnica Sebastião Carlos Leite Gonçalves. São Paulo: Cortez, 2016.

CASTILHO, Ataliba T. de. Nova gramática do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2010.

COAN, Márluce; BACK, Angela C. P. Identidades aspecto-temporais do pretérito imperfeito do subjuntivo. Cadernos de estudos lingüísticos. Campinas, 2014, p. 259-272. Disponível em: acesso em: 04 abril 2020

CORÔA, Maria Luiza Monteiro Sales. O tempo nos verbos do português: uma introdução à sua interpretação semântica. São Paulo: Parábola Editorial, 2005.

DANCYGIER, Barbara. Conditionals and prediction. Time, knowledge and causation in conditional constructions. Cambridge: Cambridge University Press, Cambridge Studies in Linguistics, v. 87, 1998. 214p.

_________; SWEETSER, Eve. Mental spaces in grammar. Published in the United States of America by Cambridge University Press, New York. Editora cambridge university press, 2005.

ELY, L. As construções condicionais em cartas pessoais do português brasileiro: uma análise baseada no uso. 2019. Dissertação (Mestrado em Linguística). Programa de Pós-graduação em Linguística, Universidade Federal da Fronteira Sul – Chapecó (SC).2019. Disponível em: Acesso em: 01 març. 2020.

FREITAG, Raquel Meister Ko. O domínio funcional tempo-aspecto-modalidade na expressão do passado imperfectivo no português falado no Brasil. Revista do GEL, São Paulo, v. 7, n. 2, p. 139-170, 2010.

_________. Variação em categorias verbais: correlações entre forma e função. Estudos Linguísticos, São Paulo, 40 (2): p. 1121-1132, maio-ago 2011.

GIVÓN, Talmy. English Grammar: A functional-based introduction. Amsterdam/Philadelphia: J. Benjamins Company, 1993.

_________.Functionalism and grammar. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishig Company, 1995.

_________. Syntax: an introduction. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 2001.

_________. Bio-linguistics: The Santa Barbara Lectures. Amsterdam/Philadelphia: Jonh Benjamins Publishing Company, 2002.

ILARI, Rodolfo. A expressão do tempo em português. (Repensando a língua portuguesa) 2 ed. 1ª reimpressão. – São Paulo: Contexto, 2018.

MATEUS, Maria Helena Mira et al. Gramática da língua portuguesa. 5. ed. Lisboa: Almedina, 2003.

NEVES, Maria Helena de Moura. Gramática do português falado. 2. ed. São Paulo: Humanistas/FFLCH/USP; Campinas: Editora da UNICAMP, 1999.

____________. Gramática de usos do português. 2. ed. São Paulo. Editora: UNESP, 2011.

OLIVEIRA, Taís Peres de. A relevância do modelo em camadas para o estudo de estratégias comunicativas atualizadas pelas condicionais. In: PEZATTI, Erotilde G. (Org.). Pesquisas em gramática funcional: descrição do português. São Paulo: Ed. UNESP, 2009. p. 373-383.

OLIVEIRA, Fernando Augusto de Lima. A variação na apódose entre o futuro do pretérito e o pretérito imperfeito do indicativo em contextos hipotéticos na fala de alagoanos: as categorias semântico-discursivas de tempo, aspecto e modalidade. 2016. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2016. Disponível em: Acesso: 02.Fev.2020

PALMER, Frank Robert. Mood and modality. Cambridge Textbooks in Linguistics. New York: Cambridge University Press, 2001. pg. 236

PERINI, Mario A. Gramática do português brasileiro. / Mário A. Perini, 1943. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

ROCHA LIMA, Carlos Henrique da. Gramática normativa da língua portuguesa / Rocha Lima. 49 ed – Rio de Janeiro: José Olympio, 2011 [1972].

ROST SNICHELOTTO, C. A. Variação e Mudança no Português do Oeste de Santa Catarina, 2012. Plano de Trabalho Chamada Pública FAPESC n. 04/2012 Universal.

SOUSA, Gisele Cássia. Quando tempo é condição. In: PEZATTI, Erotilde G. (Org.). Pesquisas em gramática funcional: descrição do português. São Paulo: Ed. UNESP, 2009. p. 357-372.

TRAUGOTT, Elizabeth.; TROUSDALE, Graeme. Constructionalization and Constructional Changes. Great Clarendon Street, Oxford, ox2 6dp, United Kingdom, 2013.

TRAVAGLIA, Luiz Carlos. O aspecto verbal no português: a categoria e sua expressão. 5. ed. - Uberlândia: EDUFU, 2014.
Publicado
23-09-2020
Como Citar
Ely, L., & Snichelotto, C. A. R. (2020). Temporalidade e modalidade em construções hipotáticas adverbiais condicionais à luz da linguística funcional centrada no uso. Scripta, 24(51), 397-431. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2020v24n51p397-431