Mestre ou aprendiz: faces de um narrador

Marcelo Antonio Ribas Hauck, Roberta Maria Ferreira Alves

Resumo


Narrar é, segundo Benjamim, uma forma de intercambiar experiências, e se direcionarmos nosso olhar para o sujeito dessa narrativa, o teremos em duas funções: ora como narrador mestre, ora como narrador aprendiz. Contar estórias é um instrumento útil para evitar o esquecimento e para provocar uma abertura de espaço para a criação. O presente artigo apresenta uma das inúmeras possíveis leituras sobre as estratégias utilizadas por Mia Couto, em Terra sonâmbula, na criação de sujeitos que narram, que contam estórias. Uma busca por esses narradores em trânsito, narradores flutuantes ou nômades. Sujeitos em constante ir e vir, transitando e destransitando entre mundos aparentemente paradoxais, mas que se encontram separados por uma tênue linha, que, a qualquer momento, pode fazer com que mestre e aprendiz troquem de campo e função, ou até mesmo exerçam ambas. Os dois aprendem estórias novas e contam estórias antigas em um ir-evir espaço-temporal. O comportamento desses narradores é marcado por viagens e mutações ininterruptas. Constituinte de uma literatura atravessada por elementos insólitos, em um trabalho minucioso com a linguagem e em constante diálogo com a tradição moçambicana, esse comportamento tornase referencial para a compreensão da história política e cultural do país.




Palavras-chave


Narrador; Benjamin; Hibridismo; Oratura; Identidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERTI, Verena. Literatura e autobiografia: a questão do sujeito na narrativa. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 4, n. 7, p. 66-81, 1991.

BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 3. ed. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. Rio de Janeiro: Brasiliense, 1987. p. 197-221.

COUTO, Mia. Terra sonâmbula. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

FONSECA, Maria Nazareth Soares; CURY, Maria Zilda Ferreira. Mia Couto: espaços ficcionais. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomáz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

MAQUÊA, Vera. Narradores nômades em Mia Couto. ENCONTRO DE

PROFESSORES DE LITERATURAS AFRICANAS, 3, 2008, Rio de Janeiro. Pensando África: crítica, ensino e pesquisa. Rio de Janeiro: Léo Cristiano Editorial, 2007.

MOREIRA, Terezinha Taborda. O vão da voz: a metamorfose do narrador na ficção moçambicana. Belo Horizonte: PUC Minas/Horta Grande, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



                     


Revista Scripta e-ISSN: 2358-3428 (OJS)

DOI: http://dx.doi.org/10.5752/P.2358-3428

Endereço: Av. Dom José Gaspar, 500 - Prédio 20 - sala 109 

Coração Eucarístico - Belo Horizonte/MG - CEP: 30535901 

Telefone geral: (31) 3319-4369

 

Licença: 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

Nossos indexadores, bancos de dados e repositórios: