As Construções perifrásticas [V1andar/Ir/Sair/Vir/Viver +V2gerúndio] e a expressão do aspecto: restrições sintático-semânticas e motivações cognitivas do seu processo de gramaticalização

  • Sueli Maria Coelho Universidade Federal de Minas Gerais
  • Adriana Maria Tenuta Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Perífrase verbal. Verbo de movimento. Aspecto verbal. Gramaticalização. Esquemas imagéticos.

Resumo

Estudou-se, à luz do quadro teórico da linguística cognitiva, mais especificamente do conceito de esquemas imagéticos, o processo de gramaticalização de cinco verbos da língua portuguesa que originalmente traduzem a noção de movimento. Explorou-se a hipótese de que os esquemas imagéticos presentes na conceptualização desses verbos podem explicar algumas restrições sintático-semânticas identificadas nas construções perifrásticas resultantes dessa gramaticalização. A análise diacrônica empreendida acusou que, à exceção da perífrase [V1sair + V2gerúndio], que se gramaticalizou apenas no período clássico da língua, as formas andar, ir, vir e viver já funcionavam como auxiliares aspectuais quando combinadas com uma forma nominal de gerúndio desde o século XIII. Observou-se, ainda, que o esquema FONTE-TRAJETO-ALVO é fator imprescindível para que o verbo de movimento seja reanalisado como forma auxiliar em uma construção em que V2 é uma forma de gerúndio, além do que a combinação de dois esquemas imagéticos dificulta o processo de reanálise, retardando, assim, o curso da gramaticalização do auxiliar.

Biografia do Autor

Sueli Maria Coelho, Universidade Federal de Minas Gerais
Professora da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais e do Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos da mesma faculdade.
Adriana Maria Tenuta, Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais

Professora Associada de Língua Inglesa da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais, coordenadora do Núcleo de Estudos da Língua em Uso (NELU) da FALE/UFMG e membro do GT de Cognição e Linguística da ANPOLL.

Referências

BENVENISTE, Émile. Mutations of linguistic categories. In: LEHMANN, Winfred & MALKIEL, Yakov (ed.). Directions for historical linguistics: a symposium. Austin, University of Texas Press, 1968, pp. 85-94.
CASTRO, Ivo. Introdução à história do português. 2. ed. rev. ampl. Lisboa: Edições Colibri, 2011.
DAVIES, Mark; FERREIRA, Michael J. Corpus do Português: 45 milhões de palavras, 1300s a 1900s. 2006. Disponível em: Acesso em: 23 jan. 2016.
EVANS, Vyvyan; GREEN, Melanie. Cognitive Linguistics. An Introduction. Edinburgh University Press, 2006. ISBN 0-7486-1832-5. xxv. + 830 p.
FAUCONNIER, Gilles. Mental spaces: Aspects of meaning construction in natural language. Cambridge: Cambridge University Press, 1994.
______. Mappings in thought and language. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.
FILLMORE, Charles J. Frame semantics. Linguistics in the morning calm. Seul, Hanshin Publishing Co., 1982, p. 111-137.
JOHNSON, Mark. The body in the mind: the bodily basis of meaning, imagination and reason. Chicago: University of Chicago Press, 1987.
KURYLOWICZ, Jerzy. L’Évolution des catégories grammaticales. In: BENVENISTE, Émile et al. Problèmes du langage. Paris, Gallimard, 1965, pp. 55-71.
LAKOFF, George; JOHNSON, Mark. Philosophy in the flesh: the embodied mind and its challenge to western society. New York: Basic Books, 1999.
______. Metaphors we live by. Chicago: The University of Chicago Press, 1980.
LANGACKER, Ronald W. Foundations of cognitive grammar: theoretical prerequisites. Stanford: Stanford University Press, v.1. 1987.
______. Cognitive grammar: a basic introduction. New York: Oxford University Press, 2008.
LAKOFF, George. Women, fire and dangerous things: what categories reveal about the mind. Chicago: The University of Chicago Press, 1987.
LEHMANN, Christian. Troughts on grammaticalizantion: a programmatic sketch. Colônia: Arbeiten des Kölner Universalien Projetcts 48, 1982.
MEILLET, Antoine. Linguistique historique et linguistique générale. Paris: Champion, 1948.
PONTES, Eunice. Verbos auxiliares em português. Rio de Janeiro, Vozes, 1973.
SINHA, C. Grounding, mapping and acts of meaning. T. Janssen and G. Redeker (Eds.) In: Cognitive linguistics: foundations, scope and methodology. Berlin: Mouton de Gruyter, 1999. p. 223-255.
SWEETSER, Eve E. Grammaticalization and Semantic Bleaching: Proceedings of the Fourteenth Annual Meeting of the Berkeley Linguistics Society, 1988, pp. 389-405.
TALMY, Leonard. Toward a cognitive semantics: concept structuring systems. Cambridge: The MIT Press, v. 1. 2000.
TENUTA, Adriana Maria; COELHO, Sueli Maria. A gramaticalização da construção V1verbo de movimento + V2gerúndio e a expressão do aspecto iterativo no português. In.: ____. Uma abordagem cognitiva da linguagem [livro eletrônico]: perspectivas teóricas e descritivas. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2018. Disponível em: -cognitiva-linguagem_Adriana_Tenuta_Sueli_Coelho.pdf >
VARELA, Francisco J.; THOMPSON, Evan; ROSCH, Eleanor. The embodied mind: cognitive science and human experience. Cambridge, Massachussetts: MIT Press, 1991.
VITRAL, Lorenzo; COELHO, Sueli Maria. A auxiliarização em português: aspecto, novas formas e implicações teóricas. IN.: GALVES, Charlotte; KATO, Mary A., ROBERTS, Ian (orgs.). Português brasileiro: uma segunda viagem diacrônica. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2019, P. 253-282.
VOTRE, Sebastião Josué. Cognitive verbs in Portuguese and Latin: unidirectionality revisited. Santa Bárbara: Universidade da Califórnia, 1999. (mimeogr.).
Publicado
23-09-2020
Como Citar
Coelho, S. M., & Tenuta, A. M. (2020). As Construções perifrásticas [V1andar/Ir/Sair/Vir/Viver +V2gerúndio] e a expressão do aspecto: restrições sintático-semânticas e motivações cognitivas do seu processo de gramaticalização. Scripta, 24(51), 293-327. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2020v24n51pPDF