Bénédicte Houart: variações em torno da mulher e do feminino

  • Tatiana Pequeno UFF
Palavras-chave: Poesia de língua portuguesa, Feminino, Mulher, Literatura

Resumo

O presente texto tenciona apresentar a poesia de Bénedicte Houart, que escolheu a língua portuguesa para construir seu trabalho com a linguagem, a partir de uma perspectiva dos estudos feministas e dos estudos de gênero, naquilo com que ambos se familiarizam. Ora se utilizando de procedimentos importantes de ironia, ora operando num contexto de dessacralização do dizer poético, a poeta atravessará em sua obra, como algumas escritoras de sua geração, um caminho que avalia as demandas da mulher e do feminino nos anos iniciais do século XXI sem estereótipos ou mecanismos cristalizados de vocalização poética. Para tanto, pretendemos ler alguns poemas selecionados de sua obra e verificar em que medida tanto as questões de gênero quanto as de sexualidade aí comparecem, conectando-a e muitas vezes confrontando-a a um legado de escritoras importantes tais como Florbela Espanca e Adília Lopes.

Referências

BIRMAN, Joel. Gramáticas do erotismo: A feminilidade e suas formas de subjetivação em psicanálise. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.
BRANDÃO, Fiama Hasse Pais. O texto de Joao Zorro. Porto: Limiar, 1974.
BUTLER, Judith. Problemas de Gênero. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.
CAMELO, Francisca. O quarto rosa. Porto: Editora Exclamação, 2019.
CANCELA, Helder Gomes. Bénédicte Houart. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2016.
CIXOUS, Héléne. La venue à l´écriture. Paris: 10-18 Éditions, 1977.
HOUART, Bénédicte. Aluimentos. Lisboa: Cotovia, 2009.
HOUART, Bénédicte. Reconhecimento. Colecção de Poesia Inimigo Rumor. Lisboa/ Coimbra: Angelus Novus/ Cotovia, 2005.
HOUART, Bénédicte. Vida: variações. Lisboa: Cotovia, 2008.
HOUART, Bénédicte. Vida: variações II. Lisboa: Cotovia, 2011.
KRISTEVA, Julia. Estrangeiros para nós mesmos. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.
LOPES, Adília. Dobra. Lisboa: Assírio & Alvim, 2009.
LOUREIRO, Ines. Ironia(s) em Freud: da escrita à ética. Ide (São Paulo), São Paulo , v. 30, n. 45, p. 13-19, dez. 2007 .Disponível em . acessos em 04 out. 2020.
MARTELO, Rosa Maria. “Adília Lopes – ironista”. Scripta, 8(15), 106-116. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/12572
MARTELO, Rosa Maria. “A luva e a mão (uma história de salvação)”. Elyra. Número 14, 12/ 2019. Disponível: | http://dx.doi.org/10.21747/21828954/ely14a2
PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2007.
RORTY, Richard. Contingência, ironia e solidariedade. Trad. Vera Ribeiro. São Paulo: Martins Fontes, 2007
WOOLF, Virginia. Profissões para mulheres e outros artigos feministas. Porto Alegre: LP&M, 2012.
Publicado
18-12-2020
Como Citar
Pequeno, T. (2020). Bénédicte Houart: variações em torno da mulher e do feminino. Scripta, 24(52), 187-209. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2020v24n52p187-209