Dois temas clássicos em Virgílio e no canto VI d’Os Lusíadas de Camões

  • Matheus Trevizam UFMG
Palavras-chave: Tradição clássica, Os Lusíadas, Virgílio, Viagem subaquática, Concílio divino.

Resumo

Neste artigo, intentamos demonstrar como se dá a incorporação de dois temas clássicos ao sexto canto d’Os Lusíadas, de Luís de Camões (1572). Isso ocorre, no canto mencionado, ao longo das estâncias 7-37, nas quais se desenvolve o assunto da viagem a um reino (divino) sob as águas e, depois, do concílio dos deuses (marinhos). Tais desenvolvimentos camonianos encontram possíveis “antecessores”, segundo intentaremos demonstrar, no quarto livro das Geórgicas de Virgílio – visita de Aristeu à ninfa Cirene (v. 317-418) – e no décimo canto (v. 1-117) da Eneida do mesmo poeta romano. Desse modo, a leitura cotejada de Camões e Virgílio nos passos citados oferece-nos meios concretos de divisarmos a “tradição clássica” em operação na obra desse autor renascentista português.

 

Referências

ANDRÉ, Jean-Marie; HUS, Alain. L’histoire à Rome. Paris: Presses Universitaires de France, 1974.

ARISTÓTELES. Retórica das paixões. Tradução de Ísis B. B. da Fonseca. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BERARDINELLI, Cleonice. “Os Lusíadas”: a epopeia de uma época de contradições. In: APPEL, Myrna Bier; GOETTEMS, Míriam Barcellos. (Org.). As formas do épico. Porto Alegre: Editora Movimento, 1992, p. 116-128.

BLOOM. Harold. Genius: a mosaic of one hundred exemplary creative minds. New York: Warner Books, 2002.

BRANDÃO, Jacyntho Lins. Primórdios do épico: a Ilíada. In: APPEL, Myrna Bier; GOETTEMS, Míriam Bier. (Org.). As formas do épico. Porto Alegre: Editora Movimento, 1992, p. 40-55.

CAMÕES, Luís Vaz de. Os Lusíadas. São Paulo: Cultrix, 1991.

CARDOSO, Zélia de Almeida. A literatura latina. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

GRIMAL, Pierre. Dictionnaire de la mythologie grecque et romaine. Paris: Presses Universitaires de France, 1963.

GRIMAL, Pierre. La littérature latine. Paris: Fayard, 1994.

HAUSER, Arnold. História social da arte e da literatura. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

HOMERO. Ilíada. Tradução de Carlos Alberto Nunes. Rio de Janeiro/São Paulo: Ediouro, 2002.

HOMERO. Odisseia. Trad. Trajano Vieira. São Paulo: Editora 34, 2011.

HORACE. Satires, epistles and “Ars poetica”. With an English translation by H. S. Fairclough. London/ Cambridge, Mass.: Heinemann/ Harvard University Press, 1926.

HOWATSON, M. C. Dictionnaire de l’Antiquité. Trad. Jeannie Carlier et all. Paris: Robert Laffont, 1993.

KURMAN, G. Ecphrasis in epic poetry. Comparative literature, Eugene, vol. 26, n. 1, p. 1-13, winter 1974.

MOISÉS, Massaud. A literatura portuguesa. São Paulo: Cultrix, 2005.

PEIXOTO, Afrânio. Ensaios camonianos. Rio de Janeiro/São Paulo/ Porto Alegre: W. M. Jackson, 1947.

PERNOT, Laurent. La rhétorique dans l’Antiquité. Paris: Le Livre de Poche, 2000.

PESSANHA, Nely Maria. Características básicas da epopeia clássica. In: APPEL, Myrna Bier; GOETTEMS, Míriam Barcellos. (Org.). As formas do épico. Porto Alegre: Editora Movimento, 1992, p. 30-39.

RAMALHO, Américo da Costa. A Ilha dos Amores e o Inferno virgiliano. In: RAMALHO, Américo da Costa. Estudos camonianos. Lisboa: Instituto Nacional de Investigação Científica, 1980, p. 73-83.

VASCONCELLOS, Paulo Sérgio de. Efeitos intertextuais na “Eneida” de Virgílio. São Paulo: Humanitas/ Fapesp, 2001.

VIRGILE. Géorgiques. Texte traduit par E. de Saint-Denis, introduction, notes et postface de J. Pigeaud. Paris: Les Belles Lettres, 1998.

VIRGÍLIO. Geórgicas; Eneida. Tradução de António Feliciano de Castilho e Odorico Mendes. Rio de Janeiro: W. M. Jackson, 1949.

VIRGÍLIO. Eneida. Tradução de José Vitorino Barreto Feio e José Maria da Costa e Silva, edição organizada por Paulo Sérgio de Vasconcellos. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

VIRGÍLIO. Eneida brasileira. Tradução de Manuel Odorico Mendes. Campinas: UNICAMP/ Fapesp, 2008.

WILKINSON, Lancelot Patrick. The “Georgics” of Virgil: a critical survey. Norman: Oklahoma University Press, 1997.

WILLIAMS, Gordon. The blending of Greek and Roman. In: WILLIAMS, Gordon. Tradition and originality in Roman poetry. Oxford: Clarendon Press, 1985, p. 250-357.

Publicado
06-12-2013
Como Citar
Trevizam, M. (2013). Dois temas clássicos em Virgílio e no canto VI d’Os Lusíadas de Camões. Scripta, 17(33), 13-32. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2013v17n33p13
Seção
Dossiê: Poesia em língua portuguesa