“Não te imito nos dons da Natureza”: Bocage, leitor de Camões

  • Rafael Santana UFRJ
Palavras-chave: Bocage, Camões, Erotismo.

Resumo

O objetivo deste trabalho é o de apresentar a releitura de Bocage da lírica e da épica camonianas. Partindo do célebre soneto “Camões, grande Camões (...)”, pergunto-me em que medida se poderia enxergar, na obra de Bocage, a modernidade de um Camões que ousa transgredir a dicção clássica e universal para erigir, como matéria da poesia, a sua própria experiência de vida. Ultrapassando o petrarquismo e o neoplatonismo cristão dominantes à sua época, a poesia camoniana desponta em erotismo, celebrando a experiência amorosa como veículo para o conhecimento. Bocage, que tomou o autor de Os Lusíadas como um dos seus mestres, soube reler e radicalizar o erotismo camoniano por meio da palavra obscena, que retalha, desloca e produz novos sentidos.

 

Referências

AMARAL, Fernando Pinto do. Os enigmas do amor. In: BOCAGE, Manuel Maria Barbosa du. Antologia de poesia erótica. Organização e prefácio de Fernando Pinto do Amaral. Lisboa: Dom Quixote, 2003, p. 17-22.

BILAC, Olavo. Bocage. Conferência realizada em 13 de abril de 1917 no Teatro Municipal de São Paulo. Porto: Renascença Portuguesa, 1917.

BARTHES, Roland. Aula. Trad. Leila Perrone Moisés. São Paulo: Cultrix, 2007.

BARTHES, Roland. O prazer do texto. Trad. J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2006.

BERARDINELLI, Cleonice. Os excursos do Poeta n’Os Lusíadas. In: BERARDINELLI, Cleonice. Estudos camonianos. 2 ed. Revista e ampliada. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000, pp. 31-56.

BOCAGE, Manuel Maria Barbosa du. Poemas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1987.

CAMÕES, Luís de. Os Lusíadas. Porto: Porto, 2006.

CAMÕES, Luís de. Rimas. Coimbra: Almedina, 2005.

COMPAGNON, Antoine. O trabalho da citação. Trad. Cleonice Paes Barreto Mourão. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

GARRETT, Almeida. Viagens na minha terra. São Paulo: Martin Claret, 2005.

MACEDO, Helder. Camões e a viagem iniciática. Rio de Janeiro: Móbile, 2012.

MAFFEI, Luís. “Canto a Beleza, Canto a Putaria”: de Bocage a Camões, de Bocage e Camões a Adília. Via Atlântica, São Paulo, v.11, n.11, p. 73-84, outubro de 2008.

MOURÃO-FERREIRA, David. O Drama de Bocage. In: Hospital das letras. 2.ed. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1983, p. 41-44.

NEMÉSIO, Vitorino. A poesia de Bocage. In: Vultos e perfis II. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 2004, p. 89-107.

PIRES, Daniel. Introdução. In: BOCAGE, Manuel Maria Barbosa du. Bocage: Obra completa – Vol. VII: Poesias eróticas, burlescas e satíricas. Organização e prefácio de Daniel Pires. Porto: Caixotim, 2004, p. 9-55.

SARAIVA, António José. Para a história da cultura em Portugal - Vol. II. Lisboa: Gradiva, 1995.

Publicado
06-12-2013
Como Citar
Santana, R. (2013). “Não te imito nos dons da Natureza”: Bocage, leitor de Camões. Scripta, 17(33), 33-52. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2013v17n33p33
Seção
Dossiê: Poesia em língua portuguesa