Práticas de escrita no ensino universitário e suas relações com a formação docente

  • Ana Lúcia Guedes-Pinto
Palavras-chave: Práticas de escrita e formação docente, Escrita e formação, Linguagem e Formação inicial de professores.

Resumo

Neste artigo procuro focalizar as relações existentes entre o emprego cotidiano da prática de escrita no ensino universitário e a formação profissional docente. O material empírico foi construído a partir do trabalho que desenvolvo como professora de disciplinas do eixo teórico-prático de cursos de formação inicial de professores em que a escrita ocupa a função de registro e de reflexão das experiências de estágio dos estudantes na escola básica. Tomo como base principalmente os estudos de inspiração bakhtiniana, que tomam a linguagem como algo central para entendermos os processos de significação e de elaboração de sentidos dos sujeitos sobre sua realidade concreta de vida. Por essa perspectiva busco, por meio da análise de textos escritos produzidos por  estudantes na universidade, trazer elementos para a reflexão sobre o papel da escrita no contexto dos cursos de formação inicial de professores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAKHTIN, Mikhail (VOLOCHINOV). Marxismo e filosofia da linguagem. 6. ed. São Paulo: Hucitec, 1992.

CHARLOT, Bernard. Relação com o saber, formação de professores e globalização: questões para a educação hoje. Porto Alegre: Artmed, 2005.

DIAS, Daniella Lopes. O recurso ao discurso do outro como forma de posição identitária. Scripta, Belo Horizonte, v. 8, n. 16, 2005.

FONTANA, Roseli C. Sobre a aula: uma leitura pelo avesso. Presença pedagógica, Belo Horizonte, 7, n. 37, maio/junho 2001.

FONTANA, Roseli C.; GUEDES-PINTO, Ana Lúcia. Trabalho escolar e produção do conhecimento. In: SHIGUNOV NETO, Alexandre; MACIEL, Lizete Shizue Bomura (Org.). Desatando os nós da formação docente. 2. ed. Porto Alegre: Mediação, 2009.

GUEDES-PINTO, Ana Lúcia; FONTANA, Roseli Cação. Apontamentos teóricometodológicos sobre a prática de ensino na formação inicial. Educação em Revista, Belo Horizonte: FAE/UFMG, n. 44, dez. 2006.

KLEIMAN, Angela Bustos. Letramento e formação do professor: quais as práticas e exigências no local de trabalho? In: KLEIMAN, Angela Bustos (Org.). A formação do professor: perspectivas da linguística aplicada. Campinas, SP: Mercado de letras, 2001.

KOCH, Ingedore G. Villaça; BENTES, Anna Christina; CAVALCANTE, Mônica Magalhães. Intertextualidade: diálogos possíveis. São Paulo: Cortez, 2008.

KOCH, Ingedore Villaça; ELIAS, Vanda Maria. Ler e escrever: estratégias de produção textual. São Paulo: Contexto, 2009.

MATENCIO, Maria de Lourdes Meirelles. Letramento na formação do professor – integração a práticas discursivas acadêmicas e construção da identidade profissional. In: CORRÊA, Manoel Luiz Gonçalves; BOCH, Françoise (Org.). Ensino de Língua: representação e letramento. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2006.

SILVA, Jane Quintiliano Guimarães; MATENCIO, Maria de Lourdes Meirelles. Movimentos do sujeito na produção de sentidos: subjetivação e objetivação. Scripta, Belo Horizonte, 8, n. 16, 2005.

Publicado
17-07-2012
Como Citar
Lúcia Guedes-Pinto, A. (2012). Práticas de escrita no ensino universitário e suas relações com a formação docente. Scripta, 16(30), 137-149. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/4244
Seção
Dossiê: Leitura e escrita – da universidade ao mundo profissional