África-Brasil: uma ponte sobre o Atlântico. A literatura popular e oral no Brasil e na Guiné-Bissau

  • Suzana Rodrigues Pavão
Palavras-chave: Literatura oral, Djidius, Trovadores errantes, Poetas repentistas.

Resumo

Pretendemos no presente texto destacar a importância da literatura oral, o contar da cultura, o construir do imaginário tão presente no Era uma vez... (Karingana ua karingana). Unidos em torno de uma fogueira, embaixo da grande árvore, onde moram os antepassados e ancestrais, a tradição é preservada e transmitida. Analisamos a atividade dos Djidius, trovadores errantes da Guiné Bissau, que não conhecem fronteiras, mas respeitam as nações, e que são os preservadores da cultura popular e assim como nossos poetas repentistas e de cordel, levam à população a mensagem do passado e do presente.



Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BOSI, Alfredo. Apontamentos de Gramsci. Jornal de Resenhas, Folha de S. Paulo, p. 1, 8 de abril de 2000.

BOSI, Eclea. Cultura de massa e cultura popular. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 1998.

CABRAL, Amílcar. Textos de resistência. Lisboa: Edições 70, 1974.

CRAVEIRINHA, José. Karingana ua karigana. Lisboa/Maputo: Edições 70/ Instituto do Livro e do Disco, 1992.

Publicado
15-10-2003
Como Citar
Pavão, S. R. (2003). África-Brasil: uma ponte sobre o Atlântico. A literatura popular e oral no Brasil e na Guiné-Bissau. Scripta, 7(13), 341-348. Recuperado de https://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/12532
Seção
Dossiê: Literaturas africanas de língua portuguesa