O duo dissonante entre a voz do autor e a voz do narrador em Vida e morte de M. J. Gonzaga de Sá, de Lima Barreto

  • José Osmar de Melo
Palavras-chave: Lima Barreto, Vida e morte de M. J. Gonzaga de Sá, Ironia romântica, Ironia humoresque, poética do artifício,

Resumo

Este ensaio tem como objetivo demonstrar a consciência com que Lima Barreto, no romance Vida e morte de M. J. Gonzaga de Sá, lida com a linguagem e usa o humor e a ironia como elementos fundamentais para desmistificar sua narrativa como representação da realidade, apresentando-a como resultado estético de uma poética do artifício, que valoriza, sobretudo, o processo artístico e metalingüístico de construção do texto literário. Através dessa estratégia de criação literária, o autor procura demonstrar, mediante o recurso à ironia romântica, os artifícios dos procedimentos da construção textual, ao abrir as portas de sua oficina de produção de ilusões, para revelar ao leitor que sua arte constitui-se como um consciente e auto-consciente exercício de linguagem, fundamentado no lúdico (des) velamento das artimanhas da criação ficcional que no romance em questão se confirma como jogo textual conscientemente elaborado como arte.



Referências

I. De Lima Barreto

BARRETO, Afonso Henriques de Lima. Vida e morte de M. J. Gonzaga de Sá. Rio de Janeiro: Garnier, 1990.

II. Sobre Lima Barreto

FIGUEIREDO, Maria do Carmo Lanna. O romance de Lima Barreto e sua recepção. Belo Horizonte: Editora Lê, 1995.

LINS, Osman. Lima Barreto e o espaço romanesco. São Paulo: Ática, 1976.

MELO, José Osmar de. Lima Barreto e as questões de seu tempo. Belo Horizonte: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, 1997.

PRADO, Antônio Arnoni. Lima Barreto: o crítico e a crise. Rio/Brasília: Cátedra/INL, 1976.

III. Teoria literária, Filosofia e outros.

ALMANSI, Guido. L’affaire mystérieuse de l’abominable tongue-in-cheek. Poétique, Paris, n. 36, p. 413-426, nov. 1978.

BOURGEOIS, André. Préface. In.: L’ironie romantique. Grenoble: Presses Universitaires de Grenoble, 1974, p. 413-426.

CANDIDO, Antonio. A educação pela noite e outros ensaios. 2. ed. São Paulo: Ática, 1989.

CANDIDO, Antonio et al. A personagem de ficção. São Paulo: Perspectiva, 1972.

FARRA, Maria Lúcia Dal. O narrador ensimesmado. São Paulo: Ática, 1978.

DELEUZE, Gilles. A lógica do sentido. São Paulo: Perspectiva, 1974.

DERRIDA, Jacques. A escritura e a diferença. São Paulo: Perspectiva, 1967.

DUARTE, Lélia Parreira. Ironia, humor e fingimento. Cadernos de pesquisa do NAPq. Belo Horizonte: FALE/UFMG, n. 15. 1994. p. 54-78.

DIAZ-MIGOYO, Gonzalo. El funcionamento de la ironia, In: MONEGAL, Emir Rodriguez. Humor, ironia, parodia. Caracas/Madrid, Fundamentos, 1980, p. 45-68.

FEHÉR, Ference. O romance está morrendo?: contribuição à teoria do romance. Tradução de Eduardo Lima, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

FERRAZ, M. Lourdes. A ironia romântica – estudo de um processo comunicativo. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1987.

GUÉRARD, Cécile (Org.) L’ ironie: le sourire de l’ esprit. Autrement, “Collection Morales”, n. 25, septembre 1998.

JANKELEVITCH, Vladimir. L’ironie. Paris: Flammarion, 1964.

LACOUE-LABARTHE, Philippe e NANCY, Jean-Luc. L’ absolu littéraire – théorie de la littérature du romantisme allemand. Paris: Éditions du Seuil, 1978.

MUECKE, D. C. Ironia e o irônico. São Paulo: Editora Perspectiva, 1982.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhem. A filosofia na época trágica dos gregos, p. 7-42, e Sobre verdade e mentira no sentido extramoral, p. 45-52. In.: Obras incompletas. 2. ed. Seleção de textos de Gerard Lebrun, trad. e notas de Rubens Rodrigues Torres Filho, São Paulo: Abril Cultural, 1978. (Os pensadores).

NESTRÓVSKI, Arthur. Ironias da modernidade. São Paulo: Ática, 1996.

ROSSET, Jean. Narcisse romancier – essai sur la première personne dans le roman. 3 ed., Paris: José Corti, 1972.

RIBEIRO, Renato Janine (org.). A sedução e suas máscaras. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

SANTOS, Luís Alberto Brandão; OLIVEIRA, Silvana Pessoa de. Sujeito, tempo e espaços ficcionais – introdução à teoria da literatura. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

SCHOENTJES, Pierre. Poétique de l’ ironie. Paris: Éditions du Seuil, 2001.

TADIÉ, Jean-Yves. O romance no século XX. Tradução de Miguel Serras Pereira, Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1992.

VALÉRY, Paul. Cahiers. Vol. I, Paris: Pléiade, 1973.

VEGA, C. F. de la. El secreto del humor. Buenos Aires: Editorial Nova, 1967.

Publicado
15-12-2011
Seção
Dossiê: Literaturas de língua portuguesa