Vozes das mulheres negras nos saraus e slams da cidade de São Paulo

  • Elaine Correia de Oliveira Unifesp - Universidade Federal de São Paulo
  • Francine Fernandes Weiss Ricieri Docente da Universidade Federal de São Paulo - Unifesp/Guarulhos
Palavras-chave: Cultura marginal-periférica, Sarau de periferia, Slam, Mulher negra

Resumo

O presente artigo dedica-se aos estudos de slams e saraus realizados na periferia da cidade de São Paulo. Em especial, serão destacadas as vozes das mulheres negras que se expressam nesses espaços. O objetivo desse estudo é analisar as linguagens poética, oral e corporal das performances que compõem as apresentações, assim como ressaltar nessas manifestações sua relevância cultural, além de mostrar a importância dos saraus e slams como meios de transformação social através da cultura e da arte marginal periférica.

Referências

ALVES, Thayneddy. Em reticências. 2. Ed. São Paulo: Academia Periférica das Letras, 2018.
BÂ, Amadou Hampâté. A tradição viva. In: KI-ZERBO, Joseph (org.). História Geral da África. I. Metodologia e pré-história da África. Brasília: Unesco, 2010, p. 167-212.
D’ALVA, Roberta Estrela. Teatro Hip-Hop. São Paulo: Editora Perspectiva, 2014.
D’ANDREA, Tiarajú Pablo. A formação dos sujeitos periféricos: cultura e política na periferia de São Paulo. 2013. 309 f. Tese (Doutorado em Sociologia). – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.
DALCASTAGNÈ, Regina. Literatura brasileira contemporânea: um território contestado. Vinhedo: Editora Horizonte, 2012.
DUARTE, Mel. Negra nua e crua. São Paulo: Editora Ijumaa. 2016.
HOLLANDA, Heloísa Buarque de. Cultura como Recurso. Salvador: Secretaria de Cultura do Estado da Bahia, 2012, v. 5. (Coleção cultura é o quê ?)
KILOMBA, Grada. Plantation Memories: episodes of everyday racism. 2. Ed. Monastério: Unrast Verlag, 2010. Disponível em: . Acesso em: 25 nov. 2019.
MAIA, Gustavo & SOARES, Jussara. Cumprindo decisão judicial, Bolsonaro pede desculpas a Maria do Rosário em rede social. Jornal O Globo, Brasília, 13 de junho de 2019. Disponível em: . Acesso em: out. 2019.
NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. São Paulo: Editora Perspectiva, 2016.
PEÇANHA, Érika Nascimento. “Literatura marginal”: os escritores de periferia entram em cena. 2006. Dissertação de mestrado em Antropologia Social. Universidade de São Paulo.
RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala?. Belo Horizonte: Editora Letramento, 2017.
RIBEIRO, Luz. Espanca. São Paulo: Ovipivo, 2017.
SALES, Cristian Souza. Pensamentos da mulher negra na Diáspora: escrita do corpo, poesia e história, Sankofa (São Paulo), v. 5, n. 9, p. 91-110, 2012.
SOUZA, Elizandra. Água de cabaça. São Paulo. Edição do autor. 2012.
ZUMTHOR, Paul. A letra e a voz. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.
______________. Performance, recepção, leitura. São Paulo: Cosac Naify, 2007.
Publicado
18-12-2020
Como Citar
Oliveira, E. C. de, & Ricieri, F. F. W. (2020). Vozes das mulheres negras nos saraus e slams da cidade de São Paulo. Scripta, 24(52), 378-402. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2020v24n52p378-402