Os vários tons de uma guerra imaginada: duas visões femininas sobre a guerra colonial de Moçambique

  • Denise Borille de Abreu Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Palavras-chave: Literaturas de língua portuguesa, Literatura moçambicana, Escrita feminina, Escrita feminina de Guerra, Teoria do trauma, Life writing, Ventos do Apocalipse, Paulina Chiziane, A costa dos murmúrios, Eva Lopo.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo comparar e contrastar a maneira imaginada como a protagonista moçambicana Minosse, do romance Ventos do Apocalipse, de Paulina Chiziane, e a portuguesa Eva Lopo, de A costa dos murmúrios, de Lídia Jorge, descrevem a nação moçambicana antes e depois da guerra colonial, e como elas narram o trauma vivenciado na guerra. A hipótese é que a guerra é imaginada por essas mulheres porque o trauma de guerra precisa ser simbolizado para ser processado. Sendo assim, é possível afirmar que escrever sobre o trauma de guerra parece trazer algum tipo de conforto para a mulher afetada pela violência.

 

Referências

ANDERSON, Benedict. Nação e consciência nacional. São Paulo: Editora Ática, 1989.

AUERBACH, Erich. Mimesis: a representação da realidade na literatura ocidental. Tradução Suzi Sperber. São Paulo: Perspectiva, 1971.

BRANDÃO, Ruth Silviano. Literatura e psicanálise. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 1996.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

CHIZIANE, Paulina. Ventos do Apocalipse. Lisboa: Editorial Caminho, 1999.

HYNES, Samuel. A war imagined: the first world war and english culture. Nova York: Atheneum, 1991.

JORGE, Lídia. A costa dos murmúrios. Rio de Janeiro: Record, 2004.

Publicado
18-10-2014
Seção
Homenagem a Paulina Chiziane