Reflexões sobre a linguagem do ambiente chat no teletandem sob a perspectiva da natureza heterogênea da escrita

  • Suzi Marques Spatti Cavalari
Palavras-chave: Língua escrita, Heterogeneidade, Chat, Teletandem.

Resumo

O objetivo deste trabalho é discutir as características da linguagem mediada pelo computador em um ambiente de ensino e aprendizagem de língua estrangeira viabilizado pelo uso de recursos de comunicação síncrona na modalidade escrita – chat. O presente estudo se fundamenta em (i) princípios teóricos sobre o uso de tecnologias e o ensino/aprendizagem de línguas estrangeiras no escopo do Projeto Teletandem Brasil: línguas estrangeiras para todos (TELLES, 2005); (ii) estudos sobre as características da linguagem em interações via chat; (iii) diferentes perspectivas teóricas a respeito das relações entre o oral e o escrito, enfatizando a perspectiva da heterogeneidade constitutiva da escrita (CORRÊA, 1997, 1998, 2001); e (iv) em alguns conceitos pertinentes à área da Fonologia Prosódica (NESPOR; VOGEL, 1986). Toma‑se como material de análise a produção escrita de uma universitária brasileira (formanda em Licenciatura em Letras) que interage com um universitário estadunidense (cursando Estudos Religiosos) via Windows Live Messenger. Os dados foram coletados em um período de 5 meses, durante os quais os participantes interagiram via chat, totalizando 12 interações em inglês e em português. Na análise, enfocam-se as interações em língua portuguesa, particularmente a fragmentação das mensagens, o uso (ou não) de sinais de pontuação e de abreviaturas na produção da participante brasileira, a fim de se discutirem as representações que ela constrói sobre a (sua) escrita, sobre seu interlocutor, sobre si mesma e sobre o processo de ensino/aprendizagem de língua estrangeira.

Referências

ARAÚJO, Júlio César Rosa. Chat na Web: um estudo de gênero hipertextual. Dissertação (Mestrado em Linguística). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2003.

ARAÚJO, Júlio César Rosa. A organização constelar do gênero chat. In: JORNADA NACIONAL DE ESTUDOS LINGÜÍSTICOS DO GELNE, 20, 2004, João Pessoa. Anais... Disponível em:<http://www.julioaraujo.com/download/organizacao_constelar_do_chat.pdf>. Acesso em: 8 nov. 2007.

ARAÚJO, Júlio César Rosa (Org.). Internet & Ensino: novos gêneros, outros desafios. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

CHACON, Lourenço. Ritmo da escrita: uma organização do heterogêneo da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

CHARTIER, Roger. A aventura do livro: do leitor ao navegador. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1997.

COLLINS, Heloísa; FERREIRA, Anise (Org.). Relatos de experiências de ensino e aprendizagem de línguas na Internet. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004.

CORRÊA, Manoel Luiz Gonçalves. O modo heterogêneo de constituição da escrita. Tese (Doutorado em Linguística). Instituto de Estudos da linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1997.

CORRÊA, Manoel Luiz Gonçalves. A heterogeneidade na constituição da escrita: complexidade enunciativa e paradigma indiciário. In: Cadernos da FFC, Marília, SP: Faculdade de Filosofia e Ciências da UNESP, 1998.

CORRÊA, Manoel Luiz Gonçalves. Letramento e heterogeneidade da escrita noensino do português. In: SIGNORINI, Inês. (Org.). Investigando a relação oral/escrito e as teorias do letramento. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2001.

CORRÊA, Manoel Luiz Gonçalves. A escola como espaço de escritas (La escuela como espacio de escrituras – Tradução de A. Martin de Brun) In: Lenguas Vivas, n. 6, ago/set, 2006.

CRYSTAL, David. Language and the internet. Cambridge: Cambridge Universtiy Press, 2001.

CRYSTAL, David. A revolução da linguagem. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

DAHLET, Véronique. A pontuação e as culturas da escrita. In: Filologia e Lingüística Portuguesa. n. 8, São Paulo: Universidade de São Paulo, FFLCH/ USP, 2006.

FREIRE, Maximina Maria. Interaction and silence in online courses. Revista da ANPOLL, n. 13, 2003.

