Machado de Assis ou a recusa à memória

  • José Quintão de Oliveira
Palavras-chave: Machado de Assis, Memorialismo, Lembrança, Esquecimento.

Resumo

Machado de Assis poderia ter sido um grande memorialista,
como mostra “O velho Senado”, página de saudade engastada nas Páginas recolhidas. No entanto, não foi. Por quê? Isso provoca algumas outras questões como: o que lembra e o que esquece o escritor? Como o esquecido e o lembrado se apresentam em sua obra? Essas são algumas das perguntas que orientam a busca pelo motivo do memorialismo nos seus livros.

 

Referências

ASSIS, Machado de. Obra completa. 3 v. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1962.

ASSIS, Machado de. Chronicas: v. 2: 1864-1867. Rio de Janeiro: W. M. Jackson, 1938.

BROCA, Brito. Apresentação. In: SALLES, Joaquim de. Se não me falha a memória. Rio de Janeiro: São José, 1961. p. 5-8.

BROCA, Brito. Machado de Assis e a política. Rio de Janeiro: Simões, 1957.

CANDIDO, Antonio. Vários escritos. 4 ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2004.

CANDIDO, Antonio. A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Ática, 1987.

CÉSAR, Guilhermino. Memorialismo no Brasil. In: COELHO, Jacinto

Prado. Dicionário de literatura. v. 2. 3 ed. Porto: Figueirinhas, 1978. p. 627-628.

PEREIRA, Lúcia Miguel. Machado de Assis: estudos críticos e biográficos. 6 ed. Belo Horizonte: Itatiaia, 1988.

PUJOL, Alfredo. Machado de Assis: curso literário em sete conferências na Sociedade de Cultura Artística de São Paulo. São Paulo: Typographia Brazil, 1917.

SANTOS, Hemetério dos. Machado de Assis: carta ao Sr. Fábio Luz. Gazeta de Notícias. Rio de Janeiro, 29 nov 1908. p. 2.

Publicado
10-12-2008
Como Citar
Quintão de Oliveira, J. (2008). Machado de Assis ou a recusa à memória. Scripta, 12(23), 26-35. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/4410
Seção
Dossiê: Tempo e memória