Conversa de bois: uma fábula de João Guimarães Rosa

  • Alexandre Veloso de Abreu PUC-Minas

Resumo

Este artigo apresenta o conto “Conversa de Bois” de João Guimaraes Rosa em uma perspectiva fabular. O conceito de fábula abarca um grande espectro de significações, que vai desde: resumo, intriga, conjunto, construção, até o conceito mais formalista, que lhe dá um sentido mais material.  No entanto, imprimiu-se no gênero como característica principal, o cumprimento de uma ação e o uso do antropomorfismo (quando animais assumem características humanas). Na verdade, essa característica é que define o gênero fábula, pois as personagens principais são animais.  O termo fábula vem do latim, fari, que significa falar ou do grego, phao,significando contar algo.  A narrativa tem uma natureza simbólica e/ou alegórica, retratando uma situação vivida por animais, remetendo-se à situação humana, com o objetivo de transmitir certa moralidade.  Lembrando a estrutura proppiana entende-se que ao explorar a fábula, o autor mineiro recusa o estado efêmero do fazer literário, entendendo-o como constante e cíclico, um eterno exercício de reconhecimento. Não há como encerrar algo essencialmente inclinado a se perpetuar.  A obra literária se emancipa de seu tempo, contexto e espaço, seguindo como expressão autônoma que é. A conversa é de bois e os ouvintes são os humanos.  A literatura e o sertão são do mundo.

Referências

ANDRADE, Costa. Lenha seca. Lisboa: Sá da Costa, 1986.

APPIAH, Kwame Anthony. The Postcolonial and the Postmodern. In: ASHCROFT, Bill; GRIFFITHS, Gareth; TIFFIN, Helen (Ed.). The Post-Colonial Studies Reader, London and New York: Routledge, 1999. p. 199-124.

BÂ, Amadou Hampatê. A tradição viva. In: KI-ZERBO, Joseph (Editor). História Geral da África – Volume I. Comitê Científico Internacional da UNESCO para Redação da História Geral da África. 2. ed. rev. Brasília: UNESCO, 2010. p.167-212.

BALUNDU, Tchikakata. O feitiço da rama de abóbora. Porto: Editora Campo das Letras, 1996.

BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov” (1936). Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre Literatura e História da Cultura. 3. ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1987. Obras Escolhidas,V I.

BLOOM, Harold. O cânone ocidental. Lisboa: Editorial Caminho, 1997.

CARDOSO, Boaventura. A morte do velho Kipacaça. Luanda: Edições Maianga, 1987.

CHIZIANE, Paulina. Ventos do Apocalipse. Lisboa: Editorial Caminho, 1999.

COUTO, Mia. A varanda do frangipani. Lisboa: Editorial Caminho, 1996.

GASSAMA, Makhily. Kuma – Interrogation sur la Littérature Nègre de Langue Française (poésie-roman). Dakar-Abidjan: Les Nouvelles Éditions Africaines, 1978.

IRELE, F. Abiola. The african imagination: literature in Africa & the Black Diaspora. Oxford: Oxford University Press, 2001.

JOLLES, André. As formas simples. São Paulo: Cultrix, 1976.

KOSSA, Ungulani Ba Ka. Ualalapi. Lisboa: Editorial Caminho, 1987.

MATA, Inocência. No fluxo da resistência: a literatura, (ainda) universo da reinvenção da diferença. In. Revista Gragoatá. Programa de Pós-graduação do Instituto de Letras da Universidade Federal Fluminense, Niterói, n. 27, 2. sem. 2009. [2010].

MEMMI, Albert. Retrato do colonizado precedido do retrato do colonizador. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 3. ed. 1989.

MONTEIRO, Manuel Rui. Rioseco. Lisboa: Edições Cotovia, 1997.

NETO, Manuel Telles. Retalhes do massacre de Batepá. Luanda: União dos Escritores Angolanos, 2006.

ONG, Walter J. Orality & Literacy. London: Routledge, 1997.

PEPETELA. Lueji. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1989.

PEPETELA. O desejo de Kianda. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1995.

PEPETELA. Parábola do cágado velho. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1997.

PEPETELA. Montanha da água lilás. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 2000.

RIÁUSOVA, Helena. Problema da afinidade tipológica e da identidade nacional: o exemplo dos géneros grandes da narrativa da comunidade zonal das literaturas africanas de expressão portuguesa. In: Littératures Africaines de Langue Portugaise: à la Recherche de l’Identité. Actes du Colloque International (Paris, 28, 29, 30 Nov., 1 Dez. 1984), Paris: Fondation Calouste Gulbenkian/Centre Culturel, 1985. p. 537-543.

RIÁUSOVA, Helena. Dez anos de Literatura Angolana. Porto: ASA, Col. UEA, 1986.

ROSCOE, Adrian. Mother is gold. Cambridge: Cambridge University Press, 1971.

SALES, Germana Araújo; FURTADO, Marli Tereza. Teoria do texto narrativo. Belém: EDUFPA, 2009.

SEMEDO, Odete Costa. Sonéá: histórias e passadas que ouvi contar I. Bissau: INEP, 2000.

SEMEDO, Odete Costa. Djênia: histórias e passadas que ouvi contar II. Bissau: INEP, 2000.

TINE, Alioune. Por une théorie de la littérature africaine écrite. Présence Africaine (Paris), nr 131-134, 1985.

THIONG’O, Ngugi Wa. Decolonizing the mind: the politics of language in African Literature. Oxford: James Currey, 1996.

VANSINA, Jan. A tradição oral e sua metodologia. In: KI-ZERBO, Joseph (Editor). História geral da África, Comitê Científico Internacional da UNESCO para Redação da História Geral da África, 2. ed. rev. Brasília: UNESCO, 2010 . V I, p.167-21; p. 139-166.

VIEIRA, Luandino. Luuanda. São Paulo: Editora Ática, 1990.

VIEIRA, Luandino. Nosso musseque. Luanda: Editorial Njira, 2003.

VIEIRA, Luandino. Kaxinjengele e o poder. Letras & Coisas, 2007.

VIEIRA, Luandino. Kiombokiadimuka e a liberdade. Letras & Coisas, 2008.

VIEIRA, Luandino. Puku Kambundu e a sabedoria. Letras & Coisas, 2009.

VIEIRA, Luandino. Kaputu Kinjila e o sócio dele Kambaxi Kiaxi. Letras & Coisas, 2010.

VIEIRA, Luandino. Ngola Mukongo e a justiça. Letras & Coisas, 2011.

VIEIRA, Luandino. Xingandele, o Corvo de Colarinho Branco. Letras &Ccoisas, 2012.

WIEVIORKA, Michel. A diferença. Lisboa, Fenda, 2003.

ZUMTHOR, Paul. Introduction à la poésie orale. Paris: Editions du Seuil, 1983.

Publicado
22-08-2018
Como Citar
Abreu, A. V. de. (2018). Conversa de bois: uma fábula de João Guimarães Rosa. Scripta, 19(37), 63-80. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2015v19n37p63
Seção
Dossiê temático: Literatura e oralidades