FUSCA, Carla Jeanny. TC CMGO?: estudo sobre abreviação na internet. Projeto de Iniciação Científica desenvolvido no Departamento de Estudos Lingüísticos e Literários. Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, UNESP. São José do Rio Preto. Orientador: Fabiana Cristina Komesu, 2007.

FUSCA, Carla Jeanny. TC CMGO?: estudo sobre abreviação na internet. Relatório final de estágio de Iniciação Científica. Departamento de Estudos Lingüísticos e Literários. Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, UNESP. São José do Rio Preto. Orientador: Fabiana Cristina Komesu, 2008.

GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, indicios. Morfología e historia,

Barcelona, Gedisa, 1989.

HILGERT, José Gaston. A construção do texto ‘falado’ por escrito: a conversação na internet. In: PRETI, Dino (Ort.). A fala e a escrita em questão. 2. ed. São Paulo: Humanitas. SFLCH/USP, 2001.

KOMESU, Fabiana. Entre o público e o privado: um jogo enunciativo na constituição do escrevente de blogs da internet. Tese (Doutorado em Linguística). Instituto de Estudos da Linguagem, UNICAMP, Campinas, 2005.

KOMESU, Fabiana. Visões da língua(gem) em comentários sobre internetês não é língua portuguesa. In: Filologia e Lingüística Portuguesa, n. 8, São Paulo: Universidade de São Paulo, FFLCH/USP, 2006.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Análise da conversação. São Paulo: Ática, 1986.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Marcadores conversacionais do português brasileiro: formas, posições e funções. In: CASTILHO, Ataliba Teixeira de (Org.). Português culto falado no Brasil. Campinas: Editora da UNICAMP, 1989.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. O papel da lingüística no ensino de línguas. Recife, PE. Universidade Federal de Pernambuco, 2000. Disponível em:

<http://www.marcosbagno.com.br/for_marcuschi.htm>. Acesso em: 9 nov. 2007.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais emergentes no contexto da tecnologia digital: definição e funcionalidade. In: MARCUSCHI, Luiz Antônio; XAVIER, Antônio Carlos (Org.). Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de construção de sentido. Rio de Janeiro: Lucerna, 2004.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

NESPOR, Marina; VOGEL, Irene. Prosodic phonology. Dordrecht-Holland: Foris Publications, 1986.

NEVES, Maria Helena de Moura. Língua falada, língua escrita e ensino: reflexões em torno do tema. In: URBANO, Hudinilson et al. (Org.). Dino Preti e seus temas: oralidade, literatura, mídia e ensino. São Paulo: Cortez, 2001.

ROGERI, Rosana Aparecida; TENANI, Luciani Ester. Pontuação e

heterogeneidade da escrita: um estudo no ensino fundamental. Congresso de Iniciação Científica da UNESP, 2005.

SILVA, Adelaide H. P. Pela incorporação de informação fonética aos modelos fonológicos. Revista Letras, Curitiba, n. 60. Editora UFPR, 2003.

SOUZA, Ricardo Augusto. O “chat” em língua inglesa:Interações na fronteira da oralidade e da escrita. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada), Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2000.

SOUZA, Ricardo Augusto. Aprendizagem de línguas em tandem? Estudo da telecolaboração através da comunicação mediada pelo computador. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2003.

TELLES, João Antônio. Teletandem Brasil – Línguas estrangeiras para todos. Projeto de pesquisa. Faculdade de Ciências e Letras de Assis (UNESP), 2005. Disponível em: <http://www.teletandembrasil.org/site/docs/TELETANDEM_BRASIL_completo.pdf>. Acesso em: 28 fev. 2008.

TENANI, Luciani Ester. Domínios prosódicos no Português do Brasil:

implicações para a prosódia e para a aplicação de processos fonológicos. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002.

Publicado
17-07-2012
Como Citar
Marques Spatti Cavalari, S. (2012). Reflexões sobre a linguagem do ambiente chat no teletandem sob a perspectiva da natureza heterogênea da escrita. Scripta, 16(30), 53-74. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/4240
Seção
Dossiê: Leitura e escrita na formação acadêmica – língua materna e língua estrangeira